[ 21/9/2017 ]
Iveco prepara lançamentos em comemoração...

[ 21/9/2017 ]
Grupo de empresas quer mais carros elétr...

[ 21/9/2017 ]
Montadoras já enxergam avanço de dois dí...

[ 21/9/2017 ]
Ritmo da tecnologia desafia as montadora...

[ 21/9/2017 ]
Consumo de aço mantém trajetória de recu...

[ 21/9/2017 ]
Total Lubrificantes mira mercado de pesa...

[ 21/9/2017 ]
Volkswagen Gol 1.0 MPI Track Flex 2017...

[ 21/9/2017 ]
BMW lança linha Individual de cores exte...

[ 21/9/2017 ]
Até 2030, carros a energia devem ser 10%...

[ 21/9/2017 ]
Salão dos Veículos Híbridos-Elétricos ab...

[ 20/9/2017 ]
Nissan atinge marca de 150 mil carros pr...

[ 20/9/2017 ]
Volkswagen é condenada a pagar R$ 1 bilh...

[ 20/9/2017 ]
Governo tem 15 dias para definir se 2018...

[ 20/9/2017 ]
Europa e Japão querem acelerar condenaçã...

[ 20/9/2017 ]
Chevrolet Equinox estreia mirando Jeep C...

[ 20/9/2017 ]
Ford lança linha de acessórios originais...

[ 20/9/2017 ]
São Paulo notificará motoristas por velo...

[ 20/9/2017 ]
Dieselgate, dois anos: o que mudou no ‘r...

[ 20/9/2017 ]
Montadoras mostram as cabines do futuro...

[ 20/9/2017 ]
A indústria automobilística e o controle...




 

Data: 13/9/2017

Montadoras enfrentam realidade elétrica à medida que as perspectivas para motores de combustão diminuem
 
Os líderes do mercado europeu de carros começam a enfrentar as realidades da eletrificação de veículos em massa, com suas consequências para empregos e lucros, atentos às promessas dos governos de proibir o motor de combustão.

À medida que o mais recente anúncio pela China na segunda-feira aumentou o impulso para o automobilismo sem emissão de poluentes, Daimler, Volkswagen e PSA Group deram detalhes sobre seus programas para carros elétricos que poderiam fornecer uma pausa aos formuladores de política.

Os modelos elétricos planejados pela Mercedes terão, inicialmente, apenas metade da lucratividade das alternativas convencionais, alertou a Daimler -forçando o grupo a encontrar formas de economizar por meio da terceirização da fabricação de componentes, o que pode, por sua vez, ameaçar os empregos alemães.

A empresa definiu uma meta de economizar 4 bilhões de euros até 2025 para ajudar a financiar os custos dos carros elétricos.

"A Daimler é a primeira empresa a declarar explicitamente o quanto os veículos elétricos vão prejudicar as margens", disse o analista do Bernstein Max Warburton. "A montadora foi corajosa em ser a primeira, mas é claro que não será a última".

A Volkswagen, por sua vez, disse que está buscando novos contratos com fornecedores globais no valor de 50 bilhões de euros em equipamentos para veículos elétricos, incluindo baterias, que ainda não são fabricadas de forma competitiva na Europa.

Fonte : Reuters/Laurence Frost e Edward Taylor