[ 22/6/2018 ]
Consórcio mantém desempenho positivo...

[ 22/6/2018 ]
Scania Top Team contribui para motivar e...

[ 22/6/2018 ]
Metalúrgicos esperam que aliança entre V...

[ 22/6/2018 ]
Rede de aços planos perde fôlego e demon...

[ 22/6/2018 ]
Consórcio de pesados cresce no primeiro ...

[ 22/6/2018 ]
Volvo lança programa de fidelidade...

[ 22/6/2018 ]
4TRUCK projeta crescer 40% em 2018 e em ...

[ 22/6/2018 ]
Mitos e verdades sobre manutenção de seu...

[ 22/6/2018 ]
Apple, Samsung e montadoras criam soluçã...

[ 22/6/2018 ]
Toyota reduz gastos com marketing para i...

[ 21/6/2018 ]
Importações de autopeças alemãs crescem ...

[ 21/6/2018 ]
Frota de veículos corporativos deve cres...

[ 21/6/2018 ]
Recarga de veículos elétricos recebe reg...

[ 21/6/2018 ]
Produção de biodiesel alcança o maior ní...

[ 21/6/2018 ]
Volkswagen do Brasil lança 6ª edição de ...

[ 21/6/2018 ]
Dunlop lança novo modelo de pneu para ca...

[ 21/6/2018 ]
Geely conclui compra de quase 15% da div...

[ 21/6/2018 ]
Nigéria tem mercado fraco e feito de car...

[ 21/6/2018 ]
Hyundai faz aliança com Audi focada em t...

[ 21/6/2018 ]
BMW tem novo diretor na fábrica de Araqu...




 

Data: 20/4/2017

"Rota 2030" vai substituir o Inovar-Auto com foco em tecnologia e competitividade
 
O governo federal começou a discutir na terça-feira (18) uma nova política industrial de longo prazo para o setor automotivo, em razão da proximidade da expiração do programa atual, Inovar-Auto, no final do ano.

O programa, intitulado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços de "Rota 2030", visa criar um grupo de trabalho para planejar a política industrial para além dos ciclos políticos normais de 4 em 4 anos.

"O entendimento hoje desse ministério em especial e do governo, mais amplamente, é de que nós não conseguiremos fazer ou pensar em indústria e fazer política industrial em ciclos muito pequenos porque as decisões empresariais em geral são tomadas em ciclos mais longos", disse o Secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, Igor Calvet.

Segundo o secretário, a política atual vem sendo muito criticada por ser "excessivamente protecionista", impedindo a entrada de veículos importados no país.

Perguntado sobre quais são os temas principais para o governo na discussão da nova política industrial para o setor automotivo Calvet não deu detalhes, mas afirmou que não existe nenhuma mudança urgente.

"Algumas coisas vão ser mantidas. Eu imagino que pesquisa e desenvolvimento e inovação precisam ser mantidas como contrapartidas, eficiência energética precisa ser mantida, a segurança veicular no país precisa ser mantida", disse ele a jornalistas.

A política começa a ser discutida pelo governo e representantes da indústria enquanto o setor automotivo busca ampliar suas exportações como forma de minimizar o quadro de baixa demanda interna.

Na semana passada, o governo anunciou acordo com a Colômbia para exportações de automóveis para o vizinho. As vendas, que somaram 17,5 mil unidades no ano passado, devem chegar a 50 mil, informou o ministério.

Em comunicado, o ministério afirmou que "para tornar o Brasil um polo global de desenvolvimento e produção de veículos, o novo ciclo da política automotiva terá como guia as novas tendências de mobilidade".

Segundo a pasta, a indústria nacional deve chegar em 2030 com tecnologia "equivalente a de mercados avançados, integração ativa na cadeia global de suprimentos, competitividade na produção dos principais sistemas automotivos e capacidade de desenvolvimento de projetos globais".

Segundo o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, o Inovar Auto "teve um olhar muito mais para o mercado interno. Este é o momento de discutirmos as bases para uma abordagem ofensiva no mercado global e buscar a integração competitiva".

Fonte : Auto Esporte/Reuters