[ 19/6/2018 ]
Quinzena tem média diária de 8,9 mil veí...

[ 19/6/2018 ]
Indústria automotiva passa por maiores t...

[ 19/6/2018 ]
Preço do diesel diminui, mas desconto nã...

[ 19/6/2018 ]
Greve de maio tirou fôlego do setor indu...

[ 19/6/2018 ]
Tabela de frete elevará custos em R$ 53,...

[ 19/6/2018 ]
Volvo procura o FH mais antigo do Brasil...

[ 19/6/2018 ]
Iveco inicia entrega 900 ônibus escolare...

[ 19/6/2018 ]
Veja mitos e verdades sobre manutenção d...

[ 19/6/2018 ]
Presidente-executivo da Audi é preso pel...

[ 19/6/2018 ]
Bélgica é o berço de várias montadoras...

[ 18/6/2018 ]
Em três anos, Toyota dobrou investimento...

[ 18/6/2018 ]
Rota 2030 exigirá que montadoras invista...

[ 18/6/2018 ]
Elétrico deve ter impulso com imposto me...

[ 18/6/2018 ]
Tabelar frete é ilegal e estimula formaç...

[ 18/6/2018 ]
Grupo Tracbel compra mais concessionária...

[ 18/6/2018 ]
Librelato dobra venda em 2018...

[ 18/6/2018 ]
Daimler Trucks lança caminhões elétricos...

[ 18/6/2018 ]
Sinal verde para a Frontier argentina...

[ 18/6/2018 ]
Corrida pela sustentabilidade...

[ 18/6/2018 ]
Indústria paulista puxou para baixo a re...




 

Data: 12/9/2017

China estuda banir carros a combustão
 
O crescente movimento para acabar com os veículos movidos a combustíveis fósseis ganhou um significativo impulso ontem com o anúncio de que a China - maior mercado mundial de carros - está estudando seguir o exemplo de países como Reino Unido e França - que recentemente anunciaram que vão proibir carros movidos a diesel e gasolina até 2040.

“Alguns países fizeram um cronograma para acabar com a produção e venda de carros de combustíveis tradicionais”, disse o vice-ministro de Indústria, Xin Guobin, segundo reportou ontem a agência estatal Xinhua. “O Ministério também iniciou uma pesquisa relevante e fará um cronograma semelhante com os departamentos relevantes. Essas medidas certamente vão trazer profundas mudanças para o desenvolvimento de nossa indústria automotiva”, disse Xin, que prevê tempos “turbulentos” pela frente nesse setor.

Pequim vê o carro elétrico como uma forma de superar as grandes montadoras e garantir maior participação global para as fabricantes chinesas. Graça a uma política de subsídios generosos, as chinesas vêm dominando o mercado doméstico de carros elétricos e híbridos. A BYD, que tem entre seus investidores o americano Warren Buffett, liderou as vendas nos sete primeiros meses do ano, com a entrega de 46.855 carros elétricos e híbridos, segundo a Associação de Carros de Passeio da China. A General Motors vendeu apenas 738 unidades desde que lançou seu modelo híbrido Velite 5 na feira de Xangai em abril.

Fonte : Valor Econômico