[ 21/7/2017 ]
Volkswagen tenta reconquistar simpatia d...

[ 21/7/2017 ]
Nissan inicia segundo turno no Complexo ...

[ 21/7/2017 ]
MAN lança chassi leve para carro-forte c...

[ 21/7/2017 ]
Prazo para novas regras sobre produtos p...

[ 21/7/2017 ]
Governo eleva PIS/Cofins sobre combustív...

[ 21/7/2017 ]
Novo prazo anima...

[ 21/7/2017 ]
Concessionária Paulista comemora vendas ...

[ 21/7/2017 ]
Hyundai New Tucson ganha nova versão...

[ 21/7/2017 ]
CNT e Sest Senat celebram uma década do ...

[ 21/7/2017 ]
“Brasil é um país cada vez mais caro”, d...

[ 20/7/2017 ]
Scania fecha primeiro semestre com cresc...

[ 20/7/2017 ]
Visão crítica da OMC incentiva agenda de...

[ 20/7/2017 ]
Argentina é o país que mais compra do Br...

[ 20/7/2017 ]
Com arrecadação menor, governo apela par...

[ 20/7/2017 ]
Venda de aço na distribuição recua 11% n...

[ 20/7/2017 ]
Renault anuncia novo lote da pré-venda d...

[ 20/7/2017 ]
BMW confirma M4 CS de 460 cv para o Bras...

[ 20/7/2017 ]
Caminhão para bater recordes...

[ 20/7/2017 ]
Primeira unidade do novo Volkswagen Polo...

[ 20/7/2017 ]
Audi proporciona na Alemanha experiência...




 

Data: 20/4/2017

Confiança do consumidor cresce 1,4% em abril, diz CNI
 
O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) subiu 1,4% em abril ante março e chegou a 103,4 pontos, após ter recuado no mês passado. Em relação a abril de 2016, quando o indicador estava em 97,5 pontos, houve aumento de 6,1%

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 cidades, entre 7 e 11 de abril.

Apesar do avanço, a confiança do consumidor continua abaixo da média histórica iniciada em março de 2001, de 108,6 pontos. A melhora do INEC em abril é resultado das perspectivas de queda da inflação e de melhoria do emprego, renda pessoal e endividamento para os próximos seis meses.

O índice de expectativas para a inflação, por exemplo, cresceu 5,8% em relação a março e 9,3% ante abril do ano passado. Quanto mais alto o indicador, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, mais pessoas esperam queda generalizada dos preços. Já a expectativa desemprego cresceu 2% ante março e 6,8%. A lógica é a mesma da inflação: quanto maior o índice, maior a quantidade de entrevistados que apostam na queda do desemprego.

A previsão para renda pessoal subiu 1,1%, para endividamento cresceu 3,3% e para situação financeira avançou 0,9% em abril frente ao mês anterior. O índice de compra de bens de maior valor, como eletrodomésticos e móveis foi o único que teve retração neste mês. Em comparação com março, o recuo foi de 1,7% e, em 12 meses, de 2,1%.

Fonte : Portal G1