[ 15/10/2018 ]
Anfavea pleiteia destravamento para a re...

[ 15/10/2018 ]
Produção da indústria automobilística br...

[ 15/10/2018 ]
MINI Cabrio desembarca no Brasil...

[ 15/10/2018 ]
Comércio varejista cresce 1,3%, diz IBGE...

[ 15/10/2018 ]
Mercedes-Benz amplia participação no Sul...

[ 15/10/2018 ]
Ford Ka Sedan: discrição bem-acertada....

[ 15/10/2018 ]
Caminhões VW Delivery saem das linhas co...

[ 15/10/2018 ]
Goodyear lança pneu Urban Max para trans...

[ 15/10/2018 ]
BMW vai pagar 3,6 bilhões de euros por c...

[ 15/10/2018 ]
Ford utilizará grafeno em seus carros...

[ 11/10/2018 ]
Brasil perde US$ 1 bilhão por ano com ba...

[ 11/10/2018 ]
Jaguar Land Rover anuncia paralisação de...

[ 11/10/2018 ]
CAOA Chery lança sedã Arrizo 5 este mês...

[ 11/10/2018 ]
Novo VW Delivery sai de fábrica sob medi...

[ 11/10/2018 ]
Case IH amplia atuação no Paraná...

[ 11/10/2018 ]
Porto Seguro lança consórcio para máquin...

[ 11/10/2018 ]
Goodyear tem novo pneu para aplicação ur...

[ 11/10/2018 ]
Aplicativo indica caminhos para pessoas ...

[ 11/10/2018 ]
Cidade inteligente prevê o fim dos conge...

[ 11/10/2018 ]
Projeto limita emissão de poluentes por ...




 

Data: 16/11/2017

AGCO desiste de negócio com a Kepler
 
A americana AGCO, uma das maiores fabricantes de máquinas agrícolas do mundo, com receita líquida de US$ 7,4 bilhões no ano passado, desistiu de adquirir a participação de 34,93% do capital social da gaúcha Kepler Weber. Em comunicado enviado ao Banco do Brasil e divulgado na terça-feira pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a múlti informou que a rescisão do contrato de aquisição decorreu do não cumprimento de condições precedentes acordadas entre as partes.

Da fatia que a AGCO pretendia adquirir, 17,45% são de titularidade do Banco de Investimento, subsidiária integral do Banco do Brasil, e 17,48% da Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil. A compra da participação na Kepler Weber, fabricante de silos e equipamentos para armazenagem de grãos que registrou receita de R$ 475,3 milhões em 2016, havia sido anunciada por R$ 578,9 milhões (US$ 185 milhões).

O negócio com a Kepler era encarado como fundamental para a AGCO avançar na América Latina. Em entrevista recente ao Valor ,o diretor de relações com investidores da companhia, Greg Peterson, afirmou que a aquisição de fato permitiria o crescimento da empresa na região. Da receita da americana em 2016, 12,4% teve origem na América do Sul, enquanto 24,4% vieram da América do Norte.

Na ocasião, Peterson disse que o fato de a Kepler ser “muito bem-sucedida no Brasil, com uma linha muito forte de produtos”, ajudaria a AGCO a impulsionar os negócios em outros países da região, sobretudo a Argentina. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já havia aprovado, sem restrições, a transação. Mas a negociação estava sujeita a uma Oferta Pública de Ações (OPA) para aquisição de pelo menos 65% do capital votante da Kepler Weber. A AGCO tinha intenção de fechar o capital da brasileira.

Fonte : Valor Econômico/Bettina Barros e Kauanna Navarro