[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/11/2017

Usiminas vislumbra cenário promissor para aços planos
 
A Usiminas, maior produtora de aços planos do país, enxerga recuperação mais rápida de seu mercado no ano que vem e quer se aproveitar dessa tendência vendendo mais produtos laminados a quente e a frio para reforçar o resultado, segundo o presidente da companhia, Sérgio Leite.

Em 2017, até agora, os aços galvanizados a quente estão sendo o carro-chefe do crescimento de vendas da siderúrgica. Esse tipo de aço é majoritariamente destinado ao setor automotivo, que vive bom momento, principalmente pelas maiores exportações.

Em entrevista ao Valor, o executivo revelou que sua expectativa é de crescimento em 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) durante 2018, em linha com a média dos economistas. Se isso se confirmar, o mercado de aços planos tem potencial para subir de 5% a 10% no país, por conta de sua elasticidade na economia.

Em relatório publicado na semana passada, o Citi calculou que o consumo de aços planos vai subir 6% no próximo ano.

“Vendemos mais galvanizados muito na esteira da recuperação da produção automotiva, mas bobina a quente é nosso principal produto e esperamos crescer no ano que vem”, declarou Leite. “Por enquanto, o produto que tem pior perspectiva é a chapa grossa, com poucos projetos de energia eólica e petróleo e gás.”

O executivo reclama principalmente do fato de as exigências de conteúdo local para a exploração de petróleo terem sido reduzidas — um pleito das petrolíferas, mas que encontra muita resistência na indústria de transformação. Para Leite, o governo federal não vê a indústria como prioridade.

Após decidir cancelar um reajuste de preços que estava programado, a Usiminas quer atualizar a tabela de preços do aço que fornece ao setor automotivo, informou. Na mesa de negociação com as montadoras, que geralmente protagonizam as conversas mais duras com siderúrgicas, está aumento mínimo de 25%.

Além desse aumento, as perspectivas são baixas. O executivo estima que os preços na China, em geral o termômetro para as siderúrgicas brasileiras promoverem reajustes ou não, ficarão estáveis em 2018. Mesmo assim, ele garantiu que a companhia vai perseguir sempre um diferencial ante o aço chinês de 5% a 10%, o chamado “prêmio”.

Leite também comenta que a Mineração Usiminas (Musa), empresa na qual divide o controle com a japonesa Sumitomo Corporation, está pronta para atingir no mínimo metade de sua capacidade nominal, que é de 12 milhões de toneladas por ano. Em 2018, a companhia pretende exportar cerca de 3,5 milhões de toneladas de minério de ferro, após ficar quase um ano sem vender ao exterior e voltar no terceiro trimestre de 2017. Outras 2,5 milhões de toneladas devem ser consumidas pela própria Usiminas.

Ele ressalta que volumes acima disso necessitariam de investimentos e essa decisão será tomada dependendo do preço da commodity. A Musa só consegue gerar lucro com a matéria-prima cotada acima de US$ 55 por tonelada, exatamente a perspectiva média dos analistas para o ano que vem no caso do produto com pureza de 62%.

O presidente da Usiminas também diz que sua subsidiária de bens de capital, Usiminas Mecânica, ainda está à venda, caso haja interessados. O Credit Suisse chegou a ser contratado para cuidar da alienação do negócio, mas não houve nenhuma proposta firme. Assim, ao menos por enquanto, a possível operação está sem assessor financeiro.

“Temos que lembrar que é uma empresa que funciona a 15% da capacidade hoje. Está totalmente preparada para uma recuperação do mercado, sem dar prejuízo, mas atua por projetos e hoje eles são muito pequenos”, avalia Leite. “No curto e no médio prazo não temos mais perspectiva de uma oferta pela Mecânica”.

Fonte : Valor Econômico/Renato Rostás