[ 18/10/2017 ]
Ford comemora 60 anos de produção do cam...

[ 18/10/2017 ]
Montadoras revelam otimismo na Fenatran...

[ 18/10/2017 ]
Regulamentação do Rota 2030 deve sair ai...

[ 18/10/2017 ]
Aumento nas vendas de implementos aponta...

[ 18/10/2017 ]
Randon retoma as obras da fábrica de Ara...

[ 18/10/2017 ]
TP Industrial do Brasil lança novos pneu...

[ 18/10/2017 ]
Especial seguros: os extras da apólice v...

[ 18/10/2017 ]
Especial seguros: mercado tem planos sob...

[ 18/10/2017 ]
Saiba que fazer se o seu veículo ficar i...

[ 18/10/2017 ]
Kia Motors atinge vendas globais de 252....

[ 17/10/2017 ]
Iveco investirá US$ 120 milhões em novos...

[ 17/10/2017 ]
Fabricantes de motores retomam otimismo ...

[ 17/10/2017 ]
Grandes fabricantes de máquinas agrícola...

[ 17/10/2017 ]
Risco climático estimula a contratação d...

[ 17/10/2017 ]
Carros de luxo blindados têm lance inici...

[ 17/10/2017 ]
Mercado de peças é terra de ninguém...

[ 17/10/2017 ]
No seu carro, as cores da Amazônia ...

[ 17/10/2017 ]
Fras-le vai inaugurar planta na China...

[ 17/10/2017 ]
Mercedes-Benz exporta mais de 300 ônibus...

[ 17/10/2017 ]
Noruega pretende taxar carros elétricos...




 

Data: 20/4/2017

Confiança do consumidor cresce 1,4% em abril, diz CNI
 
O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) subiu 1,4% em abril ante março e chegou a 103,4 pontos, após ter recuado no mês passado. Em relação a abril de 2016, quando o indicador estava em 97,5 pontos, houve aumento de 6,1%

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 cidades, entre 7 e 11 de abril.

Apesar do avanço, a confiança do consumidor continua abaixo da média histórica iniciada em março de 2001, de 108,6 pontos. A melhora do INEC em abril é resultado das perspectivas de queda da inflação e de melhoria do emprego, renda pessoal e endividamento para os próximos seis meses.

O índice de expectativas para a inflação, por exemplo, cresceu 5,8% em relação a março e 9,3% ante abril do ano passado. Quanto mais alto o indicador, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, mais pessoas esperam queda generalizada dos preços. Já a expectativa desemprego cresceu 2% ante março e 6,8%. A lógica é a mesma da inflação: quanto maior o índice, maior a quantidade de entrevistados que apostam na queda do desemprego.

A previsão para renda pessoal subiu 1,1%, para endividamento cresceu 3,3% e para situação financeira avançou 0,9% em abril frente ao mês anterior. O índice de compra de bens de maior valor, como eletrodomésticos e móveis foi o único que teve retração neste mês. Em comparação com março, o recuo foi de 1,7% e, em 12 meses, de 2,1%.

Fonte : Portal G1