[ 23/6/2017 ]
Indústria 4.0 avança e consegue novos ga...

[ 23/6/2017 ]
Câmara aprova projeto de preço mínimo pa...

[ 23/6/2017 ]
Custo inibe utilização mais intensa de r...

[ 23/6/2017 ]
Preços puxam alta de 20% da exportação n...

[ 23/6/2017 ]
Brasil criou 34.253 novas vagas de empre...

[ 23/6/2017 ]
Elétricos já vendem mais que carro a álc...

[ 23/6/2017 ]
Mercedes-Benz apresenta Furgão Vito como...

[ 23/6/2017 ]
Randon formaliza joint venture com Epysa...

[ 23/6/2017 ]
Nissan mostra novo X-Trail e planeja tra...

[ 23/6/2017 ]
MAN Latin America entrega 48 veículos pa...

[ 22/6/2017 ]
Em busca de espaço perdido, Volks lança ...

[ 22/6/2017 ]
Nissan se prepara para iniciar segundo t...

[ 22/6/2017 ]
Com "Rota 2030", carro nacional será ava...

[ 22/6/2017 ]
Marcopolo reduz a 20% participação na eg...

[ 22/6/2017 ]
Novo Peugeot 3008 vira SUV e chega ao Br...

[ 22/6/2017 ]
Chevrolet Cobalt reforça pacote de segur...

[ 22/6/2017 ]
Quatro cliques indispensáveis antes de c...

[ 22/6/2017 ]
Tesla cresce 32% e se torna a marca auto...

[ 22/6/2017 ]
Ataque cibernético obriga Honda a interr...

[ 22/6/2017 ]
Volvo transforma Polestar de preparadora...




 

Data: 20/4/2017

Cresce número de pessoas que dirigem após consumir álcool
 
Depois de um breve período de queda, a união entre álcool e direção voltou a aumentar no País. A pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, por telefone, em capitais brasileiras mostra que 12,9% dos homens e 2,5% das mulheres admitem dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas.

Em 2013, um ano depois da criação da Lei Seca, os índices entre o público masculino haviam caído para 9,4% e das mulheres, para 1,6%.

Um estudo do sistema de vigilância do ministério, Vigitel, revela que, ano passado, duas em cada 10 pessoas entrevistadas admitiram a ingestão excessiva de bebida alcoólica.

Para mulheres, isso significa o consumo de quatro doses ou mais de bebidas por vez. No caso de homens, o excesso é caracterizado pelo consumo de 5 doses ou mais. Em 2006, o consumo excessivo era indicado por 15,7% dos entrevistados.

O aumento ocorre em ambos os sexos. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, alerta a expansão do problema entre mulheres. Em 2006, 7,8% referiam consumo abusivo de bebida alcoólica. Esse porcentual agora é de 12,1%. “É um aumento de 50%. Não é desprezível. Mostra que as mulheres estão mais na cervejinha”.

Já entre o público masculino, o consumo abusivo passou de 25% para 27,3%. Barros afirma ser necessário reforçar as campanhas de prevenção contra o que ele define como “vícios tolerados pela sociedade”.

“A gente precisa insistir nisso. A campanha contra o tabagismo foi muito eficiente ao longo do tempo, se reduziu muito o número de fumantes. A de álcool não”, finaliza.

Fonte : Frota & Cia