[ 26/5/2017 ]
Sindipeças não conta com linhas de finan...

[ 26/5/2017 ]
Mercedes-Benz fecha o maior contrato dos...

[ 26/5/2017 ]
Indústria de carros responde por mais de...

[ 26/5/2017 ]
Construção, máquinas e autos devem sofre...

[ 26/5/2017 ]
Prisma vira ano e traz novidades ...

[ 26/5/2017 ]
SUVs compactos caem no gosto popular...

[ 26/5/2017 ]
Diesel perde força e recua 15% na Europa...

[ 26/5/2017 ]
Volkswagen e JAC firmam joint-venture pa...

[ 26/5/2017 ]
Geely assume o controle acionário da bri...

[ 26/5/2017 ]
GM é processada nos EUA por suposta frau...

[ 25/5/2017 ]
Mercedes-Benz vê início de retomada do m...

[ 25/5/2017 ]
Aumento das exportações impulsiona contr...

[ 25/5/2017 ]
EPE vê carros elétricos com fatia de 2,5...

[ 25/5/2017 ]
CAOA Consórcios cria grupos para imóveis...

[ 25/5/2017 ]
Volkswagen Fox chega ao “ano novo” mais ...

[ 25/5/2017 ]
Fiat Toro chega à linha 2018 mais cara e...

[ 25/5/2017 ]
Contran divulga resolução que atualiza r...

[ 25/5/2017 ]
SUV totalmente elétrico da Ford será apr...

[ 25/5/2017 ]
Renault troca comando no Brasil a partir...

[ 25/5/2017 ]
Citroën do Brasil tem nova diretora come...




 

Data: 20/4/2017

Confiança do consumidor cresce 1,4% em abril, diz CNI
 
O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) subiu 1,4% em abril ante março e chegou a 103,4 pontos, após ter recuado no mês passado. Em relação a abril de 2016, quando o indicador estava em 97,5 pontos, houve aumento de 6,1%

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 cidades, entre 7 e 11 de abril.

Apesar do avanço, a confiança do consumidor continua abaixo da média histórica iniciada em março de 2001, de 108,6 pontos. A melhora do INEC em abril é resultado das perspectivas de queda da inflação e de melhoria do emprego, renda pessoal e endividamento para os próximos seis meses.

O índice de expectativas para a inflação, por exemplo, cresceu 5,8% em relação a março e 9,3% ante abril do ano passado. Quanto mais alto o indicador, maior o percentual de respostas positivas, ou seja, mais pessoas esperam queda generalizada dos preços. Já a expectativa desemprego cresceu 2% ante março e 6,8%. A lógica é a mesma da inflação: quanto maior o índice, maior a quantidade de entrevistados que apostam na queda do desemprego.

A previsão para renda pessoal subiu 1,1%, para endividamento cresceu 3,3% e para situação financeira avançou 0,9% em abril frente ao mês anterior. O índice de compra de bens de maior valor, como eletrodomésticos e móveis foi o único que teve retração neste mês. Em comparação com março, o recuo foi de 1,7% e, em 12 meses, de 2,1%.

Fonte : Portal G1