[ 24/4/2017 ]
MAN fecha primeiro trimestre perto da me...

[ 24/4/2017 ]
Brasil quer ampliar participação dos ser...

[ 24/4/2017 ]
Analistas fazem indicações atentos à rec...

[ 24/4/2017 ]
Câmara rejeita projeto de isenção a taxa...

[ 24/4/2017 ]
Volkswagen Caminhões lança modelo para c...

[ 24/4/2017 ]
Fabricante de autopeças deverá ter filia...

[ 24/4/2017 ]
Prefeito de São Paulo quer dar prêmio a ...

[ 24/4/2017 ]
GM paralisa operações na Venezuela após ...

[ 24/4/2017 ]
Após fraudes, VW será ‘vigiada’ por três...

[ 24/4/2017 ]
Volvo confirma produção de seu primeiro ...

[ 20/4/2017 ]
Iveco Bus e Caio Induscar lançam primeir...

[ 20/4/2017 ]
"Rota 2030" vai substituir o Inovar-Auto...

[ 20/4/2017 ]
Com baixa demanda do agronegócio, montad...

[ 20/4/2017 ]
Montadoras premium tiveram melhores resu...

[ 20/4/2017 ]
Confiança do consumidor cresce 1,4% em a...

[ 20/4/2017 ]
Com novo up!, Volkswagen revela estratég...

[ 20/4/2017 ]
Rede Ford Caoa vende até o fim do mês Ra...

[ 20/4/2017 ]
Conversão do veículo para gás natural de...

[ 20/4/2017 ]
Câmara rejeita projeto de isenção a taxa...

[ 20/4/2017 ]
Cresce número de pessoas que dirigem apó...




 

Data: 20/4/2017

Cresce número de pessoas que dirigem após consumir álcool
 
Depois de um breve período de queda, a união entre álcool e direção voltou a aumentar no País. A pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, por telefone, em capitais brasileiras mostra que 12,9% dos homens e 2,5% das mulheres admitem dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas.

Em 2013, um ano depois da criação da Lei Seca, os índices entre o público masculino haviam caído para 9,4% e das mulheres, para 1,6%.

Um estudo do sistema de vigilância do ministério, Vigitel, revela que, ano passado, duas em cada 10 pessoas entrevistadas admitiram a ingestão excessiva de bebida alcoólica.

Para mulheres, isso significa o consumo de quatro doses ou mais de bebidas por vez. No caso de homens, o excesso é caracterizado pelo consumo de 5 doses ou mais. Em 2006, o consumo excessivo era indicado por 15,7% dos entrevistados.

O aumento ocorre em ambos os sexos. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, alerta a expansão do problema entre mulheres. Em 2006, 7,8% referiam consumo abusivo de bebida alcoólica. Esse porcentual agora é de 12,1%. “É um aumento de 50%. Não é desprezível. Mostra que as mulheres estão mais na cervejinha”.

Já entre o público masculino, o consumo abusivo passou de 25% para 27,3%. Barros afirma ser necessário reforçar as campanhas de prevenção contra o que ele define como “vícios tolerados pela sociedade”.

“A gente precisa insistir nisso. A campanha contra o tabagismo foi muito eficiente ao longo do tempo, se reduziu muito o número de fumantes. A de álcool não”, finaliza.

Fonte : Frota & Cia