[ 18/10/2018 ]
Atrito entre Fiat e Ford põe em xeque Ro...

[ 18/10/2018 ]
CNT defende criação de programa nacional...

[ 18/10/2018 ]
Compradores de treze países vão se reuni...

[ 18/10/2018 ]
Superficialidade de Haddad e Bolsonaro f...

[ 18/10/2018 ]
"Prévia do PIB" tem alta de 0,47% em ago...

[ 18/10/2018 ]
Atividade econômica registra terceiro mê...

[ 18/10/2018 ]
VWCO reforça presença no interior paulis...

[ 18/10/2018 ]
Cummins comemora mês da Diversidade e am...

[ 18/10/2018 ]
Venda de automóveis na Europa recua 23% ...

[ 18/10/2018 ]
A nova diretoria da Adefa...

[ 18/10/2018 ]
A nova diretoria da Adefa...

[ 17/10/2018 ]
BNDES aprova R$ 6,7 milhões para estaçõe...

[ 17/10/2018 ]
Média diária na quinzena supera 10,5 mil...

[ 17/10/2018 ]
Bolsonaro quer destravar projetos de inf...

[ 17/10/2018 ]
Exportador teme ações de novo governo...

[ 17/10/2018 ]
Déficit das autopeças cresce 17% este an...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz comemora novas vendas de ô...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz leva o balcão de peças par...

[ 17/10/2018 ]
Continental Pneus lança banda de rodagem...

[ 17/10/2018 ]
Randon Implementos lança em Chapecó nova...




 

Data: 6/12/2017

Chevrolet Onix quebra recordes e confirma a GM na liderança folgada
 
O Chevrolet Onix parece não sentir o peso da idade quando se refere ao desempenho de vendas. Afinal, mesmo já ingressando em seu quinto de mercado, o hatch da General Motors segue batendo recordes depois de recordes e fechará pela terceira vez o ano como o carro mais vendido do Brasil, mesmo sem atualização drástica no seu visual desde que foi apresentado em 2012.

O último resultado suplantado pelo modelo, foi o de vendas mensais. Em novembro, foram licenciadas 18,6 mil unidades do Onix, mais da metade do total negociado pela empresa, que registrou 37,4 mil emplacamentos e 18,9% de participação em automóveis e comerciais leves.

Ao longo de 2017 já foram negociadas 171,1 mil unidades do hatch da Chevrolet, que está mais do que folgado na ponta das vendas. A diferença para o segundo colocado, o Hyundai HB20, é de nada menos do que 74,4 mil unidades, ou vantagem de quase nove meses de vendas se considerada a média mensal do modelo da Hyundai.

Com esses número de seu principal produto e mais o bom desempenho de modelos como o sedã compacto Prisma, com 6 mil unidades vendidas em novembro e mais de 63,2 mil no ano, o que lhe garente a sexta posição entre os modelos mais vendidos no País, a General Motors fechará 2017 mais uma vez na liderança e com margem de sobra.

Nos onze primeiros meses, foram licenciados 356,7 mil automóveis e comerciais leves Chevrolet, equivalentes a 18,1% do mercado interno. A segunda marca mais vendida, a Fiat, 13,4% de participação, quase cinco pontos porcentuais a menos.

A diferença em unidades deixa ainda mais explícita o verdadeiro passeio da General Motors em 2017: são 92 mil veículos a mais. Para se ter idéia do que isso representa: a Jeep, nona marca mais negociada e também pertencente à FCA, grupo da Fiat, vendeu 79,7 mil veículos no período.

Novembro foi o 26º mês consecutivo da GM na liderança do mercado. A montadora também comemora o fato de ser a marca, entre as de maior presença, que mais cresceu em participação em 2017. Enquanto a evolução do mercado brasileiro ficou em 10% no acumulado de janeiro a novembro, a Chevrolet registrou 15,6% de crescimento.

Fonte : AutoIndústria/George Guimarães