[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 11/8/2017

Mercado de usados cresceu 4% até julho
 
Ao contrário da retração que persiste nas vendas de caminhões 0 km, o mercado de usados se mantém aquecido. De acordo com dados da Fenabrave, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, no acumulado do ano até julho os negócios somaram 193.731 transferências, volume 4% superior ao apurado no mesmo período do ano passado, de 186.844.

Também em julho, os 30.254 caminhões que ganharam novos proprietários, representaram altas de 0,94% sobre o mês anterior e de 1,3% na comparação com um ano antes, quando ocorreram 29.866 trocas de propriedade.

O desempenho apurado até o momento revela que a cada um caminhão novo licenciado, outros 6,7 usados trocam de mão.

Os caminhões da Mercedes-Benz são os mais negociados no mercado usados. Até julho a marca deteve participação de 38,55% nos negócios. A Volkswagen Caminhões e Ônibus ocupa o segundo lugar com 21,34% e a Ford, em terceiro, com 17,08%. O ranking segue com Scania (8,53%), Volvo (7,15%) e Iveco (4,17%). Todas as outras marcas juntas representam 3,18% do mercado.

O bom momento pelo qual passa o mercado de usados surge como oportunidade para as montadoras participarem do jogo para também estimular as vendas de novos como contrapartida. A Mercedes-Benz, por exemplo, desde 2013 atua no segmento de usados por meio de suas lojas SelecTrucks. Em quatro anos de atividades, a unidade de negócio já negociou mais de 2.000 unidades usadas.

Somente no primeiro semestre do ano, 423 caminhões foram vendidos pela rede, volume que representou o dobro de veículos transferidos na comparação com o mesmo período do ano passado. “Hoje, a proporção de vendas entre o caminhão novo e o seminovo demonstra que o cliente está buscando alternativas no mercado para renovar a sua frota”, observa Ari de Carvalho, diretor de vendas e marketing caminhões da fabricante. “Nos últimos três anos, os volumes anuais de usados foram superiores a 300.000 caminhões”, destaca.

Para o executivo, o mercado de usados em 2017 deve registrar um crescimento de 5% até o fim do ano, aumento que em parte também deverá contribuir com as vendas de novos. Estratégica para a montadora, a SelectTrucks se apresenta como alavanca no negócio de caminhão 0 km. De acordo com o diretor, por volta de 1.670 veículos novos vendidos envolveram negociações na troca de usados. “No ano passado, a SelecTrucks contribuiu em 1,3% na participação de mercado da marca nas vendas de caminhões.”

Depois da abertura de estabelecimentos próprios em Mauá (SP) e Betim (MG), em 2013 e 2016, respectivamente, São José dos Pinhais (PR) será a próxima cidade a ter uma SelecTrucks, em setembro. A montadora também aposta no que chamou de lojas satélites, modelo no qual a unidade de negócio de usados da marca funciona dentro da concessionária, casos da Sambaíba, em Campinas (SP), e Pirasa, de Limeira (SP).

Fonte : Estradão