[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 10/8/2017

Governo apresentará nova proposta para Refis e reoneração
 
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou na última segunda-feira, 07, que será apresentado um novo relatório para o refinanciamento de dívidas com o governo (Refis). O texto em tramitação na Câmara prevê descontos de até 99% em juros e multas. O projeto foi encaminhado pelo governo como medida provisória, prevendo menos descontos e concessões, mas os deputados fizeram alterações no texto.

Segundo Meirelles, o governo se reunirá com parlamentares nesta semana para discutir o assunto, mas ele não acredita que haverá benefícios expressivos, e sim, um relatório mais equilibrado. “O importante é que a medida tem que ser arrecadatória. Tem que preservar o interesse no país em continuar financiando as suas despesas no futuro”, explica.

De acordo com o político, o governo encaminhará também projeto de lei, com pedido de urgência, sobre a reoneração da folha de pagamento das empresas ainda neste ano. A medida provisória com a reversão de benefícios fiscais vence nesta semana, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), disse que não há mais tempo hábil para votá-la.

Segundo Meirelles, a reversão da desoneração passará a valer 90 dias depois de o presidente Michel Temer sancionar o projeto a ser encaminhado. A ideia é que o texto mantenha os parâmetros do que está em vigor provisoriamente.
A previsão original com a medida era de receitas adicionais de 4,8 bilhões de reais neste ano, com os efeitos da MP valendo a partir de julho, e outros 12,6 bilhões de reais em 2018. Mas o governo enfrentou sucessivos percalços na sua apreciação pelo Congresso. Além do atraso na tramitação, o relatório aprovado em comissão mista sobre a MP jogou a validade da investida para apenas janeiro do ano que vem.

O ministro da Fazenda, que participou de evento em Brasília sobre simplificação tributária, afirmou ainda que a arrecadação geral da União será analisada nos próximos 60 dias ou menos para, só depois disso, o governo tomar uma decisão sobre eventual aumento na meta de déficit primário, neste ano fixada em 139 bilhões de reais. Tanto a reoneração quanto o Refis são medidas que influenciam nas receitas, e no cumprimento da meta fiscal.

Fonte : Reuters