[ 20/10/2017 ]
Kia investe R$ 165 milhões para renascer...

[ 20/10/2017 ]
Com fim do Inovar-Auto, importadoras de ...

[ 20/10/2017 ]
Usinas já veem oportunidade com carro el...

[ 20/10/2017 ]
Petrobras anuncia alta de 0,20% no preço...

[ 20/10/2017 ]
Brasil avança em ranking de expansão da ...

[ 20/10/2017 ]
Montadora chinesa Chery quer vender 50% ...

[ 20/10/2017 ]
Novo centro de simulação da FCA acelera ...

[ 20/10/2017 ]
Cummins revigorada...

[ 20/10/2017 ]
Por que você deve comprar um carro usado...

[ 20/10/2017 ]
Contran regulamenta padrões para semáfor...

[ 19/10/2017 ]
Montadoras liberam linhas de crédito par...

[ 19/10/2017 ]
Venda de consórcio volta a bater recorde...

[ 19/10/2017 ]
Multas de trânsito poderão ser parcelada...

[ 19/10/2017 ]
"Prévia" do PIB cai 0,38% em agosto, mas...

[ 19/10/2017 ]
Megale, da Anfavea: “O humor mudou”....

[ 19/10/2017 ]
Novo HB20 não vai crescer para brigar co...

[ 19/10/2017 ]
BMW confirma novo X3 ao Brasil para o pr...

[ 19/10/2017 ]
Chevrolet lança série especial S10 100 Y...

[ 19/10/2017 ]
Toyota lança Hilux e SW4 2018 com cinco ...

[ 19/10/2017 ]
Honda Fit traz mais segurança do que tec...




 

Data: 13/9/2017

Mudanças em carros desafiam engenheiros
 
O processo de criação de carros autônomos já começou. O grupo BMW trabalha numa fase de desenvolvimento que permite ao motorista tirar as mãos do volante por um breve período de tempo sem comprometer a rota. No próximo passo, o condutor poderá desviar completamente a atenção da pista e realizar outras tarefas. O automóvel será auxiliado por câmeras que vão monitorar os demais veículos e objetos ao redor. Na etapa seguinte, o motorista poderá até dormir em seu assento enquanto o veículo o conduz e, a partir de 2030, segundo previsões da indústria, ninguém vai precisar de carteira de habilitação para entrar num carro autônomo, que se movimentará sozinho.

Nesse processo de mudança, o doutor em engenharia Marcelo Massarani tem uma missão dupla. Ao mesmo tempo em que participa dos fóruns de discussões que movimentam os técnicos na indústria automotiva ele também ministra aulas a estudantes da escola Politécnica da USP, que, quando formados, terão de projetar peças e automóveis muito diferentes dos que circulam pelas ruas hoje.

‘Há uma ruptura do conceito de mobilidade”, afirma Massarani, coordenador do Simea, simpósio de engenharia automotiva que será realizado hoje e amanhã em São Paulo. Além de discutir o automóvel do futuro, os engenheiros automotivos também precisam lidar com a mudança de hábitos de transporte e o desencanto das novas gerações em relação ao que já foi desejo de consumo. “Meus alunos não têm o sonho de ter um carro”, diz.

Mas ao mesmo tempo em que a mudança de paradigma traz várias incógnitas, Massarani entusiasma-se com a possibilidade de a próxima política industrial para o setor, a chamada Rota 2030 abrir mais espaço para a pesquisa e desenvolvimento locais, o que pode valorizar os engenheiros brasileiros. Para ele, esta é, inclusive, a chance de estimular parcerias entre indústria e a área acadêmica. Massarani diz, ainda, que o futuro da matriz energética dos veículos produzidos no Brasil tende a ser uma das principais discussões daqui para a frente.

Entre os principais temas do simpósio, um evento anual, realizado há mais de 30 anos pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), estão o futuro da mobilidade, o veículo das próximas gerações e novas políticas para o setor.

Fonte : Valor Econômico/Veículos Marli Olmos