[ 21/8/2017 ]
Ford cancela 80 demissões e abre PDV em ...

[ 21/8/2017 ]
Volkswagen pode importar o Atlas para a ...

[ 21/8/2017 ]
Indústria mais "tecnológica" tem avanço ...

[ 21/8/2017 ]
Consórcio de veículos volta a crescer...

[ 21/8/2017 ]
Fiesp prevê fim de incentivos para “camp...

[ 21/8/2017 ]
Kia é responsável pelo transporte oficia...

[ 21/8/2017 ]
Fiat Strada 2018 tem preço entre R$ 47.2...

[ 21/8/2017 ]
Iveco inaugura quinta concessionária no ...

[ 21/8/2017 ]
Após 30 anos, a Puma ensaia volta às rua...

[ 21/8/2017 ]
Contran antecipa implementação da cartei...

[ 18/8/2017 ]
Segunda geração do Tiguan virá para brig...

[ 18/8/2017 ]
Movida faz aquisição e cria marca premiu...

[ 18/8/2017 ]
Cai tarifa de importação para 4,9 mil pr...

[ 18/8/2017 ]
Sinais que afetam a produção de petróleo...

[ 18/8/2017 ]
Produção de aço bruto em julho sobe 1% a...

[ 18/8/2017 ]
Funcionários da Mercedes-Benz entram em ...

[ 18/8/2017 ]
Novo Volvo XC60 tem isenção de IPI para ...

[ 18/8/2017 ]
Ford Caminhões oferece contratos de manu...

[ 18/8/2017 ]
“Kwid número 1”: Comprador recebe veícul...

[ 18/8/2017 ]
Super rodotrem está pronto...




 

Data: 11/8/2017

CSN vai aumentar preços de aços planos em 12,75% a partir do dia 25
 
A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) vai aplicar um reajuste de 12,75% em todos os aços planos fabricados pela companhia a partir do dia 25 deste mês. A informação foi passada ao Valor pelo diretor-executivo comercial da empresa, Luiz Fernando Martinez.

Segundo o executivo, a medida vai abranger todos os clientes da siderúrgica - distribuição, industrial e automotivo. “Trata-se de um realinhamento de preços locais aos internacionais e para se adequar ao aumento de custos do carvão, coque e minério de ferro”, afirmou.

Martinez disse que o produto laminado a quente, referência do mercado de aço plano, subiu para US$ 550 a tonelada na China, após a decisão de fechamento de várias usinas por causa do Outono, dentro de sua política ambiental.

Com isso, destacou o executivo, o prêmio entre o importado e o aço local chegou a zero em alguns casos, como bobina a quente, e no máximo 5% para outros - caso do laminado a frio -, considerando o câmbio a R$ 3,15.

Em julho, a empresa havia elevado em 10% o preço do laminado a quente, que entrou em vigor desde o dia 28. Mas foi apenas para os clientes da rede de distribuição (empresas que vendem no varejo).

Martinez ressaltou que a decisão de aumento é uma questão de necessidade do setor siderúrgico em termos de custos e ao realinhamento internacional de preços, tendo como referência o mercado chinês. “O minério de ferro teve forte alta desde o início de julho, já negociado na faixa de US$ 77”.

Em aços longos, a CSN também reajustou seus preços pela segunda vez em um mês. No início de julho foi aplicado aumento de 6%, repetido em 1º de agosto.

A produção dos dois tipos de aço no país é feita pela CSN na usina de Volta Redonda (RJ).

Fonte : Valor Econômico/Ivo Ribeiro