[ 20/10/2017 ]
Kia investe R$ 165 milhões para renascer...

[ 20/10/2017 ]
Com fim do Inovar-Auto, importadoras de ...

[ 20/10/2017 ]
Usinas já veem oportunidade com carro el...

[ 20/10/2017 ]
Petrobras anuncia alta de 0,20% no preço...

[ 20/10/2017 ]
Brasil avança em ranking de expansão da ...

[ 20/10/2017 ]
Montadora chinesa Chery quer vender 50% ...

[ 20/10/2017 ]
Novo centro de simulação da FCA acelera ...

[ 20/10/2017 ]
Cummins revigorada...

[ 20/10/2017 ]
Por que você deve comprar um carro usado...

[ 20/10/2017 ]
Contran regulamenta padrões para semáfor...

[ 19/10/2017 ]
Montadoras liberam linhas de crédito par...

[ 19/10/2017 ]
Venda de consórcio volta a bater recorde...

[ 19/10/2017 ]
Multas de trânsito poderão ser parcelada...

[ 19/10/2017 ]
"Prévia" do PIB cai 0,38% em agosto, mas...

[ 19/10/2017 ]
Megale, da Anfavea: “O humor mudou”....

[ 19/10/2017 ]
Novo HB20 não vai crescer para brigar co...

[ 19/10/2017 ]
BMW confirma novo X3 ao Brasil para o pr...

[ 19/10/2017 ]
Chevrolet lança série especial S10 100 Y...

[ 19/10/2017 ]
Toyota lança Hilux e SW4 2018 com cinco ...

[ 19/10/2017 ]
Honda Fit traz mais segurança do que tec...




 

Data: 11/8/2017

Governo revoga MP que acabava com desoneração para setores do transporte
 
O presidente Michel Temer revogou, na última quarta-feira (09), a Medida Provisória 774 que colocaria fim ao benefício da desoneração da folha de pagamentos para diversos setores da economia. A providência perderia a eficácia nesta quinta-feira sem ser apreciada pelo Congresso Nacional.

Dessa forma, as empresas dos setores de transporte rodoviário de cargas, ferroviário de cargas, aéreo de cargas e de passageiros, marítimo e o de armazenamento de contêineres continuam com a possibilidade de escolher pela forma mais vantajosa de pagar a contribuição previdenciária, recolhendo 20% sobre os pagamentos dos funcionários e contribuintes individuais (sócios e autônomos) ou recolhendo uma alíquota sobre a receita bruta (percentual variável).
Para o transporte de passageiros nos modais rodoviário, ferroviário e metroviário, o benefício já estava mantido. A expectativa é que o governo volte a tratar do tema por meio de projeto de lei.

Fonte : Agência CNT de Notícias