[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/9/2017

Montadoras enfrentam realidade elétrica à medida que as perspectivas para motores de combustão diminuem
 
Os líderes do mercado europeu de carros começam a enfrentar as realidades da eletrificação de veículos em massa, com suas consequências para empregos e lucros, atentos às promessas dos governos de proibir o motor de combustão.

À medida que o mais recente anúncio pela China na segunda-feira aumentou o impulso para o automobilismo sem emissão de poluentes, Daimler, Volkswagen e PSA Group deram detalhes sobre seus programas para carros elétricos que poderiam fornecer uma pausa aos formuladores de política.

Os modelos elétricos planejados pela Mercedes terão, inicialmente, apenas metade da lucratividade das alternativas convencionais, alertou a Daimler -forçando o grupo a encontrar formas de economizar por meio da terceirização da fabricação de componentes, o que pode, por sua vez, ameaçar os empregos alemães.

A empresa definiu uma meta de economizar 4 bilhões de euros até 2025 para ajudar a financiar os custos dos carros elétricos.

"A Daimler é a primeira empresa a declarar explicitamente o quanto os veículos elétricos vão prejudicar as margens", disse o analista do Bernstein Max Warburton. "A montadora foi corajosa em ser a primeira, mas é claro que não será a última".

A Volkswagen, por sua vez, disse que está buscando novos contratos com fornecedores globais no valor de 50 bilhões de euros em equipamentos para veículos elétricos, incluindo baterias, que ainda não são fabricadas de forma competitiva na Europa.

Fonte : Reuters/Laurence Frost e Edward Taylor