[ 15/12/2017 ]
"Carro único" para Brasil e Argentina po...

[ 15/12/2017 ]
Cresce a procura por consórcio de veícul...

[ 15/12/2017 ]
Governo reduz a zero imposto de importaç...

[ 15/12/2017 ]
Montadora chinesa chega a Anápolis e vai...

[ 15/12/2017 ]
Superávit comercial deve cair a US$ 50,3...

[ 15/12/2017 ]
Dados da Fenabrave registram um crescime...

[ 15/12/2017 ]
Ford Caminhões projeta mercado maior em ...

[ 15/12/2017 ]
CAOA Montadora assina parceria com a SAE...

[ 15/12/2017 ]
Volkswagen reconhece apoio à ditadura so...

[ 15/12/2017 ]
Peças genuínas DAF e multimarcas TRP tem...

[ 14/12/2017 ]
JAC Motors implantará nova montadora em ...

[ 14/12/2017 ]
Rota 2030 deve exigir aumento de 12% na ...

[ 14/12/2017 ]
Setor de autopeças prevê crescimento sus...

[ 14/12/2017 ]
Dados positivos do varejo de São Paulo...

[ 14/12/2017 ]
Programa de incentivo desagrada às monta...

[ 14/12/2017 ]
Crédito e renda devem impulsionar a expa...

[ 14/12/2017 ]
Novo Toyota Camry desembarca no País...

[ 14/12/2017 ]
Volkswagen Amarok V6 Highline esgota pré...

[ 14/12/2017 ]
Renault entrega vinte veículos elétricos...

[ 14/12/2017 ]
Revisão do carro antes das férias é fund...




 

Data: 20/4/2017

"Rota 2030" vai substituir o Inovar-Auto com foco em tecnologia e competitividade
 
O governo federal começou a discutir na terça-feira (18) uma nova política industrial de longo prazo para o setor automotivo, em razão da proximidade da expiração do programa atual, Inovar-Auto, no final do ano.

O programa, intitulado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços de "Rota 2030", visa criar um grupo de trabalho para planejar a política industrial para além dos ciclos políticos normais de 4 em 4 anos.

"O entendimento hoje desse ministério em especial e do governo, mais amplamente, é de que nós não conseguiremos fazer ou pensar em indústria e fazer política industrial em ciclos muito pequenos porque as decisões empresariais em geral são tomadas em ciclos mais longos", disse o Secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, Igor Calvet.

Segundo o secretário, a política atual vem sendo muito criticada por ser "excessivamente protecionista", impedindo a entrada de veículos importados no país.

Perguntado sobre quais são os temas principais para o governo na discussão da nova política industrial para o setor automotivo Calvet não deu detalhes, mas afirmou que não existe nenhuma mudança urgente.

"Algumas coisas vão ser mantidas. Eu imagino que pesquisa e desenvolvimento e inovação precisam ser mantidas como contrapartidas, eficiência energética precisa ser mantida, a segurança veicular no país precisa ser mantida", disse ele a jornalistas.

A política começa a ser discutida pelo governo e representantes da indústria enquanto o setor automotivo busca ampliar suas exportações como forma de minimizar o quadro de baixa demanda interna.

Na semana passada, o governo anunciou acordo com a Colômbia para exportações de automóveis para o vizinho. As vendas, que somaram 17,5 mil unidades no ano passado, devem chegar a 50 mil, informou o ministério.

Em comunicado, o ministério afirmou que "para tornar o Brasil um polo global de desenvolvimento e produção de veículos, o novo ciclo da política automotiva terá como guia as novas tendências de mobilidade".

Segundo a pasta, a indústria nacional deve chegar em 2030 com tecnologia "equivalente a de mercados avançados, integração ativa na cadeia global de suprimentos, competitividade na produção dos principais sistemas automotivos e capacidade de desenvolvimento de projetos globais".

Segundo o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, o Inovar Auto "teve um olhar muito mais para o mercado interno. Este é o momento de discutirmos as bases para uma abordagem ofensiva no mercado global e buscar a integração competitiva".

Fonte : Auto Esporte/Reuters