[ 23/10/2017 ]
Iveco lança edições especiais em comemor...

[ 23/10/2017 ]
Na crise, matrizes enviam R$ 60 bilhões ...

[ 23/10/2017 ]
Venda de caminhão dependerá menos do BND...

[ 23/10/2017 ]
Consumo puxa retomada gradual, mas sólid...

[ 23/10/2017 ]
Carro conectado requer aplicações mais s...

[ 23/10/2017 ]
Aceleradora divulga oito startups que vã...

[ 23/10/2017 ]
O glamour está de volta…...

[ 23/10/2017 ]
Novo CR-V chega ao País no primeiro bime...

[ 23/10/2017 ]
Chevrolet Deluxe 1941 é o regaste da inf...

[ 23/10/2017 ]
Permissão internacional para dirigir é a...

[ 20/10/2017 ]
Kia investe R$ 165 milhões para renascer...

[ 20/10/2017 ]
Com fim do Inovar-Auto, importadoras de ...

[ 20/10/2017 ]
Usinas já veem oportunidade com carro el...

[ 20/10/2017 ]
Petrobras anuncia alta de 0,20% no preço...

[ 20/10/2017 ]
Brasil avança em ranking de expansão da ...

[ 20/10/2017 ]
Montadora chinesa Chery quer vender 50% ...

[ 20/10/2017 ]
Novo centro de simulação da FCA acelera ...

[ 20/10/2017 ]
Cummins revigorada...

[ 20/10/2017 ]
Por que você deve comprar um carro usado...

[ 20/10/2017 ]
Contran regulamenta padrões para semáfor...




 

Data: 10/10/2017

Mercedes-Benz vai investir R$ 2,4 bilhões no Brasil entre 2018 e 2022
 
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Philip Schiemer, anunciou um programa de investimentos de R$ 2,4 bilhões para os próximos cinco anos, de 2018 a 2022. Os recursos serão aplicados nas duas fábricas de caminhões e ônibus, localizadas em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG).

O novo investimento, divulgado nesta segunda-feira, se soma ao programa de R$ 730 milhões, que abrangerá o período de 2015 a 2018. Schiemer explicou que a maior parte dos recursos será aplicada em São Bernardo.

Além de modernização das fábricas e da linha de produtos, a empresa também se prepara, disse Schiemer, para futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes e ainda na necessidade de aumentar a conectividade dos veículos.

Desde 2013, o mercado brasileiro de caminhões encolheu 70%. Mas agora o setor começa a sair da crise, puxado principalmente pelo segmento de extrapesados, mais usado no agronegócio.

Desde janeiro, a média diária de emplacamentos de caminhões no Brasil cresceu 70%, passando de 126 para 213 unidades.

"Há um ano houve uma mudança significativa na política econômica. A queda da inflação e dos juros mostra que os fundamentos econômicos estão no caminho certo", disse Schiemer.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos