[ 21/8/2017 ]
Ford cancela 80 demissões e abre PDV em ...

[ 21/8/2017 ]
Volkswagen pode importar o Atlas para a ...

[ 21/8/2017 ]
Indústria mais "tecnológica" tem avanço ...

[ 21/8/2017 ]
Consórcio de veículos volta a crescer...

[ 21/8/2017 ]
Fiesp prevê fim de incentivos para “camp...

[ 21/8/2017 ]
Kia é responsável pelo transporte oficia...

[ 21/8/2017 ]
Fiat Strada 2018 tem preço entre R$ 47.2...

[ 21/8/2017 ]
Iveco inaugura quinta concessionária no ...

[ 21/8/2017 ]
Após 30 anos, a Puma ensaia volta às rua...

[ 21/8/2017 ]
Contran antecipa implementação da cartei...

[ 18/8/2017 ]
Segunda geração do Tiguan virá para brig...

[ 18/8/2017 ]
Movida faz aquisição e cria marca premiu...

[ 18/8/2017 ]
Cai tarifa de importação para 4,9 mil pr...

[ 18/8/2017 ]
Sinais que afetam a produção de petróleo...

[ 18/8/2017 ]
Produção de aço bruto em julho sobe 1% a...

[ 18/8/2017 ]
Funcionários da Mercedes-Benz entram em ...

[ 18/8/2017 ]
Novo Volvo XC60 tem isenção de IPI para ...

[ 18/8/2017 ]
Ford Caminhões oferece contratos de manu...

[ 18/8/2017 ]
“Kwid número 1”: Comprador recebe veícul...

[ 18/8/2017 ]
Super rodotrem está pronto...




 

Data: 11/8/2017

Ford demite 364 por telegrama em São Bernardo do Campo
 
A Ford demitiu ontem 364 metalúrgicos da fábrica de São Bernardo do Campo (ABC). Eles estavam em lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) e voltariam ao trabalho hoje.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os funcionários receberam telegramas informando o encerramento da suspensão temporário do contrato e a rescisão a partir desta sexta-feira.

Uma assembleia marcada para às 6 h de hoje, no pátio da fábrica, deve definir como o sindicato vai se posicionar sobre a decisão da indústria.

Ontem, o sindicato informou que não aceita as demissões sem negociação e que a decisão descumpre os termos de um acordo fechado no ano passado.

Na ocasião, a Ford alegava existir um excedente de 1.100 trabalhadores. No acordo, a montadora se comprometia a administrar essa “sobra” com a abertura de PDVs (Programas de Demissão Voluntária), com a extensão do PPE (que reduz salário e jornada) e com afastamento por lay-off.

A planta de São Bernardo do Campo tem 3.900 funcionários. Neste ano, a unidade chegou a ter férias coletivas.

Procurada, a Ford confirmou as demissões e disse que, nos dois últimos anos, adotou medidas para administrar o excedente após redução da produção na unidade.

Fonte : Jornal Agora