[ 15/10/2018 ]
Anfavea pleiteia destravamento para a re...

[ 15/10/2018 ]
Produção da indústria automobilística br...

[ 15/10/2018 ]
MINI Cabrio desembarca no Brasil...

[ 15/10/2018 ]
Comércio varejista cresce 1,3%, diz IBGE...

[ 15/10/2018 ]
Mercedes-Benz amplia participação no Sul...

[ 15/10/2018 ]
Ford Ka Sedan: discrição bem-acertada....

[ 15/10/2018 ]
Caminhões VW Delivery saem das linhas co...

[ 15/10/2018 ]
Goodyear lança pneu Urban Max para trans...

[ 15/10/2018 ]
BMW vai pagar 3,6 bilhões de euros por c...

[ 15/10/2018 ]
Ford utilizará grafeno em seus carros...

[ 11/10/2018 ]
Brasil perde US$ 1 bilhão por ano com ba...

[ 11/10/2018 ]
Jaguar Land Rover anuncia paralisação de...

[ 11/10/2018 ]
CAOA Chery lança sedã Arrizo 5 este mês...

[ 11/10/2018 ]
Novo VW Delivery sai de fábrica sob medi...

[ 11/10/2018 ]
Case IH amplia atuação no Paraná...

[ 11/10/2018 ]
Porto Seguro lança consórcio para máquin...

[ 11/10/2018 ]
Goodyear tem novo pneu para aplicação ur...

[ 11/10/2018 ]
Aplicativo indica caminhos para pessoas ...

[ 11/10/2018 ]
Cidade inteligente prevê o fim dos conge...

[ 11/10/2018 ]
Projeto limita emissão de poluentes por ...




 

Data: 15/10/2018

Anfavea pleiteia destravamento para a recuperação de veículos
O presidente da Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, Antonio Megale, afirma que o setor trabalha com bancos e com o governo no estudo de uma legislação que destrave a recuperação de veículos de inadimplentes.

"A situação é muito judicializada, e estatísticas dos bancos apontam que a recuperação de um veículo inadimplente leva até dois anos. Só que, nesse tempo, o carro pode já não se encontrar em condições adequadas, então o banco coloca um spread de risco muito elevado. A recuperação em um período menor poderia ajudar a reduzir taxas de juros e o custo do financiamento", afirma.

Outro tema que não deve ser passageiro e precisa ser melhor compreendido é a mudança nas formas de trabalho da modernidade, aponta Maurício Prado, da consultoria Plano CDE. "Se olharmos em uma perspectiva histórica, de 20 anos, a formalidade cresceu muito no Brasil e não perdeu tudo com a crise. A situação econômica é conjuntural, mas esse mercado mais voltado para o freelancer ou o funcionário contratado por projeto e menos para uma relação de trabalho, isso pode ser uma mudança estrutural", afirma.

Em nota, o Santander disse que não obriga o consumidor a comprovar sua renda na contratação de crédito se ele informar rendimento mensal de até R$ 2,5 mil. O banco afirma que o cliente passará por outras etapas de análise para formação do seu perfil de risco, como consulta à base de dados dos birôs de crédito. O Banco do Brasil disse que o cliente pessoa física que não tem comprovação de renda e deseja abrir uma conta, incluindo operações de crédito, pode lançar mão de declaração pessoal até o limite do valor de isenção de IR.

Fonte : Jornal do Comércio





 

Data: 15/10/2018

Produção da indústria automobilística brasileira atingida pela recessão argentina
As montadoras brasileiras estão enfrentando a perspectiva de uma queda acentuada nas exportações este ano, uma vez que a crise na vizinha Argentina dificulta as perspectivas de vendas de carros no exterior, disse a associação nacional de montadoras.

A associação Anfavea disse que as exportações de automóveis vão cair 8,6% neste ano, para um total de 700 mil unidades. A estimativa representou uma revisão significativa, já que a estimativa anterior da associação dizia que as exportações permaneceriam estáveis em comparação a 2017.

A queda na previsão de exportação é em grande parte atribuível à dependência das montadoras brasileiras em relação à Argentina. Segundo a Anfavea, as exportações para a Argentina representaram entre 70% e 75% das exportações brasileiras de automóveis. Em setembro, esse número caiu para cerca de 50%.
“Temos que nos acostumar com a nova realidade das exportações”, disse Antonio Megale, presidente da associação, que também é executivo da Volkswagen AG.

