[ 20/10/2017 ]
Kia investe R$ 165 milhões para renascer...

[ 20/10/2017 ]
Com fim do Inovar-Auto, importadoras de ...

[ 20/10/2017 ]
Usinas já veem oportunidade com carro el...

[ 20/10/2017 ]
Petrobras anuncia alta de 0,20% no preço...

[ 20/10/2017 ]
Brasil avança em ranking de expansão da ...

[ 20/10/2017 ]
Montadora chinesa Chery quer vender 50% ...

[ 20/10/2017 ]
Novo centro de simulação da FCA acelera ...

[ 20/10/2017 ]
Cummins revigorada...

[ 20/10/2017 ]
Por que você deve comprar um carro usado...

[ 20/10/2017 ]
Contran regulamenta padrões para semáfor...

[ 19/10/2017 ]
Montadoras liberam linhas de crédito par...

[ 19/10/2017 ]
Venda de consórcio volta a bater recorde...

[ 19/10/2017 ]
Multas de trânsito poderão ser parcelada...

[ 19/10/2017 ]
"Prévia" do PIB cai 0,38% em agosto, mas...

[ 19/10/2017 ]
Megale, da Anfavea: “O humor mudou”....

[ 19/10/2017 ]
Novo HB20 não vai crescer para brigar co...

[ 19/10/2017 ]
BMW confirma novo X3 ao Brasil para o pr...

[ 19/10/2017 ]
Chevrolet lança série especial S10 100 Y...

[ 19/10/2017 ]
Toyota lança Hilux e SW4 2018 com cinco ...

[ 19/10/2017 ]
Honda Fit traz mais segurança do que tec...




 

Data: 11/8/2017

Ford demite 364 por telegrama em São Bernardo do Campo
 
A Ford demitiu ontem 364 metalúrgicos da fábrica de São Bernardo do Campo (ABC). Eles estavam em lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) e voltariam ao trabalho hoje.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os funcionários receberam telegramas informando o encerramento da suspensão temporário do contrato e a rescisão a partir desta sexta-feira.

Uma assembleia marcada para às 6 h de hoje, no pátio da fábrica, deve definir como o sindicato vai se posicionar sobre a decisão da indústria.

Ontem, o sindicato informou que não aceita as demissões sem negociação e que a decisão descumpre os termos de um acordo fechado no ano passado.

Na ocasião, a Ford alegava existir um excedente de 1.100 trabalhadores. No acordo, a montadora se comprometia a administrar essa “sobra” com a abertura de PDVs (Programas de Demissão Voluntária), com a extensão do PPE (que reduz salário e jornada) e com afastamento por lay-off.

A planta de São Bernardo do Campo tem 3.900 funcionários. Neste ano, a unidade chegou a ter férias coletivas.

Procurada, a Ford confirmou as demissões e disse que, nos dois últimos anos, adotou medidas para administrar o excedente após redução da produção na unidade.

Fonte : Jornal Agora