[ 21/8/2017 ]
Ford cancela 80 demissões e abre PDV em ...

[ 21/8/2017 ]
Volkswagen pode importar o Atlas para a ...

[ 21/8/2017 ]
Indústria mais "tecnológica" tem avanço ...

[ 21/8/2017 ]
Consórcio de veículos volta a crescer...

[ 21/8/2017 ]
Fiesp prevê fim de incentivos para “camp...

[ 21/8/2017 ]
Kia é responsável pelo transporte oficia...

[ 21/8/2017 ]
Fiat Strada 2018 tem preço entre R$ 47.2...

[ 21/8/2017 ]
Iveco inaugura quinta concessionária no ...

[ 21/8/2017 ]
Após 30 anos, a Puma ensaia volta às rua...

[ 21/8/2017 ]
Contran antecipa implementação da cartei...

[ 18/8/2017 ]
Segunda geração do Tiguan virá para brig...

[ 18/8/2017 ]
Movida faz aquisição e cria marca premiu...

[ 18/8/2017 ]
Cai tarifa de importação para 4,9 mil pr...

[ 18/8/2017 ]
Sinais que afetam a produção de petróleo...

[ 18/8/2017 ]
Produção de aço bruto em julho sobe 1% a...

[ 18/8/2017 ]
Funcionários da Mercedes-Benz entram em ...

[ 18/8/2017 ]
Novo Volvo XC60 tem isenção de IPI para ...

[ 18/8/2017 ]
Ford Caminhões oferece contratos de manu...

[ 18/8/2017 ]
“Kwid número 1”: Comprador recebe veícul...

[ 18/8/2017 ]
Super rodotrem está pronto...




 

Data: 20/4/2017

"Rota 2030" vai substituir o Inovar-Auto com foco em tecnologia e competitividade
 
O governo federal começou a discutir na terça-feira (18) uma nova política industrial de longo prazo para o setor automotivo, em razão da proximidade da expiração do programa atual, Inovar-Auto, no final do ano.

O programa, intitulado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços de "Rota 2030", visa criar um grupo de trabalho para planejar a política industrial para além dos ciclos políticos normais de 4 em 4 anos.

"O entendimento hoje desse ministério em especial e do governo, mais amplamente, é de que nós não conseguiremos fazer ou pensar em indústria e fazer política industrial em ciclos muito pequenos porque as decisões empresariais em geral são tomadas em ciclos mais longos", disse o Secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, Igor Calvet.

Segundo o secretário, a política atual vem sendo muito criticada por ser "excessivamente protecionista", impedindo a entrada de veículos importados no país.

Perguntado sobre quais são os temas principais para o governo na discussão da nova política industrial para o setor automotivo Calvet não deu detalhes, mas afirmou que não existe nenhuma mudança urgente.

"Algumas coisas vão ser mantidas. Eu imagino que pesquisa e desenvolvimento e inovação precisam ser mantidas como contrapartidas, eficiência energética precisa ser mantida, a segurança veicular no país precisa ser mantida", disse ele a jornalistas.

A política começa a ser discutida pelo governo e representantes da indústria enquanto o setor automotivo busca ampliar suas exportações como forma de minimizar o quadro de baixa demanda interna.

Na semana passada, o governo anunciou acordo com a Colômbia para exportações de automóveis para o vizinho. As vendas, que somaram 17,5 mil unidades no ano passado, devem chegar a 50 mil, informou o ministério.

Em comunicado, o ministério afirmou que "para tornar o Brasil um polo global de desenvolvimento e produção de veículos, o novo ciclo da política automotiva terá como guia as novas tendências de mobilidade".

Segundo a pasta, a indústria nacional deve chegar em 2030 com tecnologia "equivalente a de mercados avançados, integração ativa na cadeia global de suprimentos, competitividade na produção dos principais sistemas automotivos e capacidade de desenvolvimento de projetos globais".

Segundo o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, o Inovar Auto "teve um olhar muito mais para o mercado interno. Este é o momento de discutirmos as bases para uma abordagem ofensiva no mercado global e buscar a integração competitiva".

Fonte : Auto Esporte/Reuters