A Argentina tem lutado para controlar a inflação em meio a uma moeda enfraquecida que perdeu metade de seu valor este ano. Isso levantou questões sobre a capacidade do país de pagar sua dívida e diminuir o poder de compra dos argentinos.

A produção de automóveis no Brasil despencou 23,5% em setembro em relação ao mês anterior, enquanto as vendas caíram 14,2%, disse a Anfavea. Apesar das quedas, o emprego no setor automobilístico permaneceu estável.

O Brasil foi um dos cinco maiores mercados de automóveis do mundo até uma inflexão recente, e continua a ser uma importante base de operações para Fiat Chrysler Automóveis NV, Volkswagen, General Motors Co e Ford Motor Co.

Fonte : O Petróleo





 

Data: 15/10/2018

MINI Cabrio desembarca no Brasil
Anova geração do MINI Cabrio lançada no Salão de Pequim em maio deste ano será uma das atrações no estande da BMW no Salão do Automóvel de São Paulo a partir de 8 de novembro na capital paulista.

“Estamos empolgados com o lançamento do novo MINI Cabrio no maior evento automotivo da América Latina. Será uma boa oportunidade de mostrar novidades com a nossa personalidade para os clientes e fãs da marca”, comenta Rodrigo Novello, gerente de vendas, produto e preços da MINI Brasil.

Além do visual atualizado e novos equipamentos, ele oferecerá diversas possibilidades de customização e novos serviços digitais para o sistema MINI Connected. Dentre as novidades da nova geração, a empresa destaca o acionamento totalmente elétrico do teto, faróis e lanternas equipados com LEDs, PDC, Controle de Distância de Estacionamento Traseiro, tela de 6,5 polegadas, chamada de emergência inteligente (E-call), rádio digital e conectividade Bluetooth.

Atualmente, o MINI Cabrio é oferecido em cinco opções de motorização – One, Cooper, Cooper S, Cooper D e Cooper SD – equipadas com motores de 3 ou 4 cilindros, movidos a gasolina ou diesel, e associadas a transmissões automáticas ou manuais de seis, sete ou oito marchas.

Lançado no mercado britânico em junho de 1993, há exatos 25 anos portanto, o conversível da Mini fez fez sua estreia no Brasil em meados de 2009, logo após a marca britânica iniciar sua operação comercial no país. Em agosto de 2013, a MINI promoveu o lançamento da versão John Cooper Works Cabrio, a opção mais “apimentada” do conversível, juntamente com outros integrantes da família John Cooper Works, incluindo as variantes Coupé e Roadster.

Três anos depois, em agosto de 2016, a nova geração do conversível desembarcou por aqui equipada com o novo motor 2.0 TwinPower Turbo, de quatro cilindros e 192 cavalos de potência, e capota elétrica. Nestes quase 10 anos de presença da marca no Brasil, aproximadamente 1.400 unidades do Cabrio foram emplacadas localmente.

Fonte : AutoIndústria





 

Data: 15/10/2018

Comércio varejista cresce 1,3%, diz IBGE
O volume de vendas do comércio varejista teve um crescimento de 1,3% de julho para agosto deste ano, segundo dados divulgados na quinta-feira (11), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em julho, o setor teve queda de 0,1%. O resultado de agosto recupera parte da perda de 1,5% acumulada nos três meses anteriores.

O varejo também apresentou altas de 0,3% na média móvel trimestral, de 4,1% na comparação com agosto de 2017, de 2,6% no acumulado do ano e de 3,3% no acumulado de 12 meses.

Fonte : Agência Brasil





 

Data: 15/10/2018

Mercedes-Benz amplia participação no Sul
Com pouco mais de 1,8 mil unidades vendidas no Sul do País de janeiro a setembro, a Mercedes-Benz anota crescimento de 110% nas entregas de caminhões extrapesados na região. Segundo a montadora, as vendas estão sendo impulsionadas por renovações de frotas e novas demandas de setores do agronegócio, como transporte de grãos e cana-de-açúcar, como também da mineração, logística, transporte de combustíveis e produtos químicos. A marca destaca o desempenho do Actros, que somente na região apresentou 170% de crescimento nas vendas em 2018, com 980 unidades.

