[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 11/8/2017

Ford demite 364 por telegrama em São Bernardo do Campo
 
A Ford demitiu ontem 364 metalúrgicos da fábrica de São Bernardo do Campo (ABC). Eles estavam em lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) e voltariam ao trabalho hoje.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os funcionários receberam telegramas informando o encerramento da suspensão temporário do contrato e a rescisão a partir desta sexta-feira.

Uma assembleia marcada para às 6 h de hoje, no pátio da fábrica, deve definir como o sindicato vai se posicionar sobre a decisão da indústria.

Ontem, o sindicato informou que não aceita as demissões sem negociação e que a decisão descumpre os termos de um acordo fechado no ano passado.

Na ocasião, a Ford alegava existir um excedente de 1.100 trabalhadores. No acordo, a montadora se comprometia a administrar essa “sobra” com a abertura de PDVs (Programas de Demissão Voluntária), com a extensão do PPE (que reduz salário e jornada) e com afastamento por lay-off.

A planta de São Bernardo do Campo tem 3.900 funcionários. Neste ano, a unidade chegou a ter férias coletivas.

Procurada, a Ford confirmou as demissões e disse que, nos dois últimos anos, adotou medidas para administrar o excedente após redução da produção na unidade.

Fonte : Jornal Agora