[ 21/8/2017 ]
Ford cancela 80 demissões e abre PDV em ...

[ 21/8/2017 ]
Volkswagen pode importar o Atlas para a ...

[ 21/8/2017 ]
Indústria mais "tecnológica" tem avanço ...

[ 21/8/2017 ]
Consórcio de veículos volta a crescer...

[ 21/8/2017 ]
Fiesp prevê fim de incentivos para “camp...

[ 21/8/2017 ]
Kia é responsável pelo transporte oficia...

[ 21/8/2017 ]
Fiat Strada 2018 tem preço entre R$ 47.2...

[ 21/8/2017 ]
Iveco inaugura quinta concessionária no ...

[ 21/8/2017 ]
Após 30 anos, a Puma ensaia volta às rua...

[ 21/8/2017 ]
Contran antecipa implementação da cartei...

[ 18/8/2017 ]
Segunda geração do Tiguan virá para brig...

[ 18/8/2017 ]
Movida faz aquisição e cria marca premiu...

[ 18/8/2017 ]
Cai tarifa de importação para 4,9 mil pr...

[ 18/8/2017 ]
Sinais que afetam a produção de petróleo...

[ 18/8/2017 ]
Produção de aço bruto em julho sobe 1% a...

[ 18/8/2017 ]
Funcionários da Mercedes-Benz entram em ...

[ 18/8/2017 ]
Novo Volvo XC60 tem isenção de IPI para ...

[ 18/8/2017 ]
Ford Caminhões oferece contratos de manu...

[ 18/8/2017 ]
“Kwid número 1”: Comprador recebe veícul...

[ 18/8/2017 ]
Super rodotrem está pronto...




 

Data: 20/4/2017

Confiança do consumidor cresce 1,4% em abril, diz CNI
 
O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) subiu 1,4% em abril ante março e chegou a 103,4 pontos, após ter recuado no mês passado. Em relação a abril de 2016, quando o indicador estava em 97,5 pontos, houve aumento de 6,1%

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 cidades, entre 7 e 11 de abril.

Apesar do avanço, a confiança do consumidor continua abaixo da média histórica iniciada em março de 2001, de 108,6 pontos. A melhora do INEC em abril é resultado das perspectivas de queda da inflação e de melhoria do emprego, renda pessoal e endividamento para os próximos seis meses.

O índice de expectativas para a inflação, por exemplo, cresceu 5,8% em relação a março e 9,3% ante abril do ano passado. Quanto mais alto o indicador, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, mais pessoas esperam queda generalizada dos preços. Já a expectativa desemprego cresceu 2% ante março e 6,8%. A lógica é a mesma da inflação: quanto maior o índice, maior a quantidade de entrevistados que apostam na queda do desemprego.

A previsão para renda pessoal subiu 1,1%, para endividamento cresceu 3,3% e para situação financeira avançou 0,9% em abril frente ao mês anterior. O índice de compra de bens de maior valor, como eletrodomésticos e móveis foi o único que teve retração neste mês. Em comparação com março, o recuo foi de 1,7% e, em 12 meses, de 2,1%.

Fonte : Portal G1