[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/9/2017

Mudanças em carros desafiam engenheiros
 
O processo de criação de carros autônomos já começou. O grupo BMW trabalha numa fase de desenvolvimento que permite ao motorista tirar as mãos do volante por um breve período de tempo sem comprometer a rota. No próximo passo, o condutor poderá desviar completamente a atenção da pista e realizar outras tarefas. O automóvel será auxiliado por câmeras que vão monitorar os demais veículos e objetos ao redor. Na etapa seguinte, o motorista poderá até dormir em seu assento enquanto o veículo o conduz e, a partir de 2030, segundo previsões da indústria, ninguém vai precisar de carteira de habilitação para entrar num carro autônomo, que se movimentará sozinho.

Nesse processo de mudança, o doutor em engenharia Marcelo Massarani tem uma missão dupla. Ao mesmo tempo em que participa dos fóruns de discussões que movimentam os técnicos na indústria automotiva ele também ministra aulas a estudantes da escola Politécnica da USP, que, quando formados, terão de projetar peças e automóveis muito diferentes dos que circulam pelas ruas hoje.

‘Há uma ruptura do conceito de mobilidade”, afirma Massarani, coordenador do Simea, simpósio de engenharia automotiva que será realizado hoje e amanhã em São Paulo. Além de discutir o automóvel do futuro, os engenheiros automotivos também precisam lidar com a mudança de hábitos de transporte e o desencanto das novas gerações em relação ao que já foi desejo de consumo. “Meus alunos não têm o sonho de ter um carro”, diz.

Mas ao mesmo tempo em que a mudança de paradigma traz várias incógnitas, Massarani entusiasma-se com a possibilidade de a próxima política industrial para o setor, a chamada Rota 2030 abrir mais espaço para a pesquisa e desenvolvimento locais, o que pode valorizar os engenheiros brasileiros. Para ele, esta é, inclusive, a chance de estimular parcerias entre indústria e a área acadêmica. Massarani diz, ainda, que o futuro da matriz energética dos veículos produzidos no Brasil tende a ser uma das principais discussões daqui para a frente.

Entre os principais temas do simpósio, um evento anual, realizado há mais de 30 anos pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), estão o futuro da mobilidade, o veículo das próximas gerações e novas políticas para o setor.

Fonte : Valor Econômico/Veículos Marli Olmos