[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/9/2017

Empresa quer produzir micro-ônibus elétricos em Mato Grosso do Sul
 
O estado do Mato Grosso do Sul deve contar até o final deste ano com uma nova fábrica de veículos elétricos, contando, inclusive, com a produção de um micro-ônibus movido com baterias.

A empresa Brave-Brasil demonstrou a intenção de montar uma unidade em Campo Grande e uma fábrica nas proximidades da fronteira com o Paraguai, de acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Mato Grosso do Sul – Fiems.

Segundo o BVMI e o presidente da federação, Sérgio Longen, uma reunião com os empresários da Brave-Brasil Veículos Elétricos, deu início às negociações.

“Os empresários da Brave-Brasil procuraram Mato Grosso do Sul na busca por informações de um local que dê competitividade para os seus produtos. Em um primeiro momento, a montadora de veículos elétricos se instalaria em Campo Grande e depois seria aberta uma filial da empresa na região de fronteira com o Paraguai para a produção de baterias para os veículos elétricos, beneficiando-se do Programa Fomentar Fronteiras oferecido pelo Governo do Estado”, disse.

Um dos donos da Brave-Brasil, Neriberto Pamplona, adiantou que o transporte coletivo, com um ônibus de pequeno porte, está nos planos da empresa.

“A nossa produção média será de 100 a 200 veículos por mês, entre micro-ônibus voltados para o turismo, para mobilidade em locais como resorts, parques, aeroportos e condomínios de alto padrão, city tours, que na Europa já é muito utilizado. Temos também um caminhão um pouco maior que uma Saveiro, para capacidade de 700 quilos, para entregas, e um BR Cross, para quatro pessoas usarem em circuitos urbanos, e outro para duas pessoas que pode ser usado para entregas”, informou.

O empreendimento deve contar com financiamento do FCO – Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste, que disponibiliza uma linha de crédito específico para novas tecnologias. Também deve haver parceria com o Senai, por meio do ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa)

Outro sócio da empresa, Humberto Silva, disse que a empresa desenvolve tecnologia nacional, inclusive para recarga de baterias.

“A Brave produz esses veículos com tecnologia nacional, toda a parte de peças automotivas do mercado nacional, assim como a gestão de cargas das baterias, motores e tudo isso coordenado por esse grupo de inovação, que estudou o mercado para chegar a um conjunto de soluções. Inclusive com garagens fotovoltaicas para carregar esses veículos elétricos, o que deixa o gasto com combustível até oito vezes mais barato se comparado com o gasto com gasolina”.

Fonte : Diário do Transporte/Adamo Bazani