[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 10/10/2017

Mercedes-Benz vai investir R$ 2,4 bilhões no Brasil entre 2018 e 2022
 
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Philip Schiemer, anunciou um programa de investimentos de R$ 2,4 bilhões para os próximos cinco anos, de 2018 a 2022. Os recursos serão aplicados nas duas fábricas de caminhões e ônibus, localizadas em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG).

O novo investimento, divulgado nesta segunda-feira, se soma ao programa de R$ 730 milhões, que abrangerá o período de 2015 a 2018. Schiemer explicou que a maior parte dos recursos será aplicada em São Bernardo.

Além de modernização das fábricas e da linha de produtos, a empresa também se prepara, disse Schiemer, para futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes e ainda na necessidade de aumentar a conectividade dos veículos.

Desde 2013, o mercado brasileiro de caminhões encolheu 70%. Mas agora o setor começa a sair da crise, puxado principalmente pelo segmento de extrapesados, mais usado no agronegócio.

Desde janeiro, a média diária de emplacamentos de caminhões no Brasil cresceu 70%, passando de 126 para 213 unidades.

"Há um ano houve uma mudança significativa na política econômica. A queda da inflação e dos juros mostra que os fundamentos econômicos estão no caminho certo", disse Schiemer.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos