[ 19/9/2017 ]
Com novos serviços e produtos, Scania bu...

[ 19/9/2017 ]
Indústria automobilística tem cerca de R...

[ 19/9/2017 ]
Indústria automobilística na rota da mod...

[ 19/9/2017 ]
Petrobras eleva preços do diesel e reduz...

[ 19/9/2017 ]
Balanço da Usiminas ganha maior robustez...

[ 19/9/2017 ]
Transporte público da zona sul de São Pa...

[ 19/9/2017 ]
Detran.SP promove ações educativas na Se...

[ 19/9/2017 ]
Aliança da Renault está mais perto de se...

[ 19/9/2017 ]
Aliança da Renault está mais perto de se...

[ 19/9/2017 ]
Audi assume liderança em direção autônom...

[ 19/9/2017 ]
Usar em vez de ter, uma visão da mobilid...

[ 18/9/2017 ]
Honda e Itirapina ainda esperam por dias...

[ 18/9/2017 ]
Setor automotivo deve apresentar aumento...

[ 18/9/2017 ]
Rio Grande do Sul é o terceiro mercado d...

[ 18/9/2017 ]
Cummins Turbo Technologies inaugura linh...

[ 18/9/2017 ]
Mercado de vendas de veículos no RS apre...

[ 18/9/2017 ]
Brasil e Estados Unidos na mesma situaçã...

[ 18/9/2017 ]
Toyota destacou linha Etios 2018 durante...

[ 18/9/2017 ]
"Uber dos tratores", aplicativo aluga má...

[ 18/9/2017 ]
Enfatizar o papel de cada usuário das vi...




 

Data: 11/8/2017

Ford demite 364 por telegrama em São Bernardo do Campo
 
A Ford demitiu ontem 364 metalúrgicos da fábrica de São Bernardo do Campo (ABC). Eles estavam em lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) e voltariam ao trabalho hoje.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os funcionários receberam telegramas informando o encerramento da suspensão temporário do contrato e a rescisão a partir desta sexta-feira.

Uma assembleia marcada para às 6 h de hoje, no pátio da fábrica, deve definir como o sindicato vai se posicionar sobre a decisão da indústria.

Ontem, o sindicato informou que não aceita as demissões sem negociação e que a decisão descumpre os termos de um acordo fechado no ano passado.

Na ocasião, a Ford alegava existir um excedente de 1.100 trabalhadores. No acordo, a montadora se comprometia a administrar essa “sobra” com a abertura de PDVs (Programas de Demissão Voluntária), com a extensão do PPE (que reduz salário e jornada) e com afastamento por lay-off.

A planta de São Bernardo do Campo tem 3.900 funcionários. Neste ano, a unidade chegou a ter férias coletivas.

Procurada, a Ford confirmou as demissões e disse que, nos dois últimos anos, adotou medidas para administrar o excedente após redução da produção na unidade.

Fonte : Jornal Agora