[ 23/6/2017 ]
Indústria 4.0 avança e consegue novos ga...

[ 23/6/2017 ]
Câmara aprova projeto de preço mínimo pa...

[ 23/6/2017 ]
Custo inibe utilização mais intensa de r...

[ 23/6/2017 ]
Preços puxam alta de 20% da exportação n...

[ 23/6/2017 ]
Brasil criou 34.253 novas vagas de empre...

[ 23/6/2017 ]
Elétricos já vendem mais que carro a álc...

[ 23/6/2017 ]
Mercedes-Benz apresenta Furgão Vito como...

[ 23/6/2017 ]
Randon formaliza joint venture com Epysa...

[ 23/6/2017 ]
Nissan mostra novo X-Trail e planeja tra...

[ 23/6/2017 ]
MAN Latin America entrega 48 veículos pa...

[ 22/6/2017 ]
Em busca de espaço perdido, Volks lança ...

[ 22/6/2017 ]
Nissan se prepara para iniciar segundo t...

[ 22/6/2017 ]
Com "Rota 2030", carro nacional será ava...

[ 22/6/2017 ]
Marcopolo reduz a 20% participação na eg...

[ 22/6/2017 ]
Novo Peugeot 3008 vira SUV e chega ao Br...

[ 22/6/2017 ]
Chevrolet Cobalt reforça pacote de segur...

[ 22/6/2017 ]
Quatro cliques indispensáveis antes de c...

[ 22/6/2017 ]
Tesla cresce 32% e se torna a marca auto...

[ 22/6/2017 ]
Ataque cibernético obriga Honda a interr...

[ 22/6/2017 ]
Volvo transforma Polestar de preparadora...




 

Data: 20/4/2017

Confiança do consumidor cresce 1,4% em abril, diz CNI
 
O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) subiu 1,4% em abril ante março e chegou a 103,4 pontos, após ter recuado no mês passado. Em relação a abril de 2016, quando o indicador estava em 97,5 pontos, houve aumento de 6,1%

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 cidades, entre 7 e 11 de abril.

Apesar do avanço, a confiança do consumidor continua abaixo da média histórica iniciada em março de 2001, de 108,6 pontos. A melhora do INEC em abril é resultado das perspectivas de queda da inflação e de melhoria do emprego, renda pessoal e endividamento para os próximos seis meses.

O índice de expectativas para a inflação, por exemplo, cresceu 5,8% em relação a março e 9,3% ante abril do ano passado. Quanto mais alto o indicador, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, mais pessoas esperam queda generalizada dos preços. Já a expectativa desemprego cresceu 2% ante março e 6,8%. A lógica é a mesma da inflação: quanto maior o índice, maior a quantidade de entrevistados que apostam na queda do desemprego.

A previsão para renda pessoal subiu 1,1%, para endividamento cresceu 3,3% e para situação financeira avançou 0,9% em abril frente ao mês anterior. O índice de compra de bens de maior valor, como eletrodomésticos e móveis foi o único que teve retração neste mês. Em comparação com março, o recuo foi de 1,7% e, em 12 meses, de 2,1%.

Fonte : Portal G1