[ 16/8/2018 ]
Linhares terá montadora de automóveis...

[ 16/8/2018 ]
Decreto vai regulamentar incentivo para ...

[ 16/8/2018 ]
No mercado de usados, só os pesados têm ...

[ 16/8/2018 ]
Com capacidade no limite, Hyundai chega ...

[ 16/8/2018 ]
Atividade econômica recua 0,99% no segun...

[ 16/8/2018 ]
Camex zera tarifa de máquinas e equipame...

[ 16/8/2018 ]
Produção de motos sobe 34,7% em julho, d...

[ 16/8/2018 ]
Mercado mundial de veículos cresceu 3,6%...

[ 16/8/2018 ]
Cuidados na volta das férias...

[ 16/8/2018 ]
Caminhoneiros podem fazer check-up gratu...

[ 16/8/2018 ]
Ford apresenta novo veículo em feira de ...

[ 15/8/2018 ]
Novo veículo compacto global da Volks de...

[ 15/8/2018 ]
Com capacidade no limite, Hyundai chega ...

[ 15/8/2018 ]
Scania incorpora nova maneira de vender ...

[ 15/8/2018 ]
Iochpe-Maxion reforça estratégia de inte...

[ 15/8/2018 ]
Vendas especiais para o público PCD disp...

[ 15/8/2018 ]
SUVs e hatches pequenos continuam ganhan...

[ 15/8/2018 ]
Brasil ganha nova geração do Porsche Cay...

[ 15/8/2018 ]
Tratores da Case IH serão entregues a pe...

[ 15/8/2018 ]
Aprenda a trocar os limpadores de para-b...




 

Data: 6/12/2017

Cade investiga cartel no mercado de autopeças
 
A superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu um processo administrativo para investigar a prática de cartel nos mercados de reposição de peças automotivas e no de venda de peças originais.

Segundo informou o Cade ontem, segunda-feira (4), o suposto conluio teria afetado a distribuição das seguintes peças automotivas: pistões de motor, bronzinas, camisas, pinos, bielas, porta anéis, anéis e juntas de vedação e anéis de pistões de motor.

As três fabricantes investigadas são: Federal Mogul Sistemas Automotivos Ltda; Mahle Metal Leve S/A; e KSPG Automotive Brazil. O G1 pediu um posicionamento para a Federal Mogul e para Mahle Metal Leve e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. Também buscava contato com a KSPG.

De acordo com a nota do Cade, há evidências de que as fabricantes acordaram preços e condições comerciais nas vendas, combinando percentuais e datas de reajustes. Com relação às peças originais, as empresas são acusadas de dividir clientes e terem combinado preços e condições comerciais.

Segundo a superintendência, as práticas teriam sido implementadas, por meio de reuniões presenciais e contatos telefônicos e por e-mail, entre 2004 e maio de 2012, envolvendo pelo menos 26 pessoas ligadas às empresas.

Com a abertura do processo, os acusados serão notificados para apresentarem suas defesas.

Fonte : Portal G1/Laís Lis