[ 22/5/2018 ]
Financiamento de carro tem alta de quase...

[ 22/5/2018 ]
Produção de ônibus cresce 53%...

[ 22/5/2018 ]
IPI dos veículos seguirá baseado na capa...

[ 22/5/2018 ]
Burocracia trava comércio exterior...

[ 22/5/2018 ]
Consumo brasileiro de aço mantém ritmo d...

[ 22/5/2018 ]
Consumo de gás natural aumenta 9% no tri...

[ 22/5/2018 ]
Volvo Cars amplia rede e anuncia cinco n...

[ 22/5/2018 ]
Sem avanço nas negociações, greve contin...

[ 22/5/2018 ]
Volkswagen Gol e Voyage chegam à linha 2...

[ 22/5/2018 ]
Paralisação de caminhoneiros contra alta...

[ 21/5/2018 ]
CEO da Volkswagen expõe apreensão com o ...

[ 21/5/2018 ]
Negociação sobre carros avança entre UE ...

[ 21/5/2018 ]
Trabalhador volta a ter força no berço d...

[ 21/5/2018 ]
Retomada econômica será a mais lenta da ...

[ 21/5/2018 ]
RenovaBio ainda enfrenta divergência qua...

[ 21/5/2018 ]
Volvo amplia capacidades de seus caminhõ...

[ 21/5/2018 ]
XC60 equaciona luxo, desempenho e tecnol...

[ 21/5/2018 ]
Fiat deixará de fabricar carros para mer...

[ 21/5/2018 ]
Uruguai possui trajeto completo de bomba...

[ 21/5/2018 ]
Volkswagen abre inscrições para o "Talen...




 

Data: 10/10/2017

Mercedes-Benz vai investir R$ 2,4 bilhões no Brasil entre 2018 e 2022
 
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Philip Schiemer, anunciou um programa de investimentos de R$ 2,4 bilhões para os próximos cinco anos, de 2018 a 2022. Os recursos serão aplicados nas duas fábricas de caminhões e ônibus, localizadas em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG).

O novo investimento, divulgado nesta segunda-feira, se soma ao programa de R$ 730 milhões, que abrangerá o período de 2015 a 2018. Schiemer explicou que a maior parte dos recursos será aplicada em São Bernardo.

Além de modernização das fábricas e da linha de produtos, a empresa também se prepara, disse Schiemer, para futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes e ainda na necessidade de aumentar a conectividade dos veículos.

Desde 2013, o mercado brasileiro de caminhões encolheu 70%. Mas agora o setor começa a sair da crise, puxado principalmente pelo segmento de extrapesados, mais usado no agronegócio.

Desde janeiro, a média diária de emplacamentos de caminhões no Brasil cresceu 70%, passando de 126 para 213 unidades.

"Há um ano houve uma mudança significativa na política econômica. A queda da inflação e dos juros mostra que os fundamentos econômicos estão no caminho certo", disse Schiemer.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos