[ 21/8/2017 ]
Ford cancela 80 demissões e abre PDV em ...

[ 21/8/2017 ]
Volkswagen pode importar o Atlas para a ...

[ 21/8/2017 ]
Indústria mais "tecnológica" tem avanço ...

[ 21/8/2017 ]
Consórcio de veículos volta a crescer...

[ 21/8/2017 ]
Fiesp prevê fim de incentivos para “camp...

[ 21/8/2017 ]
Kia é responsável pelo transporte oficia...

[ 21/8/2017 ]
Fiat Strada 2018 tem preço entre R$ 47.2...

[ 21/8/2017 ]
Iveco inaugura quinta concessionária no ...

[ 21/8/2017 ]
Após 30 anos, a Puma ensaia volta às rua...

[ 21/8/2017 ]
Contran antecipa implementação da cartei...

[ 18/8/2017 ]
Segunda geração do Tiguan virá para brig...

[ 18/8/2017 ]
Movida faz aquisição e cria marca premiu...

[ 18/8/2017 ]
Cai tarifa de importação para 4,9 mil pr...

[ 18/8/2017 ]
Sinais que afetam a produção de petróleo...

[ 18/8/2017 ]
Produção de aço bruto em julho sobe 1% a...

[ 18/8/2017 ]
Funcionários da Mercedes-Benz entram em ...

[ 18/8/2017 ]
Novo Volvo XC60 tem isenção de IPI para ...

[ 18/8/2017 ]
Ford Caminhões oferece contratos de manu...

[ 18/8/2017 ]
“Kwid número 1”: Comprador recebe veícul...

[ 18/8/2017 ]
Super rodotrem está pronto...




 

Data: 11/8/2017

Governo revoga MP que acabava com desoneração para setores do transporte
 
O presidente Michel Temer revogou, na última quarta-feira (09), a Medida Provisória 774 que colocaria fim ao benefício da desoneração da folha de pagamentos para diversos setores da economia. A providência perderia a eficácia nesta quinta-feira sem ser apreciada pelo Congresso Nacional.

Dessa forma, as empresas dos setores de transporte rodoviário de cargas, ferroviário de cargas, aéreo de cargas e de passageiros, marítimo e o de armazenamento de contêineres continuam com a possibilidade de escolher pela forma mais vantajosa de pagar a contribuição previdenciária, recolhendo 20% sobre os pagamentos dos funcionários e contribuintes individuais (sócios e autônomos) ou recolhendo uma alíquota sobre a receita bruta (percentual variável).
Para o transporte de passageiros nos modais rodoviário, ferroviário e metroviário, o benefício já estava mantido. A expectativa é que o governo volte a tratar do tema por meio de projeto de lei.

Fonte : Agência CNT de Notícias