[ 18/10/2017 ]
Ford comemora 60 anos de produção do cam...

[ 18/10/2017 ]
Montadoras revelam otimismo na Fenatran...

[ 18/10/2017 ]
Regulamentação do Rota 2030 deve sair ai...

[ 18/10/2017 ]
Aumento nas vendas de implementos aponta...

[ 18/10/2017 ]
Randon retoma as obras da fábrica de Ara...

[ 18/10/2017 ]
TP Industrial do Brasil lança novos pneu...

[ 18/10/2017 ]
Especial seguros: os extras da apólice v...

[ 18/10/2017 ]
Especial seguros: mercado tem planos sob...

[ 18/10/2017 ]
Saiba que fazer se o seu veículo ficar i...

[ 18/10/2017 ]
Kia Motors atinge vendas globais de 252....

[ 17/10/2017 ]
Iveco investirá US$ 120 milhões em novos...

[ 17/10/2017 ]
Fabricantes de motores retomam otimismo ...

[ 17/10/2017 ]
Grandes fabricantes de máquinas agrícola...

[ 17/10/2017 ]
Risco climático estimula a contratação d...

[ 17/10/2017 ]
Carros de luxo blindados têm lance inici...

[ 17/10/2017 ]
Mercado de peças é terra de ninguém...

[ 17/10/2017 ]
No seu carro, as cores da Amazônia ...

[ 17/10/2017 ]
Fras-le vai inaugurar planta na China...

[ 17/10/2017 ]
Mercedes-Benz exporta mais de 300 ônibus...

[ 17/10/2017 ]
Noruega pretende taxar carros elétricos...




 

Data: 20/4/2017

Cresce número de pessoas que dirigem após consumir álcool
 
Depois de um breve período de queda, a união entre álcool e direção voltou a aumentar no País. A pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, por telefone, em capitais brasileiras mostra que 12,9% dos homens e 2,5% das mulheres admitem dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas.

Em 2013, um ano depois da criação da Lei Seca, os índices entre o público masculino haviam caído para 9,4% e das mulheres, para 1,6%.

Um estudo do sistema de vigilância do ministério, Vigitel, revela que, ano passado, duas em cada 10 pessoas entrevistadas admitiram a ingestão excessiva de bebida alcoólica.

Para mulheres, isso significa o consumo de quatro doses ou mais de bebidas por vez. No caso de homens, o excesso é caracterizado pelo consumo de 5 doses ou mais. Em 2006, o consumo excessivo era indicado por 15,7% dos entrevistados.

O aumento ocorre em ambos os sexos. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, alerta a expansão do problema entre mulheres. Em 2006, 7,8% referiam consumo abusivo de bebida alcoólica. Esse porcentual agora é de 12,1%. “É um aumento de 50%. Não é desprezível. Mostra que as mulheres estão mais na cervejinha”.

Já entre o público masculino, o consumo abusivo passou de 25% para 27,3%. Barros afirma ser necessário reforçar as campanhas de prevenção contra o que ele define como “vícios tolerados pela sociedade”.

“A gente precisa insistir nisso. A campanha contra o tabagismo foi muito eficiente ao longo do tempo, se reduziu muito o número de fumantes. A de álcool não”, finaliza.

Fonte : Frota & Cia