[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/11/2017

Renault Fluence sai de linha à francesa no Brasil
 
Que os sedãs estão perdendo a briga para os SUVs, não é nenhuma novidade. Se os três-volumes já consolidados tendem a permanecer em linha para atender ao seu público cativo, as montadoras não veem razões para continuar insistindo naqueles que não decolaram. A próxima vítima dos utilitários é o Fluence. A Renault resolveu parar de vendê-lo no Brasil para focar seus esforços no Captur e no Duster, modelos nos quais o mercado brasileiro está mais interessado.

O Fluence vinha importado da Argentina, onde é fabricado desde 2010. Mesmo no país vizinho, não há muito futuro para ele: fornecedores da Renault argentina não têm mais nenhuma encomenda programada de componentes para o sedã em 2018.

Diferentemente do que ocorre no Brasil, porém, o segmento de sedãs ainda é bastante forte na Argentina. Por isso, naquele mercado o Fluence deverá ter um substituto – o mais provável é que seja a versão três-volumes da última geração do Mégane, que ocupou o lugar do Fluence em vários países.

No site brasileiro da Renault, por enquanto o Fluence ainda aparece no configurador – em versões Dynamique e Privilège, com motor 2.0 e câmbio CVT, por preços que partem de R$ 99.350.

Fonte : Jornal do Carro