[ 22/5/2018 ]
Financiamento de carro tem alta de quase...

[ 22/5/2018 ]
Produção de ônibus cresce 53%...

[ 22/5/2018 ]
IPI dos veículos seguirá baseado na capa...

[ 22/5/2018 ]
Burocracia trava comércio exterior...

[ 22/5/2018 ]
Consumo brasileiro de aço mantém ritmo d...

[ 22/5/2018 ]
Consumo de gás natural aumenta 9% no tri...

[ 22/5/2018 ]
Volvo Cars amplia rede e anuncia cinco n...

[ 22/5/2018 ]
Sem avanço nas negociações, greve contin...

[ 22/5/2018 ]
Volkswagen Gol e Voyage chegam à linha 2...

[ 22/5/2018 ]
Paralisação de caminhoneiros contra alta...

[ 21/5/2018 ]
CEO da Volkswagen expõe apreensão com o ...

[ 21/5/2018 ]
Negociação sobre carros avança entre UE ...

[ 21/5/2018 ]
Trabalhador volta a ter força no berço d...

[ 21/5/2018 ]
Retomada econômica será a mais lenta da ...

[ 21/5/2018 ]
RenovaBio ainda enfrenta divergência qua...

[ 21/5/2018 ]
Volvo amplia capacidades de seus caminhõ...

[ 21/5/2018 ]
XC60 equaciona luxo, desempenho e tecnol...

[ 21/5/2018 ]
Fiat deixará de fabricar carros para mer...

[ 21/5/2018 ]
Uruguai possui trajeto completo de bomba...

[ 21/5/2018 ]
Volkswagen abre inscrições para o "Talen...




 

Data: 14/11/2017

Para a Honda é improvável que fábrica no Brasil pronta há 2 anos comece a operar em 2018
 
Como o mercado brasileiro de veículos se recupera de forma lenta, a montadora japonesa Honda acredita que é improvável que sua segunda fábrica de automóveis no Brasil, localizada em Itirapina, no interior de São Paulo, e pronta há dois anos e meio, comece a produzir em 2018. Foi o que afirmou nesta segunda-feira, 13, o presidente da empresa para a América do Sul, Issao Mizoguchi, em entrevista a jornalistas durante abertura do Salão Duas Rodas, em São Paulo.

"O crescimento das vendas que estamos esperando para o ano que vem pode ser absorvido pela nossa fábrica em Sumaré, a primeira de automóveis da Honda no Brasil e a única em operação, também no interior de São Paulo", disse o executivo, sem revelar qual é a projeção da empresa para 2018. "Eu não tenho bola de cristal", justificou.

Sem operar a segunda fábrica no Brasil, a montadora deixa de criar 2 mil empregos diretos. A nova unidade, que recebeu investimento de R$ 1 bilhão, ficou pronta em abril de 2015 e o início da produção era esperado para o segundo semestre daquele ano.

A crise econômica, no entanto, adiou os planos da Honda, que avaliou que, com a forte queda do mercado, de 26% em 2015, não havia demanda suficiente para justificar a operação de uma segunda fábrica. Em um primeiro momento, a inauguração foi adiada para o primeiro semestre de 2016, mas, com o agravamento da crise, que resultou em retração de 20% em 2016, a empresa passou a dizer que não havia mais previsão. Se realmente não começar a operar em 2018, a nova fábrica vai passar pelo menos três anos sem produzir um único carro.

A unidade de Sumaré tem condições de produzir cerca de 120 mil automóveis por ano e tem operado em volumes próximos a essa número. A de Itirapina tem a mesma capacidade e, segundo o presidente da montadora para a América do Sul, só valerá a pena dar início à operação se a produção atingir pelo menos a metade disso, ou 60 mil unidades por ano, o equivalente a um turno de trabalho para os funcionários.

Para chegar a esse nível de produção na segunda fábrica, portanto, o mercado total de automóveis no Brasil teria de crescer 50% em 2018, desempenho considerado improvável pelo executivo.

Em 2017, o mercado brasileiro de automóveis acumula, de janeiro a outubro, crescimento de 10,6% em relação a igual período do ano passado, com o emplacamento de 1,51 milhão de unidades. A Honda, por sua vez, apresentou nesse segmento expansão de 7,9%, com a venda de 108,4 mil unidades.

Fonte : O Estado de S. Paulo/André Ítalo Rocha