[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...

[ 20/9/2018 ]
Scania volta a produzir em dois turnos e...

[ 20/9/2018 ]
Mercedes-Benz do Brasil lança os caminhõ...

[ 20/9/2018 ]
Secex faz ajustes em normas para importa...

[ 20/9/2018 ]
Chefe da Mercedes-Benz diz esperar que e...

[ 20/9/2018 ]
MDIC e Toyota firmam memorando e montado...

[ 20/9/2018 ]
Crise argentina derruba exportações bras...

[ 20/9/2018 ]
Consórcio de veículos segue em expansão...

[ 20/9/2018 ]
Rota 2030 deixa ao menos 63 autopeças de...

[ 20/9/2018 ]
Em mundo repleto de robôs, montadoras co...

[ 20/9/2018 ]
Google busca levar o Android aos automóv...




 

Data: 11/10/2017

Fabricante de motores Cummins prevê elevar produção em 7% a 12% em 2018
 
A fabricante norte-americana de motores Cummins, uma das maiores no setor de caminhões no Brasil, projeta elevar sua produção em 7% a 12% em 2018, após expectativa de 32 mil motores em 2017, afirmou nesta segunda-feira o presidente da companhia no país, Luis Pasquotto.

Além de caminhões, a fabricante produz motores para ônibus, máquinas agrícolas, embarcações e veículos para mineração. Segundo o executivo, a Cummins é responsável pela maioria dos motores usados em caminhões da Ford no Brasil, vende motores para cerca de 50% dos caminhões e ônibus produzidos pelo grupo Volkswagen no país e também é fornecedora da fabricante de chassis de ônibus Agrale.

Apesar do crescimento projetado, acompanhando expectativas de expansão do setor brasileiro de veículos no próximo ano, a estimativa da Cummins é uma fração do pico alcançado pela empresa em 2011 no Brasil, quando a empresa produziu 111 mil motores e a indústria de caminhões não tinha os índices de ociosidade de mais de 70%.

Mais cedo, o presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus para a América Latina, Roberto Cortes, afirmou que a companhia cancelou férias coletivas de sua fábrica em Resende (RJ) pela primeira vez em seis anos, motivada em parte por sinais de retomada da demanda.

"O cenário ainda é de incertezas, mas o consenso do mercado é que estamos em patamar um pouco melhor", afirmou Pasquotto. "Mas ainda tem muitas variáveis e algumas negativas, como a própria definição da política", acrescentou, referindo-se às eleições presidenciais do próximo ano.

Os comentários se deram no Congresso AutoData Perspectivas 2018. No evento, a indústria projetou crescimento de 10% a 20% na produção de caminhões em 2018, para entre 112,5 mil e 122 mil veículos, enquanto as vendas devem subir também 10% a 20%, para 70,4 mil a 76,8 mil unidades.

A associação de montadoras, Anfavea, estima para 2017 alta de 28,2% na produção de veículos pesados, categoria que inclui caminhões e ônibus, para 101,5 mil veículos. Já as vendas são estimadas em 64 mil unidades, crescimento de 3,6%.

Fonte : Reuters/Alberto Alerigi Jr.