[ 13/7/2018 ]
Mercado automotivo deve crescer 11,8% em...

[ 13/7/2018 ]
Governo facilita a importação de autopeç...

[ 13/7/2018 ]
Deficientes agora só podem revender carr...

[ 13/7/2018 ]
Câmara e Senado aprovam MP do Frete...

[ 13/7/2018 ]
Balanço da Anfir aponta trajetória de re...

[ 13/7/2018 ]
Ford reposiciona preços da linha Focus...

[ 13/7/2018 ]
No transporte escolar, todo cuidado é po...

[ 13/7/2018 ]
Única versão com pegada esportiva do hat...

[ 13/7/2018 ]
Tata Nano em tempo de dizer adeus...

[ 13/7/2018 ]
O “carro a sol” da FCA...

[ 12/7/2018 ]
Crise automotiva no Brasil ainda pode pi...

[ 12/7/2018 ]
Mercedes-Benz lidera segmento de caminhõ...

[ 12/7/2018 ]
Fiscalização pode ser risco para adensam...

[ 12/7/2018 ]
Financiamentos de veículos novos recuam ...

[ 12/7/2018 ]
Consórcio expande vendas em 10,1% no ano...

[ 12/7/2018 ]
Ampliada restrição para compra direta de...

[ 12/7/2018 ]
Setor duas rodas exibe recuperação apesa...

[ 12/7/2018 ]
Alumínio e aço mais leves impulsionam re...

[ 12/7/2018 ]
Renault duplicará produção do elétrico Z...

[ 12/7/2018 ]
Reguladores dos EUA discutem segurança d...




 

Data: 10/10/2017

Mercedes-Benz vai investir R$ 2,4 bilhões no Brasil entre 2018 e 2022
 
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Philip Schiemer, anunciou um programa de investimentos de R$ 2,4 bilhões para os próximos cinco anos, de 2018 a 2022. Os recursos serão aplicados nas duas fábricas de caminhões e ônibus, localizadas em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG).

O novo investimento, divulgado nesta segunda-feira, se soma ao programa de R$ 730 milhões, que abrangerá o período de 2015 a 2018. Schiemer explicou que a maior parte dos recursos será aplicada em São Bernardo.

Além de modernização das fábricas e da linha de produtos, a empresa também se prepara, disse Schiemer, para futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes e ainda na necessidade de aumentar a conectividade dos veículos.

Desde 2013, o mercado brasileiro de caminhões encolheu 70%. Mas agora o setor começa a sair da crise, puxado principalmente pelo segmento de extrapesados, mais usado no agronegócio.

Desde janeiro, a média diária de emplacamentos de caminhões no Brasil cresceu 70%, passando de 126 para 213 unidades.

"Há um ano houve uma mudança significativa na política econômica. A queda da inflação e dos juros mostra que os fundamentos econômicos estão no caminho certo", disse Schiemer.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos