[ 20/7/2018 ]
Itaú Unibanco firma parceria com Jaguar ...

[ 20/7/2018 ]
Indústria de autopeças reduz ritmo de cr...

[ 20/7/2018 ]
Déficit comercial atinge US$ 2,8 bilhões...

[ 20/7/2018 ]
Em Minas, setor automotivo espera impuls...

[ 20/7/2018 ]
Pedágios podem subir para compensar eixo...

[ 20/7/2018 ]
Inovação é peça-chave da IVECO no segmen...

[ 20/7/2018 ]
Dois SUVs médios com preços incríveis...

[ 20/7/2018 ]
Hyundai Creta chega à linha 2019 mais ca...

[ 19/7/2018 ]
Queda de exportações faz Volkswagen dar ...

[ 19/7/2018 ]
BMW e EDP criam o maior corredor elétric...

[ 19/7/2018 ]
Crédito de exportação do setor automotiv...

[ 19/7/2018 ]
Encontro entre Mercosul e UE fica sem ac...

[ 19/7/2018 ]
Europa anuncia tarifa para importação de...

[ 19/7/2018 ]
Volkswagen novo Polo MSI e Virtus MSI ga...

[ 19/7/2018 ]
Fiat Argo 2019 ganha novos itens de séri...

[ 19/7/2018 ]
Fiat renova parceria com Inhotim...

[ 19/7/2018 ]
Estratégia da Mercedes-Benz para e-mobil...

[ 19/7/2018 ]
Congresso Fenabrave: os novos desafios d...

[ 18/7/2018 ]
Brasil puxa expansão global da Volkswage...

[ 18/7/2018 ]
Mercosul propõe reduzir taxas para carro...




 

Data: 14/12/2017

Dados positivos do varejo de São Paulo
 
Em setembro houve uma recuperação disseminada do faturamento real do varejo paulista, segundo a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista do Estado de São Paulo, da FecomercioSP. Divulgada às vésperas da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do IBGE, com dados de outubro menos favoráveis, a mostra da FecomercioSP revelou otimismo.

A partir de números oficiais da Secretaria da Fazenda do Estado, o levantamento da FecomercioSP mostrou um avanço real das vendas de 6,4% entre setembro de 2016 e setembro de 2017. O porcentual cresceu em relação ao aumento de 4,4% registrado entre os primeiros nove meses de 2016 e de 2017 e de 3,7% na comparação em 12 meses.

Entre os meses de setembro de 2016 e de 2017, a alta foi liderada pelo segmento de farmácias e perfumarias, que cresceu 11,6%. Mas também foi muito forte em autopeças e acessórios (+9,1%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamento (+8,2%) e vestuário, tecidos e calçados (+8,2%).

Outro segmento com peso relevante, o de supermercados, avançou 5,7%. O faturamento real do varejo paulista em setembro foi de R$ 51,3 bilhões; um terço desse valor (R$ 17,6 bilhões) provém dos supermercados.

A recomposição das vendas varejistas do Estado foi possível graças aos avanços registrados no combate à inflação e na melhora do emprego e do crédito, segundo os analistas da FecomercioSP. Sem isso, não teria sido possível a recuperação do comércio de bens duráveis, que chegara a cair 30% reais no auge da recessão iniciada em 2014 e teve, agora, peso marcante na retomada.

A pesquisa engloba todos os municípios paulistas e mostrou maior dinamismo no comércio do interior do Estado, beneficiado pela elevação da produção e da renda agrícolas. Na capital, o faturamento real aumentou menos: 4,3% entre setembro de 2016 e setembro de 2017. A entidade do varejo projeta um crescimento das vendas ao redor de 5% entre 2016 e 2017.

Para 2018, o prognóstico do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), abrangendo todo o País, é de que o consumo das famílias deverá aumentar 3,9%, sendo mais forte no terceiro trimestre, às vésperas do pleito presidencial. Tanto a população empregada como a renda real efetiva média deverão crescer, segundo o Ibre.

Fonte : O Estado de S. Paulo