Fonte : AutoIndústria





 

Data: 15/10/2018

Ford Ka Sedan: discrição bem-acertada.
Exagero imaginar o Ford Ka Sedan como um lobo em pele de cordeiro. Não se trata de ocultar alto desempenho sob uma aparência dócil. O modelo é como se mostra: um carro para o dia a dia, com uma proposta familiar e níveis de conforto e conveniências na medida do que se espera de um modelo de sua categoria. Mas ao incorporar em sua linha 2019 o motor 1.5 Ti – VCT Flex de três cilindros associado a um câmbio automático de seis marchas, o automóvel não só entrega mais capacidade como também facilidades a bordo.

O sedã compacto é do tipo que “veste” bem. A versão topo de linha avaliada por AutoIndústria, a Titanium, por R$ 71.600, tem acabamento refinado para os padrões de carro compacto, que privilegia o couro, e traz amplas possibilidades de ajustes no banco e na coluna de direção.

Para o posto de comando, a engenharia providenciou um pacote de conveniências ao motorista. A ignição é do tipo sem chave, basta apertar o botão; o volante multifuncional dá acesso ao sistema de áudio, controlador de velocidade e informações do veículo. No centro do painel, em posição elevada, a tela de 6,5 polegadas sensível ao toque abriga a central multimídia com sistema Sync 3 da marca, permitindo conexão a smartphones e aplicativos de navegação, como o Waze. Há ainda duas entradas USB localizadas no console central.

Na condução, boas surpresas

O novo conjunto mecânico fez um bem danado ao modelo. O motor 1.5 de três cilindros, o mesmo oferecido no EcoSport, desenvolve 136 cv a 6.500 rpm e torque de 16,1 kgfm a 4.750 rpm se abastecido com etanol. Equivale a dizer que o desempenho oferecido é equivalente a motores maiores.

De acordo com a fabricante, 89% da força máxima são entregues logo aos 1.500 rpm. Apenas o dinamômetro pode confirmar, mas no trânsito não há como negar que o veículo responde prontamente ao comando do acelerador, oferecendo uma direção ágil.

A resposta à altura do que espera o motorista é responsabilidade de outra novidade, o câmbio automático de seis velocidades. A tecnologia privilegia conforto ao dirigir pelo funcionamento suave e silencioso nas trocas de marcha por meio de sistema hidráulico. A transmissão traz ainda a chamada SelecShift, que permite trocas por meio de botão na alavanca, e o modo Sport, recurso especialmente interessante para ser usado nas ultrapassagens.

Pelas suas especificações técnicas, o Ka Sedan 1.5 acelera de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos e faz na cidade 7,8 km/l e, na estrada, 10,1 km/l, ambos os desempenhos se considerar o consumo de etanol. Pelo computador de bordo, em ciclo misto, na avaliação do carro ao longo de 400 km, o veículo computou pouco mais de 12 km/l.

As novidades para a linha 2019 da família Ka, em julho passado, certamente ainda não são os maiores responsáveis pelo avanço de participação do modelo no mercado, mas seguramente estão contribuindo.

De acordo com os números da Fenabrave, de janeiro a setembro deste ano chegaram às ruas do País 27,4 mil unidades do Ka Sedan, o que representou um crescimento de 36% na comparação com o mesmo período do ano passado e participação de 12,7% nas vendas de sedãs pequenos, o segundo mais vendido na categoria. Há ano, o modelo da Ford participava com 10%, atrás de Chevrolet Prisma, Volkswagen Voyage, Hyundai HB20s e Toyota Etios Sedan.

Fonte : AutoIndústria/Décio Costa





 

Data: 15/10/2018

Caminhões VW Delivery saem das linhas com carroceria cor-de-rosa
A Volkswagen Caminhões e Ônibus pintou de rosa quarenta caminhões Delivery 11.180 produzidos na fábrica de Resende (RJ). Feitos sob medida, precisaram de um desenvolvimento especial para a tonalidade de pintura, inédita para os veículos da marca.

