[ 26/4/2018 ]
Ford inicia produção de motor 1.5 de 3 c...

[ 26/4/2018 ]
GM aposta em veículos de baixo custo no ...

[ 26/4/2018 ]
“Solução intermediária” para Rota 2030 d...

[ 26/4/2018 ]
Financiamentos de veículos não acompanha...

[ 26/4/2018 ]
Manufatura avançada altera perfil profis...

[ 26/4/2018 ]
Desvalorização do real prejudica a recup...

[ 26/4/2018 ]
Preço do diesel cai em março...

[ 26/4/2018 ]
Ford acelera corte de custos e vai desis...

[ 26/4/2018 ]
Rota do desperdício...

[ 26/4/2018 ]
Bebida alcoólica só no porta-malas...

[ 25/4/2018 ]
Rota 2030 vai ter fórmula híbrida...

[ 25/4/2018 ]
Montadoras vão ter Lei do Bem “turbinada...

[ 25/4/2018 ]
Setor automotivo defende conteúdo local ...

[ 25/4/2018 ]
Recuperação gradual do emprego formal...

[ 25/4/2018 ]
Anfavea garante que o Rota 2030 está em ...

[ 25/4/2018 ]
New Holland apresenta novo trator movido...

[ 25/4/2018 ]
JAC lança automático...

[ 25/4/2018 ]
É golpe: montadoras alertam para falsos ...

[ 25/4/2018 ]
Grupo PSA registra recorde de vendas no ...

[ 25/4/2018 ]
Chinesa Didi projeta carro autônomo...




 

Data: 15/12/2017

Governo reduz a zero imposto de importação de 1.116 itens sem produção nacional
 
Resoluções da Câmara de Comércio Exterior (Camex) publicadas no "Diário Oficial da União" da última quinta-feira (14) reduziram de 16% e 14% para zero o imposto de importação de 1.116 máquinas e equipamentos industriais sem produção no Brasil, informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Segundo o governo, as reduções tarifárias são temporárias, e as importações sem tarifas podem ser feitas até 30 de junho de 2019.

O MDIC informou que as empresas do país informaram que os equipamentos serão utilizados em projetos que representam novos investimentos no valor de US$ 2,41 bilhões.

Os principais setores contemplados em relação aos novos investimentos serão automotivo, eletroeletrônico e bens de capital.

Entre os principais projetos beneficiados estão a melhoria de qualidade e produtividade no processo produtivo de uma fábrica de automóveis; a produção local de smartphones, e a expansão de fábricas de painéis fotovoltaicos, informou o ministério.

O governo lembrou que o regime de "ex-tarifário" consiste na redução temporária da alíquota do Imposto de Importação de bens de capital (BK) e de informática e telecomunicação (BIT), que estão na Tarifa Externa Comum do Mercosul (TEC), quando não houver a produção nacional equivalente.

Segundo explicou o MDIC, isso representa uma "redução no custo do investimento e produz um efeito multiplicador de emprego e renda sobre segmentos diferenciados da economia nacional".

Fonte : Portal G1