[ 15/12/2017 ]
"Carro único" para Brasil e Argentina po...

[ 15/12/2017 ]
Cresce a procura por consórcio de veícul...

[ 15/12/2017 ]
Governo reduz a zero imposto de importaç...

[ 15/12/2017 ]
Montadora chinesa chega a Anápolis e vai...

[ 15/12/2017 ]
Superávit comercial deve cair a US$ 50,3...

[ 15/12/2017 ]
Dados da Fenabrave registram um crescime...

[ 15/12/2017 ]
Ford Caminhões projeta mercado maior em ...

[ 15/12/2017 ]
CAOA Montadora assina parceria com a SAE...

[ 15/12/2017 ]
Volkswagen reconhece apoio à ditadura so...

[ 15/12/2017 ]
Peças genuínas DAF e multimarcas TRP tem...

[ 14/12/2017 ]
JAC Motors implantará nova montadora em ...

[ 14/12/2017 ]
Rota 2030 deve exigir aumento de 12% na ...

[ 14/12/2017 ]
Setor de autopeças prevê crescimento sus...

[ 14/12/2017 ]
Dados positivos do varejo de São Paulo...

[ 14/12/2017 ]
Programa de incentivo desagrada às monta...

[ 14/12/2017 ]
Crédito e renda devem impulsionar a expa...

[ 14/12/2017 ]
Novo Toyota Camry desembarca no País...

[ 14/12/2017 ]
Volkswagen Amarok V6 Highline esgota pré...

[ 14/12/2017 ]
Renault entrega vinte veículos elétricos...

[ 14/12/2017 ]
Revisão do carro antes das férias é fund...




 

Data: 20/4/2017

Conversão do veículo para gás natural deve ser feita em oficinas certificadas
 
Abastecer o veículo com GNV (Gás Natural Veicular) pode representar uma economia significativa nas despesas mensais. O gasto chega a ser 68% menor que com etanol e 57% menor que com gasolina, segundo dados da Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado). Os cálculos consideram a média de preços apurada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), a performance com cada combustível e uma quilometragem mensal de 2.500 quilômetros.

Por isso, converter o veículo pode ser um bom negócio, especialmente para quem roda mais, já que o custo de instalação do sistema de GNV passa de R$ 2.000 reais. Mas, na hora de procurar uma oficina para fazer a conversão, é importante verificar se o estabelecimento está certificado pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Isso garante que o equipamento e os procedimentos adotados seguem padrões de qualidade e de segurança.

Segundo a Abegás, “as normas de segurança relacionadas à conversão do GNV são extremamente rígidas e seus controles são mais rigorosos do que a maioria das normas relacionadas a outros itens do veículo”. As oficinas credenciadas pelo Inmetro podem ser consultadas no site do instituto.

A entidade explica que os componentes do sistema de conversão são testados exaustivamente pelos fabricantes, assegurando uma confiabilidade elevada; em caso de escapamento, o GNV se dissipa rapidamente na atmosfera, evitando concentrações de produtos potencialmente perigosos; durante o abastecimento, não há contato do gás com o oxigênio, o que elimina risco de combustão; as normas de projeto e construção dos postos de abastecimento são tão ou mais severas do que aquelas empregadas na conversão dos veículos; e o GNV não pode ser adulterado, o que proporciona ao consumidor uma confiabilidade maior sobre a origem e a qualidade do produto.

Fonte : Agência Câmara Notícias