[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 10/10/2017

Mercedes-Benz vai investir R$ 2,4 bilhões no Brasil entre 2018 e 2022
 
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Philip Schiemer, anunciou um programa de investimentos de R$ 2,4 bilhões para os próximos cinco anos, de 2018 a 2022. Os recursos serão aplicados nas duas fábricas de caminhões e ônibus, localizadas em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG).

O novo investimento, divulgado nesta segunda-feira, se soma ao programa de R$ 730 milhões, que abrangerá o período de 2015 a 2018. Schiemer explicou que a maior parte dos recursos será aplicada em São Bernardo.

Além de modernização das fábricas e da linha de produtos, a empresa também se prepara, disse Schiemer, para futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes e ainda na necessidade de aumentar a conectividade dos veículos.

Desde 2013, o mercado brasileiro de caminhões encolheu 70%. Mas agora o setor começa a sair da crise, puxado principalmente pelo segmento de extrapesados, mais usado no agronegócio.

Desde janeiro, a média diária de emplacamentos de caminhões no Brasil cresceu 70%, passando de 126 para 213 unidades.

"Há um ano houve uma mudança significativa na política econômica. A queda da inflação e dos juros mostra que os fundamentos econômicos estão no caminho certo", disse Schiemer.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos