[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 9/2/2018

Venda de veículos importados cresce 24,5% em janeiro
 
As dezessete marcas filiadas à Abeifa (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores), com licenciamento de 2.422 unidades, anotaram em janeiro de 2018 alta de 24,5% ante igual período de 2017, quando foram vendidas 1.945 unidades importadas, desempenho que marcou o pior janeiro dos últimos sete anos.

No entanto, em relação a dezembro último, o resultado do mês passado é 27,1% inferior. Em dezembro de 2017 foram comercializadas 3.324 unidades contra 2.422 veículos importados em janeiro.

“Na semana passada, o MDIC divulgou estatísticas mostrando que as importações de veículos automotores cresceram 58% em valores, quando, em unidades, nós crescemos 24,5% sobre janeiro de 2017 representando apenas 11,77% do total de veículos importados. Nota-se que, a grande maioria dos veículos importados veio por meio das próprias montadoras. Fechamos o mês de janeiro com apenas 1,3% do mercado interno”, analisa José Luiz Gandini, presidente da Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores. “Na realidade, em janeiro deste ano, em comparação a dezembro último, nós caímos 27,1%”, complementa.

Segundo Gandini, “agora, embora tenhamos isonomia tributária e sem cotas limitadoras, aos importadores fica muito difícil trazer carros de alto volume, os chamados carros mais populares, até porque a indústria local tem ofertas muito competitivas. Com o dólar no patamar de R$ 3,30, aos importadores fica quase impossível atuar fora de nicho de mercado”.

Quando á implementação do Rota 2030, Gandini reafirma que “concorda com o Governo que o setor precisa ter política industrial e aguarda a publicação, lógico respeitando sempre a isonomia tributária, sem contrariar a OMC”.

Participações

Em janeiro último, com 3.964 unidades licenciadas (importados + produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,26% do mercado total de autos e comerciais leves (175.554 unidades).

Se for considerado o total de veículos importados, ou seja aqueles trazidos também pelas montadoras, as associadas à Abeifa responderam, em dezembro, por 11,77% (2.422 unidades, do total de 20.575 unidades importadas).

Produção local

Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki fecharam o mês de janeiro com 1.542 unidades emplacadas, total que representou alta de 58,5% em relação a janeiro de 2017. Comparado a dezembro de 2017, a queda é de 20,7%, quando foram emplacadas 1.944 unidades nacionais.

Fonte : Folha do ABC