Os caminhões chamam a atenção por onde passam: “Mais de 85% dos veículos produzidos são Branco Geada, então o rosa já garante destaque imediato. E além disso, nunca haviam nos solicitado caminhões cor-de-rosa antes”, comenta Fabiana Costa, engenheira de Processos de Estamparia, Armação e Pintura da VW Caminhões e Ônibus.

As cabines saíram de linha em pleno outubro, o que motivou as colaboradoras a vestir a camisa da prevenção e engajar as colegas de trabalho no Outubro Rosa, campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama e, mais recentemente, sobre o câncer de colo de útero.

Fonte : Frota e Cia





 

Data: 15/10/2018

Goodyear lança pneu Urban Max para transporte na cidade.
Com sete anos de garantia, o pneu foi desenvolvido para trabalho nas cidades e uso em ônibus de transporte de passageiros e caminhões de entrega, e vem com Chip RFID de fábrica.

A Goodyear entende que na visão dos gestores de frota, dois atributos são essenciais para a escolha de pneus premium: maior quilometragem e menor custo por quilometro. Afinal, os pneus normalmente representam a segunda maior despesa dos frotistas, atrás apenas dos gastos com combustível.

Para os frotistas que atuam no serviço urbano, a preocupação é ainda maior. O serviço apresenta diversos desafios específicos que impactam na performance dos pneus. O “anda e para” constante devido a semáforos, pontos de ônibus e redutores de velocidade gera acumulo de calor excessivo nos pneus. O calor é o pior inimigo da performance dos pneus. Além do calor, os pneus enfrentam obstáculos como calçadas, meios-fios e curvas acentuadas que podem causar avarias e os retirar prematuramente de serviço.

Devido a estes desafios e ao alto custo que os pneus representam à operação, os frotistas do segmento urbano são extremamente exigentes em relação ao controle de custo por quilometro e à durabilidade dos pneus.

Para superar esses desafios, a Goodyear desenvolveu o novo pneu Urban Max, que oferece o máximo em durabilidade. Com um desenho completamente novo, diferentes compostos e novas tecnologias de construção da carcaça, a Goodyear oferece o pneu ideal para enfrentar os desafios da cidade, proporcionando até 17% a mais quilometragem se comparado com o seu antecessor.

O lançamento será disponibilizado primeiramente na medida 275/80R22.5 e terá extensões para outras medidas em 2019.

“O Urban Max conta com a nova tecnologia Cool Bead ou tecnologia de talão frio, que consiste em uma nova geometria do núcleo e a adição de compostos especiais, fazendo com que a temperatura na área do talão seja até 5% menor. A área do talão é crítica e propensa a avarias devido ao calor excessivo gerado pelo “anda e para” do serviço urbano. Possui também raias dos ombros 4.5% mais largas que seu antecessor, aumentando a rigidez dos ombros em até 15% e garantindo maior resistência às características de serviço. O Urban Max também conta com a tecnologia Intellimax Rib (tecnologia de raias interligadas) presente também no modelo KMAX S”, explica Eduardo Schilling, gerente sênior de marketing para pneus da linha comercial da Goodyear.

Além desses atributos, o pneu conta também com protetores de sulco na raia central, 4 cintas estabilizadoras de aço, e compostos especiais na banda de rodagem, sub banda e na área do ombro, desenvolvidos especificamente para o segmento urbano.

Como todos os pneus da Max Series, o Urban Max possui 7 anos de garantia na vida total do pneu, independentemente do número de recapagens (quando recapados com produtos Goodyear). O pneu Urban Max possui a opção de chip RFID (identificação por radiofrequência) integrado de fábrica (opcional), podendo ser utilizado em conjunto com a solução Control Max. O sistema permite o monitoramento online do uso dos pneus nos veículos, emitindo relatórios analíticos fundamentais para a gestão completa dos pneus, considerando: o controle de todos estágios de vida dos pneus, posição de aplicação nos veículos, montagens, rodízios, reparos, trocas e gestão patrimonial. O Control Max pode gerar economia de até 15%* nos gastos anuais com pneus.

Pensando na estratégia de ciclo completo, além deste lançamento de pneu a Goodyear oferece a seus clientes suas bandas pré-curadas desenvolvidas especificamente para o serviço urbano. A banda pré-curada G372T, recomendada para o primeiro estágio de recapagem, e a City Light, que possui características especificas para utilização em estágios mais avançados de vida dos pneus.

