[ 22/5/2018 ]
Financiamento de carro tem alta de quase...

[ 22/5/2018 ]
Produção de ônibus cresce 53%...

[ 22/5/2018 ]
IPI dos veículos seguirá baseado na capa...

[ 22/5/2018 ]
Burocracia trava comércio exterior...

[ 22/5/2018 ]
Consumo brasileiro de aço mantém ritmo d...

[ 22/5/2018 ]
Consumo de gás natural aumenta 9% no tri...

[ 22/5/2018 ]
Volvo Cars amplia rede e anuncia cinco n...

[ 22/5/2018 ]
Sem avanço nas negociações, greve contin...

[ 22/5/2018 ]
Volkswagen Gol e Voyage chegam à linha 2...

[ 22/5/2018 ]
Paralisação de caminhoneiros contra alta...

[ 21/5/2018 ]
CEO da Volkswagen expõe apreensão com o ...

[ 21/5/2018 ]
Negociação sobre carros avança entre UE ...

[ 21/5/2018 ]
Trabalhador volta a ter força no berço d...

[ 21/5/2018 ]
Retomada econômica será a mais lenta da ...

[ 21/5/2018 ]
RenovaBio ainda enfrenta divergência qua...

[ 21/5/2018 ]
Volvo amplia capacidades de seus caminhõ...

[ 21/5/2018 ]
XC60 equaciona luxo, desempenho e tecnol...

[ 21/5/2018 ]
Fiat deixará de fabricar carros para mer...

[ 21/5/2018 ]
Uruguai possui trajeto completo de bomba...

[ 21/5/2018 ]
Volkswagen abre inscrições para o "Talen...




 

Data: 6/12/2017

Cade investiga cartel no mercado de autopeças
 
A superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu um processo administrativo para investigar a prática de cartel nos mercados de reposição de peças automotivas e no de venda de peças originais.

Segundo informou o Cade ontem, segunda-feira (4), o suposto conluio teria afetado a distribuição das seguintes peças automotivas: pistões de motor, bronzinas, camisas, pinos, bielas, porta anéis, anéis e juntas de vedação e anéis de pistões de motor.

As três fabricantes investigadas são: Federal Mogul Sistemas Automotivos Ltda; Mahle Metal Leve S/A; e KSPG Automotive Brazil. O G1 pediu um posicionamento para a Federal Mogul e para Mahle Metal Leve e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. Também buscava contato com a KSPG.

De acordo com a nota do Cade, há evidências de que as fabricantes acordaram preços e condições comerciais nas vendas, combinando percentuais e datas de reajustes. Com relação às peças originais, as empresas são acusadas de dividir clientes e terem combinado preços e condições comerciais.

Segundo a superintendência, as práticas teriam sido implementadas, por meio de reuniões presenciais e contatos telefônicos e por e-mail, entre 2004 e maio de 2012, envolvendo pelo menos 26 pessoas ligadas às empresas.

Com a abertura do processo, os acusados serão notificados para apresentarem suas defesas.

Fonte : Portal G1/Laís Lis