[ 15/10/2018 ]
Anfavea pleiteia destravamento para a re...

[ 15/10/2018 ]
Produção da indústria automobilística br...

[ 15/10/2018 ]
MINI Cabrio desembarca no Brasil...

[ 15/10/2018 ]
Comércio varejista cresce 1,3%, diz IBGE...

[ 15/10/2018 ]
Mercedes-Benz amplia participação no Sul...

[ 15/10/2018 ]
Ford Ka Sedan: discrição bem-acertada....

[ 15/10/2018 ]
Caminhões VW Delivery saem das linhas co...

[ 15/10/2018 ]
Goodyear lança pneu Urban Max para trans...

[ 15/10/2018 ]
BMW vai pagar 3,6 bilhões de euros por c...

[ 15/10/2018 ]
Ford utilizará grafeno em seus carros...

[ 11/10/2018 ]
Brasil perde US$ 1 bilhão por ano com ba...

[ 11/10/2018 ]
Jaguar Land Rover anuncia paralisação de...

[ 11/10/2018 ]
CAOA Chery lança sedã Arrizo 5 este mês...

[ 11/10/2018 ]
Novo VW Delivery sai de fábrica sob medi...

[ 11/10/2018 ]
Case IH amplia atuação no Paraná...

[ 11/10/2018 ]
Porto Seguro lança consórcio para máquin...

[ 11/10/2018 ]
Goodyear tem novo pneu para aplicação ur...

[ 11/10/2018 ]
Aplicativo indica caminhos para pessoas ...

[ 11/10/2018 ]
Cidade inteligente prevê o fim dos conge...

[ 11/10/2018 ]
Projeto limita emissão de poluentes por ...




 

Data: 17/11/2017

Exportações de autopeças crescem 10,5% no ano
 
A indústria brasileira de autopeças exportou total de US$ 5,41 bilhões nos primeiros nove meses deste ano, o que representou alta de 10,5% em relação aos embarques para o exterior no mesmo período do ano passado. Apesar de o setor ainda registrar déficit no acumulado do ano, de US$ 4,1 bilhões, as importações subiram no período menos do que as exportações.

A compra de autopeças lá fora atingiu US$ 9,51 bilhões, resultado 8,9% superior ao do período janeiro-setembro de 2016, segundo informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços consolidadas pelo Sindipeças. Desde maio, segundo a entidade que representa a indústria de autopeças, o crescimento das exportações do setor supera o das importações quando comparado ao mesmo mês do ano anterior.

Outro dado importante destacado pelo Sindipeças é que há cinco anos as exportações do setor vinham em queda. Esse é o primeiro anos desde 2012 que o desempenho na área é positivo. Até setembro de 2016, por exemplo, a queda acumulada das vendas externas de autopeças atingia 16%.

De acordo com nota da entidade, “além de representar o avanço sustentado das vendas para outros mercados, o desempenho deste ano simboliza o esforço dos fabricantes de autopeças em atender, principalmente no mercado de reposição, estratégia comercial das montadoras brasileiras em prática desde o segundo semestre do ano passado”.

As exportações de autopeças totalizaram US$ 666,3 milhões em setembro, resultado 4,6% inferior ao de agosto mas 22,4% superior ao do mesmo mês de 2016. Do lado das importações, o resultado foi positivo tanto na passagem mensal (12,4%) como na comparação interanual (2,8%).

Dos 180 mercados compradores de autopeças brasileiras, a Argentina continua sendo o principal parceiro do Brasil. As exportações para o país vizinho atingiram US$ 1,67 bilhão até setembro, com crescimento de 23% sobre os primeiros nove meses de 2016. Em segundo lugar vêm os Estados Unidos, com a compra de US$ 893,6 milhões este ano, 11,6% a mais do que no mesmo período do ano passado.

Quanto à origem das nossas importações, a China assumiu o topo desse ranking em agosto, desbancando os Estados Unidos. De janeiro a setembro a China mandou para o Brasil total de US$ 1,14 bilhão em autopeças, 27,9% a mais do que os US$ 890,7 milhões do mesmo período de 2016.

Fonte : AutoIndústria/Alzira Rodrigues