[ 18/10/2018 ]
Atrito entre Fiat e Ford põe em xeque Ro...

[ 18/10/2018 ]
CNT defende criação de programa nacional...

[ 18/10/2018 ]
Compradores de treze países vão se reuni...

[ 18/10/2018 ]
Superficialidade de Haddad e Bolsonaro f...

[ 18/10/2018 ]
"Prévia do PIB" tem alta de 0,47% em ago...

[ 18/10/2018 ]
Atividade econômica registra terceiro mê...

[ 18/10/2018 ]
VWCO reforça presença no interior paulis...

[ 18/10/2018 ]
Cummins comemora mês da Diversidade e am...

[ 18/10/2018 ]
Venda de automóveis na Europa recua 23% ...

[ 18/10/2018 ]
A nova diretoria da Adefa...

[ 18/10/2018 ]
A nova diretoria da Adefa...

[ 17/10/2018 ]
BNDES aprova R$ 6,7 milhões para estaçõe...

[ 17/10/2018 ]
Média diária na quinzena supera 10,5 mil...

[ 17/10/2018 ]
Bolsonaro quer destravar projetos de inf...

[ 17/10/2018 ]
Exportador teme ações de novo governo...

[ 17/10/2018 ]
Déficit das autopeças cresce 17% este an...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz comemora novas vendas de ô...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz leva o balcão de peças par...

[ 17/10/2018 ]
Continental Pneus lança banda de rodagem...

[ 17/10/2018 ]
Randon Implementos lança em Chapecó nova...




 

Data: 6/12/2017

Cade investiga cartel no mercado de autopeças
 
A superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu um processo administrativo para investigar a prática de cartel nos mercados de reposição de peças automotivas e no de venda de peças originais.

Segundo informou o Cade ontem, segunda-feira (4), o suposto conluio teria afetado a distribuição das seguintes peças automotivas: pistões de motor, bronzinas, camisas, pinos, bielas, porta anéis, anéis e juntas de vedação e anéis de pistões de motor.

As três fabricantes investigadas são: Federal Mogul Sistemas Automotivos Ltda; Mahle Metal Leve S/A; e KSPG Automotive Brazil. O G1 pediu um posicionamento para a Federal Mogul e para Mahle Metal Leve e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. Também buscava contato com a KSPG.

De acordo com a nota do Cade, há evidências de que as fabricantes acordaram preços e condições comerciais nas vendas, combinando percentuais e datas de reajustes. Com relação às peças originais, as empresas são acusadas de dividir clientes e terem combinado preços e condições comerciais.

Segundo a superintendência, as práticas teriam sido implementadas, por meio de reuniões presenciais e contatos telefônicos e por e-mail, entre 2004 e maio de 2012, envolvendo pelo menos 26 pessoas ligadas às empresas.

Com a abertura do processo, os acusados serão notificados para apresentarem suas defesas.

Fonte : Portal G1/Laís Lis