[ 19/7/2018 ]
Queda de exportações faz Volkswagen dar ...

[ 19/7/2018 ]
BMW e EDP criam o maior corredor elétric...

[ 19/7/2018 ]
Crédito de exportação do setor automotiv...

[ 19/7/2018 ]
Encontro entre Mercosul e UE fica sem ac...

[ 19/7/2018 ]
Europa anuncia tarifa para importação de...

[ 19/7/2018 ]
Volkswagen novo Polo MSI e Virtus MSI ga...

[ 19/7/2018 ]
Fiat Argo 2019 ganha novos itens de séri...

[ 19/7/2018 ]
Fiat renova parceria com Inhotim...

[ 19/7/2018 ]
Estratégia da Mercedes-Benz para e-mobil...

[ 19/7/2018 ]
Congresso Fenabrave: os novos desafios d...

[ 18/7/2018 ]
Brasil puxa expansão global da Volkswage...

[ 18/7/2018 ]
Mercosul propõe reduzir taxas para carro...

[ 18/7/2018 ]
Mercado deve retomar volume de abril...

[ 18/7/2018 ]
Rota 2030: o que mudará no carro naciona...

[ 18/7/2018 ]
O futuro do carro nacional...

[ 18/7/2018 ]
Pesquisa e desenvolvimento em alta...

[ 18/7/2018 ]
Financiamentos de caminhões e ônibus som...

[ 18/7/2018 ]
Seis carros que podem ser lançados no Br...

[ 18/7/2018 ]
Continental lança banda para maior quilo...

[ 18/7/2018 ]
Grupo Carboni IVECO inaugura nova estrut...




 

Data: 10/8/2017

Governo apresentará nova proposta para Refis e reoneração
 
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou na última segunda-feira, 07, que será apresentado um novo relatório para o refinanciamento de dívidas com o governo (Refis). O texto em tramitação na Câmara prevê descontos de até 99% em juros e multas. O projeto foi encaminhado pelo governo como medida provisória, prevendo menos descontos e concessões, mas os deputados fizeram alterações no texto.

Segundo Meirelles, o governo se reunirá com parlamentares nesta semana para discutir o assunto, mas ele não acredita que haverá benefícios expressivos, e sim, um relatório mais equilibrado. “O importante é que a medida tem que ser arrecadatória. Tem que preservar o interesse no país em continuar financiando as suas despesas no futuro”, explica.

De acordo com o político, o governo encaminhará também projeto de lei, com pedido de urgência, sobre a reoneração da folha de pagamento das empresas ainda neste ano. A medida provisória com a reversão de benefícios fiscais vence nesta semana, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), disse que não há mais tempo hábil para votá-la.

Segundo Meirelles, a reversão da desoneração passará a valer 90 dias depois de o presidente Michel Temer sancionar o projeto a ser encaminhado. A ideia é que o texto mantenha os parâmetros do que está em vigor provisoriamente.
A previsão original com a medida era de receitas adicionais de 4,8 bilhões de reais neste ano, com os efeitos da MP valendo a partir de julho, e outros 12,6 bilhões de reais em 2018. Mas o governo enfrentou sucessivos percalços na sua apreciação pelo Congresso. Além do atraso na tramitação, o relatório aprovado em comissão mista sobre a MP jogou a validade da investida para apenas janeiro do ano que vem.

O ministro da Fazenda, que participou de evento em Brasília sobre simplificação tributária, afirmou ainda que a arrecadação geral da União será analisada nos próximos 60 dias ou menos para, só depois disso, o governo tomar uma decisão sobre eventual aumento na meta de déficit primário, neste ano fixada em 139 bilhões de reais. Tanto a reoneração quanto o Refis são medidas que influenciam nas receitas, e no cumprimento da meta fiscal.

Fonte : Reuters