[ 20/10/2017 ]
Kia investe R$ 165 milhões para renascer...

[ 20/10/2017 ]
Com fim do Inovar-Auto, importadoras de ...

[ 20/10/2017 ]
Usinas já veem oportunidade com carro el...

[ 20/10/2017 ]
Petrobras anuncia alta de 0,20% no preço...

[ 20/10/2017 ]
Brasil avança em ranking de expansão da ...

[ 20/10/2017 ]
Montadora chinesa Chery quer vender 50% ...

[ 20/10/2017 ]
Novo centro de simulação da FCA acelera ...

[ 20/10/2017 ]
Cummins revigorada...

[ 20/10/2017 ]
Por que você deve comprar um carro usado...

[ 20/10/2017 ]
Contran regulamenta padrões para semáfor...

[ 19/10/2017 ]
Montadoras liberam linhas de crédito par...

[ 19/10/2017 ]
Venda de consórcio volta a bater recorde...

[ 19/10/2017 ]
Multas de trânsito poderão ser parcelada...

[ 19/10/2017 ]
"Prévia" do PIB cai 0,38% em agosto, mas...

[ 19/10/2017 ]
Megale, da Anfavea: “O humor mudou”....

[ 19/10/2017 ]
Novo HB20 não vai crescer para brigar co...

[ 19/10/2017 ]
BMW confirma novo X3 ao Brasil para o pr...

[ 19/10/2017 ]
Chevrolet lança série especial S10 100 Y...

[ 19/10/2017 ]
Toyota lança Hilux e SW4 2018 com cinco ...

[ 19/10/2017 ]
Honda Fit traz mais segurança do que tec...




 

Data: 13/9/2017

Montadoras enfrentam realidade elétrica à medida que as perspectivas para motores de combustão diminuem
 
Os líderes do mercado europeu de carros começam a enfrentar as realidades da eletrificação de veículos em massa, com suas consequências para empregos e lucros, atentos às promessas dos governos de proibir o motor de combustão.

À medida que o mais recente anúncio pela China na segunda-feira aumentou o impulso para o automobilismo sem emissão de poluentes, Daimler, Volkswagen e PSA Group deram detalhes sobre seus programas para carros elétricos que poderiam fornecer uma pausa aos formuladores de política.

Os modelos elétricos planejados pela Mercedes terão, inicialmente, apenas metade da lucratividade das alternativas convencionais, alertou a Daimler -forçando o grupo a encontrar formas de economizar por meio da terceirização da fabricação de componentes, o que pode, por sua vez, ameaçar os empregos alemães.

A empresa definiu uma meta de economizar 4 bilhões de euros até 2025 para ajudar a financiar os custos dos carros elétricos.

"A Daimler é a primeira empresa a declarar explicitamente o quanto os veículos elétricos vão prejudicar as margens", disse o analista do Bernstein Max Warburton. "A montadora foi corajosa em ser a primeira, mas é claro que não será a última".

A Volkswagen, por sua vez, disse que está buscando novos contratos com fornecedores globais no valor de 50 bilhões de euros em equipamentos para veículos elétricos, incluindo baterias, que ainda não são fabricadas de forma competitiva na Europa.

Fonte : Reuters/Laurence Frost e Edward Taylor