[ 23/2/2018 ]
Volkswagen ajuda fornecedor a retomar ri...

[ 23/2/2018 ]
Processo de eletrificação dos automóveis...

[ 23/2/2018 ]
Rota 2030 trava na Fazenda por impasse s...

[ 23/2/2018 ]
Presidente da Volkswagen afirma que cris...

[ 23/2/2018 ]
Volkswagen se junta a GM e Fiat e admite...

[ 23/2/2018 ]
Emprego com carteira assinada volta, mas...

[ 23/2/2018 ]
Competitividade insatisfatória ameaça o ...

[ 23/2/2018 ]
Honda Fit 2018 ganha itens de segurança...

[ 23/2/2018 ]
Grupo SHC inaugura concessionária Jaguar...

[ 23/2/2018 ]
CNH e Microsoft criam plataforma para má...

[ 22/2/2018 ]
Volvo retoma 2º turno depois de três ano...

[ 22/2/2018 ]
Rota 2030, novo regime automotivo, sai n...

[ 22/2/2018 ]
Ministro-interino do MDIC destaca papel ...

[ 22/2/2018 ]
Volvo estima alta de 30% no mercado de c...

[ 22/2/2018 ]
Setor automotivo: incerteza sobre progra...

[ 22/2/2018 ]
Próxima rodada ainda não fechará acordo ...

[ 22/2/2018 ]
Vendas de cotas de consórcios de automóv...

[ 22/2/2018 ]
Chevrolet Prisma Advantage tem novo visu...

[ 22/2/2018 ]
Bridgestone comemora 11 anos de operação...

[ 22/2/2018 ]
Cummins define passos para o futuro...




 

Data: 6/12/2017

A bordo do caminhão mais vendido do País
 
Modelo indicado para as aplicações rodoviárias de longas distâncias, o Scania R440 já entrou para a história da marca como o seu caminhão mais vendido por aqui. Desde 2012, quando foi lançado, o mercado transportador absorveu até novembro 27.297 unidades, volume que deixa para trás o T113H, até então o veículo mais negociado da marca, com 26.731 emplacamentos enquanto esteve em oferta, de 1991 a 1998.

Embora considerado pela voz das estradas como inquebrável, comparações entre o modelo da década 90 e o R440 só podem se limitar ao desempenho de vendas e a contribuição dos veículos pela participação da marca no mercado. De longe, o caminhão atual entrega muito mais, do conteúdo tecnológico à capacidade de proporcionar eficiência ao transporte de carga.

AutoIndústria esteve cara a cara com o Scania R440 para entender porque o modelo se destaca como o mais emplacado do país. De janeiro a novembro deste ano, 2.572 unidades foram para as rodovias. Nenhum outro caminhão disponível no mercado ameaça sua liderança. Atrás dele, no mesmo patamar, somente o leve Delivery 8.160, da Volkswagen Caminhões e Ônibus, com vendas de 2.155 veículos no acumulado. Tudo indica que até o fim do ano, o pesado da fabricante de São Bernardo do Campo (SP) se consagre como o mais vendido da indústria em 2017.

O contato do AutoIndústria com o R440 foi com uma versão 6×2 dotada de cabine Streamline, conceito da empresa focado em conforto e economia de combustível. O modelo sai de fábrica com para-choques pintados na cor do veículo, traz rádio, GPS, conexão bluetooth, central multimídia e pacote de aerodinâmico representado por defletores de ar que emolduram o habitáculo.

Da maneira com que foi configurada e daí aproveitar todo o potencial do equipamento, a unidade está mais adequada para atuar com semirreboques de três eixos convencionais, para 45 toneladas ou de três eixos espaçados, para 53 toneladas de peso bruto total combinado (PBTC). “Tudo depende da configuração, 4×2, 6×2, 6×4 ou 8×2. O Scania R440 é recomendado para maior parte das aplicações rodoviárias, com baú, sider, carga seca, frigoríficos, tanque, cegonha, bitrem e rodotrem”, conta Ivanovik Marx, engenheiro de produto de pré-vendas da companhia.

Por dentro, o caminhão não decepciona. Percebe-se que o acabamento é cuidadoso, há diversas gavetas e compartimentos para preservar a organização, o motorista encontra facilmente a melhor posição para dirigir com ajustes de bancos e direção e, de acordo com Marx, conta com a cama mais confortável do mercado em virtude do “tamanho e da densidade da espuma”.

O poder para cumprir as tarefas rodoviárias está no motor de 13 litros de 440 cv a 1.900 rpm e torque de 2.300 Nm de 1.000 a 1.300 rpm. Segundo o engenheiro, a concepção do motor foi norteada para proporcionar alto desempenho em baixa rotação, o que se traduz em economia de combustível, afinal, não é preciso afundar o pé no acelerador para ter respostas eficientes. “Em torno de 1.300 rpm, o motor já entrega 420 cv.”

Depois, o caminhão tem caixa automatizada Optcruiser de 14 marchas, duas delas reduzidas. O dispositivo permite trocas automáticas ou manuais, além de três modos de direção: econômica, padrão e potência, esse último para trocas mais rápidas, acima de 1.500 rpm, usado para uma ultrapassagem, por exemplo.

O conjunto ainda traz freio-motor convencional de escape e Retarder de cinco estágios, sistema que atua na caixa de transmissão, aumentando o poder de frenagem, para mais de 1.000 cv. “Atuando de maneira conjugada, Optcruiser, freio-motor e Retarder permite programar a velocidade de descida de uma serra”, diz Rogério Matheus, piloto Master Driver da Scania. “Além da economia de combustível, prolonga a vida útil das lonas de freio.”

Ajuda ainda o motorista o Drive Suport. Diretamente do painel, a inteligência do caminhão informa como o veículo está sendo conduzido, o que permite ao condutor, em tempo real, corrigir eventuais deslizes de direção. Não era o caso da unidade da qual AutoIndústria teve acesso, mas como opcional o R440 pode agregar o chamado Act Cruiser, sistema que memoriza as rotas para que, posteriormente, o veículo possa percorrer o trecho de maneira mais eficiente.

Basta pouco tempo de convívio para o Scania R440 não deixar dúvidas a respeito dos motivos que fazem dele um dos mais preferidos pelo mercado transportador.

Fonte : AutoIndústria/Leal Costa