Fonte : ShopTrans





 

Data: 15/10/2018

BMW vai pagar 3,6 bilhões de euros por controle de montadora na China
A BMW pagará 3,6 bilhões de euros (US$ 4,2 bilhões) para assumir o controle de sua principal joint venture na China, no primeiro movimento do tipo de uma montadora global de veículos e que ocorre após Pequim começar a relaxar regras de controle estrangeiro sobre o maior mercado automotivo do mundo.

A BMW afirmou na última quinta-feira, 11, a que vai ampliar sua fatia na joint venture com a Brilliance China Automotive, de 50% para 75%, com o acordo sendo concluído em 2022, quando as regras do país que limitam o controle estrangeiro sobre montadoras instaladas no país forem liberadas.

O negócio deve levar a BMW a transferir mais produção para a China no momento em que Washington trava uma guerra comercial com Pequim que elevou o custo para o grupo alemão importar carros fabricados em sua fábrica na Carolina do Sul. A BMW é uma das maiores exportadoras de veículos dos EUA para a China.

O acordo também é um marco para montadoras internacionais, que são limitadas a ter no máximo 50% de qualquer empresa chinesa e têm que dividir lucros com o parceiro local. Com isso, o negócio pode incentivar rivais como a Daimler a fazer o mesmo.

“Estamos embarcando em uma nova era”, disse o presidente-executivo da BMW, Harald Krueger, em Shenyang, onde a joint venture está instalada. Ele agradeceu ao premiê chinês, Li Keqiang, que “pessoalmente apoiou” o plano.

A joint venture pretende investir ¤ 3 bilhões em uma grande expansão de capacidade produtiva que receberá uma nova fábrica, disse Krueger.

Mas analistas da indústria temem que as vendas de veículos na China possam cair este ano pela primeira vez em décadas. As vendas no país caíram em julho e agosto.

Entretanto, o vice-presidente financeiro da BMW, Nicolas Peter, afirmou que a companhia segue otimista. “Estamos absolutamente convencidos de que o mercado tem potencial de crescimento adicional”.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Reuters





 

Data: 15/10/2018

Ford utilizará grafeno em seus carros
A busca por maior eficiência energética em seus produtos incentiva a Ford a dar um importante passo: a montadora estadunidense será a primeira a ter um carro com componentes confeccionados com grafeno. A honra histórica caberá, em princípio, a dois ícones da marca: o esportivo Mustang e a F-150, um dos veículos mais vendidos nos Estados Unidos.

O grafeno, um nanomaterial, é muito leve e duzentas vezes mais forte do que o aço. Caracteriza-se também por ser extremamente fino, flexível, excelente condutor e também um ótimo isolante acústico. Já está presente, por exemplo, nos telefones celulares e equipamentos esportivos.

Já é conhecido como “material milagroso” por conta dessas muitas características positivas. Sua presença em grande proporção nos produtos, porém, esbarra ainda no custo elevado. Exatamente por isso a Ford estabeleceu parceria com a Eagle Industries e a XG Sciences para utilizá-lo ainda que em pequenas quantidades.

Segundo a montadora, ele será aplicado incialmente na cobertura de linhas de combustível, bombas e motores, como “isolante acústico superpotente”. A ideia neste caso é, sobretudo, reduzir o índice de ruídos dentro da cabine dos veículos. “Uma pequena quantidade de grafeno tem um efeito significativo na qualidade de absorção sonora”, diz John Bull, presidente da Eagle Industries.

“A inovação aqui não está no material, mas na forma como ele é usado”, acrescenta Debbie Mielewski, líder técnica de sustentabilidade e novos materiais da Ford.

Há cerca de quatro anos a empresa vem estudando a utilização do material e desenvolvendo parcerias com fornecedores nesse sentido. “Com uma quantidade muito pequena, de menos de 0,5%, conseguimos obter melhorias significativas em durabilidade, isolamento acústico e redução de peso”, diz a técnica da Ford.

Em testes, a espuma misturada com grafeno reduziu em 17% o nível de ruído, melhorou 20% propriedades mecânicas e 30% a resistência ao calor comparado ao material sem o nanomaterial.

Fonte : AutoIndústria