[ 23/2/2018 ]
Volkswagen ajuda fornecedor a retomar ri...

[ 23/2/2018 ]
Processo de eletrificação dos automóveis...

[ 23/2/2018 ]
Rota 2030 trava na Fazenda por impasse s...

[ 23/2/2018 ]
Presidente da Volkswagen afirma que cris...

[ 23/2/2018 ]
Volkswagen se junta a GM e Fiat e admite...

[ 23/2/2018 ]
Emprego com carteira assinada volta, mas...

[ 23/2/2018 ]
Competitividade insatisfatória ameaça o ...

[ 23/2/2018 ]
Honda Fit 2018 ganha itens de segurança...

[ 23/2/2018 ]
Grupo SHC inaugura concessionária Jaguar...

[ 23/2/2018 ]
CNH e Microsoft criam plataforma para má...

[ 22/2/2018 ]
Volvo retoma 2º turno depois de três ano...

[ 22/2/2018 ]
Rota 2030, novo regime automotivo, sai n...

[ 22/2/2018 ]
Ministro-interino do MDIC destaca papel ...

[ 22/2/2018 ]
Volvo estima alta de 30% no mercado de c...

[ 22/2/2018 ]
Setor automotivo: incerteza sobre progra...

[ 22/2/2018 ]
Próxima rodada ainda não fechará acordo ...

[ 22/2/2018 ]
Vendas de cotas de consórcios de automóv...

[ 22/2/2018 ]
Chevrolet Prisma Advantage tem novo visu...

[ 22/2/2018 ]
Bridgestone comemora 11 anos de operação...

[ 22/2/2018 ]
Cummins define passos para o futuro...




 

Data: 6/12/2017

Cade investiga cartel no mercado de autopeças
 
A superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu um processo administrativo para investigar a prática de cartel nos mercados de reposição de peças automotivas e no de venda de peças originais.

Segundo informou o Cade ontem, segunda-feira (4), o suposto conluio teria afetado a distribuição das seguintes peças automotivas: pistões de motor, bronzinas, camisas, pinos, bielas, porta anéis, anéis e juntas de vedação e anéis de pistões de motor.

As três fabricantes investigadas são: Federal Mogul Sistemas Automotivos Ltda; Mahle Metal Leve S/A; e KSPG Automotive Brazil. O G1 pediu um posicionamento para a Federal Mogul e para Mahle Metal Leve e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. Também buscava contato com a KSPG.

De acordo com a nota do Cade, há evidências de que as fabricantes acordaram preços e condições comerciais nas vendas, combinando percentuais e datas de reajustes. Com relação às peças originais, as empresas são acusadas de dividir clientes e terem combinado preços e condições comerciais.

Segundo a superintendência, as práticas teriam sido implementadas, por meio de reuniões presenciais e contatos telefônicos e por e-mail, entre 2004 e maio de 2012, envolvendo pelo menos 26 pessoas ligadas às empresas.

Com a abertura do processo, os acusados serão notificados para apresentarem suas defesas.

Fonte : Portal G1/Laís Lis