[ 15/12/2017 ]
"Carro único" para Brasil e Argentina po...

[ 15/12/2017 ]
Cresce a procura por consórcio de veícul...

[ 15/12/2017 ]
Governo reduz a zero imposto de importaç...

[ 15/12/2017 ]
Montadora chinesa chega a Anápolis e vai...

[ 15/12/2017 ]
Superávit comercial deve cair a US$ 50,3...

[ 15/12/2017 ]
Dados da Fenabrave registram um crescime...

[ 15/12/2017 ]
Ford Caminhões projeta mercado maior em ...

[ 15/12/2017 ]
CAOA Montadora assina parceria com a SAE...

[ 15/12/2017 ]
Volkswagen reconhece apoio à ditadura so...

[ 15/12/2017 ]
Peças genuínas DAF e multimarcas TRP tem...

[ 14/12/2017 ]
JAC Motors implantará nova montadora em ...

[ 14/12/2017 ]
Rota 2030 deve exigir aumento de 12% na ...

[ 14/12/2017 ]
Setor de autopeças prevê crescimento sus...

[ 14/12/2017 ]
Dados positivos do varejo de São Paulo...

[ 14/12/2017 ]
Programa de incentivo desagrada às monta...

[ 14/12/2017 ]
Crédito e renda devem impulsionar a expa...

[ 14/12/2017 ]
Novo Toyota Camry desembarca no País...

[ 14/12/2017 ]
Volkswagen Amarok V6 Highline esgota pré...

[ 14/12/2017 ]
Renault entrega vinte veículos elétricos...

[ 14/12/2017 ]
Revisão do carro antes das férias é fund...




 

Data: 6/12/2017

Cade investiga cartel no mercado de autopeças
 
A superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu um processo administrativo para investigar a prática de cartel nos mercados de reposição de peças automotivas e no de venda de peças originais.

Segundo informou o Cade ontem, segunda-feira (4), o suposto conluio teria afetado a distribuição das seguintes peças automotivas: pistões de motor, bronzinas, camisas, pinos, bielas, porta anéis, anéis e juntas de vedação e anéis de pistões de motor.

As três fabricantes investigadas são: Federal Mogul Sistemas Automotivos Ltda; Mahle Metal Leve S/A; e KSPG Automotive Brazil. O G1 pediu um posicionamento para a Federal Mogul e para Mahle Metal Leve e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. Também buscava contato com a KSPG.

De acordo com a nota do Cade, há evidências de que as fabricantes acordaram preços e condições comerciais nas vendas, combinando percentuais e datas de reajustes. Com relação às peças originais, as empresas são acusadas de dividir clientes e terem combinado preços e condições comerciais.

Segundo a superintendência, as práticas teriam sido implementadas, por meio de reuniões presenciais e contatos telefônicos e por e-mail, entre 2004 e maio de 2012, envolvendo pelo menos 26 pessoas ligadas às empresas.

Com a abertura do processo, os acusados serão notificados para apresentarem suas defesas.

Fonte : Portal G1/Laís Lis