[ 19/6/2018 ]
Quinzena tem média diária de 8,9 mil veí...

[ 19/6/2018 ]
Indústria automotiva passa por maiores t...

[ 19/6/2018 ]
Preço do diesel diminui, mas desconto nã...

[ 19/6/2018 ]
Greve de maio tirou fôlego do setor indu...

[ 19/6/2018 ]
Tabela de frete elevará custos em R$ 53,...

[ 19/6/2018 ]
Volvo procura o FH mais antigo do Brasil...

[ 19/6/2018 ]
Iveco inicia entrega 900 ônibus escolare...

[ 19/6/2018 ]
Veja mitos e verdades sobre manutenção d...

[ 19/6/2018 ]
Presidente-executivo da Audi é preso pel...

[ 19/6/2018 ]
Bélgica é o berço de várias montadoras...

[ 18/6/2018 ]
Em três anos, Toyota dobrou investimento...

[ 18/6/2018 ]
Rota 2030 exigirá que montadoras invista...

[ 18/6/2018 ]
Elétrico deve ter impulso com imposto me...

[ 18/6/2018 ]
Tabelar frete é ilegal e estimula formaç...

[ 18/6/2018 ]
Grupo Tracbel compra mais concessionária...

[ 18/6/2018 ]
Librelato dobra venda em 2018...

[ 18/6/2018 ]
Daimler Trucks lança caminhões elétricos...

[ 18/6/2018 ]
Sinal verde para a Frontier argentina...

[ 18/6/2018 ]
Corrida pela sustentabilidade...

[ 18/6/2018 ]
Indústria paulista puxou para baixo a re...




 

Data: 13/9/2017

Montadoras enfrentam realidade elétrica à medida que as perspectivas para motores de combustão diminuem
 
Os líderes do mercado europeu de carros começam a enfrentar as realidades da eletrificação de veículos em massa, com suas consequências para empregos e lucros, atentos às promessas dos governos de proibir o motor de combustão.

À medida que o mais recente anúncio pela China na segunda-feira aumentou o impulso para o automobilismo sem emissão de poluentes, Daimler, Volkswagen e PSA Group deram detalhes sobre seus programas para carros elétricos que poderiam fornecer uma pausa aos formuladores de política.

Os modelos elétricos planejados pela Mercedes terão, inicialmente, apenas metade da lucratividade das alternativas convencionais, alertou a Daimler -forçando o grupo a encontrar formas de economizar por meio da terceirização da fabricação de componentes, o que pode, por sua vez, ameaçar os empregos alemães.

A empresa definiu uma meta de economizar 4 bilhões de euros até 2025 para ajudar a financiar os custos dos carros elétricos.

"A Daimler é a primeira empresa a declarar explicitamente o quanto os veículos elétricos vão prejudicar as margens", disse o analista do Bernstein Max Warburton. "A montadora foi corajosa em ser a primeira, mas é claro que não será a última".

A Volkswagen, por sua vez, disse que está buscando novos contratos com fornecedores globais no valor de 50 bilhões de euros em equipamentos para veículos elétricos, incluindo baterias, que ainda não são fabricadas de forma competitiva na Europa.

Fonte : Reuters/Laurence Frost e Edward Taylor