[ 15/12/2017 ]
"Carro único" para Brasil e Argentina po...

[ 15/12/2017 ]
Cresce a procura por consórcio de veícul...

[ 15/12/2017 ]
Governo reduz a zero imposto de importaç...

[ 15/12/2017 ]
Montadora chinesa chega a Anápolis e vai...

[ 15/12/2017 ]
Superávit comercial deve cair a US$ 50,3...

[ 15/12/2017 ]
Dados da Fenabrave registram um crescime...

[ 15/12/2017 ]
Ford Caminhões projeta mercado maior em ...

[ 15/12/2017 ]
CAOA Montadora assina parceria com a SAE...

[ 15/12/2017 ]
Volkswagen reconhece apoio à ditadura so...

[ 15/12/2017 ]
Peças genuínas DAF e multimarcas TRP tem...

[ 14/12/2017 ]
JAC Motors implantará nova montadora em ...

[ 14/12/2017 ]
Rota 2030 deve exigir aumento de 12% na ...

[ 14/12/2017 ]
Setor de autopeças prevê crescimento sus...

[ 14/12/2017 ]
Dados positivos do varejo de São Paulo...

[ 14/12/2017 ]
Programa de incentivo desagrada às monta...

[ 14/12/2017 ]
Crédito e renda devem impulsionar a expa...

[ 14/12/2017 ]
Novo Toyota Camry desembarca no País...

[ 14/12/2017 ]
Volkswagen Amarok V6 Highline esgota pré...

[ 14/12/2017 ]
Renault entrega vinte veículos elétricos...

[ 14/12/2017 ]
Revisão do carro antes das férias é fund...




 

Data: 16/11/2017

AGCO desiste de negócio com a Kepler
 
A americana AGCO, uma das maiores fabricantes de máquinas agrícolas do mundo, com receita líquida de US$ 7,4 bilhões no ano passado, desistiu de adquirir a participação de 34,93% do capital social da gaúcha Kepler Weber. Em comunicado enviado ao Banco do Brasil e divulgado na terça-feira pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a múlti informou que a rescisão do contrato de aquisição decorreu do não cumprimento de condições precedentes acordadas entre as partes.

Da fatia que a AGCO pretendia adquirir, 17,45% são de titularidade do Banco de Investimento, subsidiária integral do Banco do Brasil, e 17,48% da Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil. A compra da participação na Kepler Weber, fabricante de silos e equipamentos para armazenagem de grãos que registrou receita de R$ 475,3 milhões em 2016, havia sido anunciada por R$ 578,9 milhões (US$ 185 milhões).

O negócio com a Kepler era encarado como fundamental para a AGCO avançar na América Latina. Em entrevista recente ao Valor ,o diretor de relações com investidores da companhia, Greg Peterson, afirmou que a aquisição de fato permitiria o crescimento da empresa na região. Da receita da americana em 2016, 12,4% teve origem na América do Sul, enquanto 24,4% vieram da América do Norte.

Na ocasião, Peterson disse que o fato de a Kepler ser “muito bem-sucedida no Brasil, com uma linha muito forte de produtos”, ajudaria a AGCO a impulsionar os negócios em outros países da região, sobretudo a Argentina. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já havia aprovado, sem restrições, a transação. Mas a negociação estava sujeita a uma Oferta Pública de Ações (OPA) para aquisição de pelo menos 65% do capital votante da Kepler Weber. A AGCO tinha intenção de fechar o capital da brasileira.

Fonte : Valor Econômico/Bettina Barros e Kauanna Navarro