[ 17/11/2017 ]
Volkswagen quer mais do que dobrar produ...

[ 17/11/2017 ]
Temor de nova condenação na OMC trava Ro...

[ 17/11/2017 ]
Disputa entre montadora e autopeça indep...

[ 17/11/2017 ]
Exportações de autopeças crescem 10,5% n...

[ 17/11/2017 ]
Montadora quer pedaço maior do mercado d...

[ 17/11/2017 ]
Honda ainda não tem planos para a fábric...

[ 17/11/2017 ]
Mercedes-Benz lança canais nas redes soc...

[ 17/11/2017 ]
Montadoras investem cada vez mais na mod...

[ 17/11/2017 ]
GM desafia Tesla com promessa de carros ...

[ 17/11/2017 ]
Volkswagen vai investir € 10 bilhões par...

[ 16/11/2017 ]
Produção de veículos reforça a indústria...

[ 16/11/2017 ]
AGCO desiste de negócio com a Kepler...

[ 16/11/2017 ]
Temer e empresários debatem programa aut...

[ 16/11/2017 ]
Mercado continua cauteloso sobre a recup...

[ 16/11/2017 ]
Reajuste de combustíveis impõe "viés de ...

[ 16/11/2017 ]
Fabricantes de motos premium veem retoma...

[ 16/11/2017 ]
Setor automotivo prevê empregos e cresci...

[ 16/11/2017 ]
Fiat viu em regime militar aval para fáb...

[ 16/11/2017 ]
Mercedes-Benz oferece um ano de manutenç...

[ 16/11/2017 ]
Grupo Volvo inaugura nova concessionária...




 

Data: 13/11/2017

Mercado de usados se mantém aquecido
 
Enquanto as fabricantes ainda esperam retorno efetiva do investidor às compras de caminhões 0 km, o mercado de usados segue com os negócios em alta. De acordo com dados da Fenabrave, a federação que reúne as distribuidoras das marcas, em outubro trocaram de mão 30.042 veículos pesados de carga, volume 14,1% superior ao anotado no mesmo mês do ano passado, de 26.337 unidades.

No exercício do ano até outubro, as vendas de usados registraram alta de 4,86%. Ganharam novos donos 286.492 caminhões frente às 273.222 unidades apuradas nos mesmos dez meses de 2016. Pelos cálculos da federação, a cada um caminhão 0 km licenciado, outros 5,9 usados trocam de mão.

No mercado de usados, a preferência do consumidor é pelos modelos da Mercedes-Benz. Em outubro, do total de negócios efetivados, 37,9% foram relacionados com produtos da marca. Depois dela, os veículos da Volkswagen Caminhões e Ônibus participaram com 21,1%, seguido pelos caminhões da Ford (17%), Scania (8,7%), Volvo (7%) e Iveco (4,5%). Todas as outras marcas juntas responderam por quase 3%.

Também as transações de implementos rodoviários usados, em contraste com os novos, anotam crescimento. Em outubro, 6.466 equipamentos mudaram de donos, alta de 14,7% sobre as 5.547 unidades vendidas no mesmo mês do ano passado.

No acumulado de janeiro a outubro, os negócios somaram 68.886 implementos, evolução de 4,6% na comparação com o volume de um ano atrás, de 65.947 unidades.

Fonte : Estradão