[ 13/7/2018 ]
Mercado automotivo deve crescer 11,8% em...

[ 13/7/2018 ]
Governo facilita a importação de autopeç...

[ 13/7/2018 ]
Deficientes agora só podem revender carr...

[ 13/7/2018 ]
Câmara e Senado aprovam MP do Frete...

[ 13/7/2018 ]
Balanço da Anfir aponta trajetória de re...

[ 13/7/2018 ]
Ford reposiciona preços da linha Focus...

[ 13/7/2018 ]
No transporte escolar, todo cuidado é po...

[ 13/7/2018 ]
Única versão com pegada esportiva do hat...

[ 13/7/2018 ]
Tata Nano em tempo de dizer adeus...

[ 13/7/2018 ]
O “carro a sol” da FCA...

[ 12/7/2018 ]
Crise automotiva no Brasil ainda pode pi...

[ 12/7/2018 ]
Mercedes-Benz lidera segmento de caminhõ...

[ 12/7/2018 ]
Fiscalização pode ser risco para adensam...

[ 12/7/2018 ]
Financiamentos de veículos novos recuam ...

[ 12/7/2018 ]
Consórcio expande vendas em 10,1% no ano...

[ 12/7/2018 ]
Ampliada restrição para compra direta de...

[ 12/7/2018 ]
Setor duas rodas exibe recuperação apesa...

[ 12/7/2018 ]
Alumínio e aço mais leves impulsionam re...

[ 12/7/2018 ]
Renault duplicará produção do elétrico Z...

[ 12/7/2018 ]
Reguladores dos EUA discutem segurança d...




 

Data: 11/10/2017

Os sinais de que o motor precisa de retífica
 
Os motores dos carros têm sido alvo de constantes avanços por parte das fabricantes, motivados pelas normas cada vez mais rígidas de emissões de poluentes. Cilindros, brunimento, camisas, cabeças dos pistões: todas essas peças estão melhores.

Por consequência, é muito difícil ver motores de automóveis novos passando por uma retífica que não seja por descuido do proprietário.

Antes, aos 200 mil quilômetros, quase todos os motores precisavam de retífica. “Hoje, eles rodam facilmente mais de 300 mil km com a manutenção correta e têm durabilidade semelhante à do veículo”, afirma o membro da comissão técnica de motores da SAE, Henrique Pereira.

Mesmo assim, há contratempos que podem motivar uma retífica, como o calço hidráulico. Quando isso ocorre, a água que entra impede que o motor faça a compressão, empenando e até quebrando as bielas. No calço, o motor trava – ou seja, fica fácil perceber que houve algo errado.

Mas há problemas de desgaste das paredes dos cilindros, bielas e virabrequim, por exemplo, que requerem retífica e que não dão sinais tão simples. Nesses casos, o motorista deve ficar atento a dois sintomas básicos, que são perda repentina de potência e queima de óleo, a famosa fumaça branca que sai do escapamento.

Ruídos também são comuns quando alguma peça quebra dentro do propulsor. Mas é preciso tomar cuidado para não confundir com o barulho de detonação do motor, causado apenas pelo uso de combustível de má qualidade.

Os tipos mais comuns de retífica são do cabeçote (a mais complexa), bielas, virabrequim e a usinagem do bloco do motor. Os preços também variam de acordo com o serviço. Uma simples solda do bloco custa em média R$ 480, chegando a R$ 1.800 na retífica completa mais barata, que é a de uma Volkswagen Kombi, por exemplo, de conserto mais fácil.

Para motores maiores, como os a diesel da linha Sprinter, da Mercedes-Benz, o custo chega facilmente a R$ 6.800.

Fonte : Jornal do Carro