[ 19/1/2018 ]
Peugeot está "muito aberta" para aliança...

[ 19/1/2018 ]
Venda de caminhões deve saltar até 30% n...

[ 19/1/2018 ]
Novatos surpreenderam o mercado automoti...

[ 19/1/2018 ]
Produção de motocicletas fecha o ano com...

[ 19/1/2018 ]
Petrobras realiza dois aumentos no preço...

[ 19/1/2018 ]
MAN Latin America inaugura duas concessi...

[ 19/1/2018 ]
Hacker é maior ameaça ao modelo autônomo...

[ 19/1/2018 ]
BYD vende 13 ônibus 100% elétricos para ...

[ 19/1/2018 ]
PSA anuncia eletrificação de todos os mo...

[ 19/1/2018 ]
Mercedes-Benz lidera vendas na Argentina...

[ 18/1/2018 ]
Com retomada das vendas do setor, Fiat p...

[ 18/1/2018 ]
Ministério pretende liberar créditos tri...

[ 18/1/2018 ]
Caminhões e ônibus já podem ser financia...

[ 18/1/2018 ]
Emprego na indústria paulista recua 1,62...

[ 18/1/2018 ]
Crescimento deve ter superado 1% em 2017...

[ 18/1/2018 ]
Embratel lança plataforma para gestão de...

[ 18/1/2018 ]
Novo pneu trativo Hybrid HD3 na medida 2...

[ 18/1/2018 ]
União Europeia e Mercosul se reúnem em B...

[ 18/1/2018 ]
Mercado de automóveis na União Europeia ...

[ 18/1/2018 ]
Fábrica de motores da Volvo Cars é a pri...




 

Data: 13/9/2017

Montadoras enfrentam realidade elétrica à medida que as perspectivas para motores de combustão diminuem
 
Os líderes do mercado europeu de carros começam a enfrentar as realidades da eletrificação de veículos em massa, com suas consequências para empregos e lucros, atentos às promessas dos governos de proibir o motor de combustão.

À medida que o mais recente anúncio pela China na segunda-feira aumentou o impulso para o automobilismo sem emissão de poluentes, Daimler, Volkswagen e PSA Group deram detalhes sobre seus programas para carros elétricos que poderiam fornecer uma pausa aos formuladores de política.

Os modelos elétricos planejados pela Mercedes terão, inicialmente, apenas metade da lucratividade das alternativas convencionais, alertou a Daimler -forçando o grupo a encontrar formas de economizar por meio da terceirização da fabricação de componentes, o que pode, por sua vez, ameaçar os empregos alemães.

A empresa definiu uma meta de economizar 4 bilhões de euros até 2025 para ajudar a financiar os custos dos carros elétricos.

"A Daimler é a primeira empresa a declarar explicitamente o quanto os veículos elétricos vão prejudicar as margens", disse o analista do Bernstein Max Warburton. "A montadora foi corajosa em ser a primeira, mas é claro que não será a última".

A Volkswagen, por sua vez, disse que está buscando novos contratos com fornecedores globais no valor de 50 bilhões de euros em equipamentos para veículos elétricos, incluindo baterias, que ainda não são fabricadas de forma competitiva na Europa.

Fonte : Reuters/Laurence Frost e Edward Taylor