[ 26/5/2017 ]
Sindipeças não conta com linhas de finan...

[ 26/5/2017 ]
Mercedes-Benz fecha o maior contrato dos...

[ 26/5/2017 ]
Indústria de carros responde por mais de...

[ 26/5/2017 ]
Construção, máquinas e autos devem sofre...

[ 26/5/2017 ]
Prisma vira ano e traz novidades ...

[ 26/5/2017 ]
SUVs compactos caem no gosto popular...

[ 26/5/2017 ]
Diesel perde força e recua 15% na Europa...

[ 26/5/2017 ]
Volkswagen e JAC firmam joint-venture pa...

[ 26/5/2017 ]
Geely assume o controle acionário da bri...

[ 26/5/2017 ]
GM é processada nos EUA por suposta frau...

[ 25/5/2017 ]
Mercedes-Benz vê início de retomada do m...

[ 25/5/2017 ]
Aumento das exportações impulsiona contr...

[ 25/5/2017 ]
EPE vê carros elétricos com fatia de 2,5...

[ 25/5/2017 ]
CAOA Consórcios cria grupos para imóveis...

[ 25/5/2017 ]
Volkswagen Fox chega ao “ano novo” mais ...

[ 25/5/2017 ]
Fiat Toro chega à linha 2018 mais cara e...

[ 25/5/2017 ]
Contran divulga resolução que atualiza r...

[ 25/5/2017 ]
SUV totalmente elétrico da Ford será apr...

[ 25/5/2017 ]
Renault troca comando no Brasil a partir...

[ 25/5/2017 ]
Citroën do Brasil tem nova diretora come...




 

Data: 19/5/2017

Frota circulante de veículos no Brasil tem estabilidade e há menos ônibus nas ruas
 
Principalmente por causa da crise econômica, o número de veículos em circulação no país em 2016 praticamente não teve crescimento e a frota total está mais velha.

É o que aponta relatório estatístico do Sindipeças – Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores com base em dados dos associados e oficiais dos Detrans e Denatran.

O balanço foi divulgado nesta quinta-feira, 18 de maio de 2017.

Segundo os dados, houve um pequeno crescimento de 2015 para 2016 de 0,7% quando a frota passou de 42,58 milhões de unidades para 42,87 milhões, entre carros, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Já o total de motos em circulação no país teve queda de 1,27%, passando de 13,63 milhões em 2015 para 13,49 milhões, em 2016.

O pior desempenho, entretanto, é em relação aos veículos comerciais e pesados. Há menos ônibus circulando nas vias brasileiras – queda de 0,9%, com 389 mil 123 veículos de transporte coletivo em 2015 ante 385 mil 623 em todo ano de 2016.

A frota de comerciais leves caiu 1, 1% com 5 milhões de unidades e a de caminhões ficou estável (+ 0,1%) com 1,88 milhão de veículos.

Os veículos em circulação no Brasil estão mais velhos: a idade média é de 9,3 anos para automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus e de 7 anos para bicicletas. É a idade mais elevada desde 2006.

Os ônibus também estão mais velhos e com idade acima da média nacional. A frota de coletivos em 2016, tinha idade média de 9 anos e 11 meses, enquanto que em 2015, era de 9 anos e 6 meses.

O resultado pode ser refletido pelas quedas de índices de produção e vendas pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores e Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores.

Ainda de acordo com o levantamento, 34% dos veículos do Brasil têm idade de até 5 anos ; 49% entre 6 e 15 anos e 4% circulam com mais de 20 anos de fabricação

Apesar de apesar de a frota de veículos ter se estagnado entre 2015 e 2016, a taxa de motorização do Brasil subiu de forma expressiva nos últimos 10 anos.

Em 2006, o país tinha um carro para 7,7 habitantes. Atualmente, essa relação é de um carro para 4,8 habitantes

Em relação aos combustíveis, o número de veículos a gasolina que era de 67,3%, em 2006; caiu para 29,4%, em 2016, sendo, superado pela frota flex que subiu de 10,8% para 59,8% no mesmo período. O etanol, considerado combustível brasileiro, abastecendo unicamente os tanques, tirando, portanto, os modelos flex, caiu de 11,6%, em 2006, para 0,9%, em 2016.

Já os veículos a diesel que representavam 10,3% da frota, em 2006; em 2016, somaram 9,8% da frota brasileira.

Pelo número ser bem reduzido, não há se quer um registro no levantamento de ônibus e carros elétricos.

O Estado de São Paulo reúne mais de um terço da frota em todo o país. O estado onde há menos veículos é Roraima.

Fonte : Diário do Transporte/Adamo Bazani