[ 12/11/2018 ]
Temer assina decreto que regulamenta o R...

[ 12/11/2018 ]
No Salão do Automóvel a mobilidade está ...

[ 12/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas no Brasil s...

[ 12/11/2018 ]
Setor automotivo sai enfraquecido da bat...

[ 12/11/2018 ]
Economia dá sinais de recuperação após a...

[ 12/11/2018 ]
Em momento "decisivo", UE pedirá concess...

[ 12/11/2018 ]
Receita do Grupo Randon cresce 45,3% no ...

[ 12/11/2018 ]
MME publica cronograma para elevar mistu...

[ 12/11/2018 ]
Volkswagen Gol GTi completa 30 anos...

[ 12/11/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus comemora 2...

[ 9/11/2018 ]
Montadoras rumo aos 3 milhões de veículo...

[ 9/11/2018 ]
Anfavea apoia proposta de criação do Min...

[ 9/11/2018 ]
Rota 2030 ganha aprovação "relâmpago"...

[ 9/11/2018 ]
Senado dá recados e cobra interlocução d...

[ 9/11/2018 ]
Recursos para compra de veículos superam...

[ 9/11/2018 ]
Governo estuda transição para fim da sub...

[ 9/11/2018 ]
Metalúrgicos do ABC: “Rota 2030 não é po...

[ 9/11/2018 ]
Montadoras anunciam descontos de até R$ ...

[ 9/11/2018 ]
Ford compra startup de patinete elétrico...

[ 9/11/2018 ]
Tesla nomeia substituta de Elon Musk na ...




 

Data: 9/2/2018

Etanol tenta se integrar ao carro elétrico
 
Com a intenção do governo de reduzir ou até zerar impostos para carros elétricos e híbridos, a ser oficializada nas próximas semanas, montadoras, autopeças e universidades brasileiras vão intensificar estudos para colocar o etanol como fonte de geração de energia para baterias.

A ideia é juntar as tecnologias e desenvolver carros híbridos flex, para que a energia da bateria seja gerada pelo etanol. Outra solução é usar o etanol para gerar o oxigênio da célula de combustível que se converte em energia.

O argumento é que é uma solução mais viável e mais barata que o carro totalmente elétrico para atender diretrizes contra o aumento da temperatura global da terra – o efeito estufa. Também seria uma ponte até que a tecnologia de modelos 100% elétricos se torne mais acessível, pois o preço atualmente é elevado.

A Toyota prepara, para este trimestre, testes com um Prius híbrido a etanol num percurso de São Paulo a Brasília. O modelo é uma adaptação feita pelos engenheiros do Brasil no carro importado do Japão, que usa gasolina para gerar a eletricidade.

“O Brasil tem de liderar o desenvolvimento dessa tecnologia, ainda que precisemos de ajuda da matriz para concretizá-la”, diz Ricardo Bastos, diretor da Toyota. O percurso de mil quilômetros será feito por técnicos da montadora e de universidades, que vão avaliar o comportamento do carro em situação real. O projeto tem parceria da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica).

A montadora tem intenção de produzir no País o Prius, hoje vendido a R$ 120 mil, mas afirma ser necessário escala de produção que viabilize investimentos. Ele também aguarda a definição da política do governo para carros verdes.

Segundo Bastos, a solução que surgir do teste com o Prius poderá ser estendida a outros carros da marca, como Corolla e modelos de luxo da Lexus.

A Nissan testou no País, no ano passado, um utilitário a célula de combustível usando etanol misturado à água como gerador da eletricidade. O resultado do teste feito com um NV200, produzido na Espanha, foi enviado à matriz do grupo para avaliar sua viabilidade econômica.

A defesa do etanol tem por base estudos, inclusive internacionais, mostrando que, se for levado em conta o ciclo completo de produção ou geração dos vários combustíveis, o etanol da cana emite menos gases de efeito estufa até mesmo se comparado ao carro 100% elétrico, caso a energia seja gerada por material não reciclável, como carvão (ver quadro).

“O carro elétrico tem emissão zero quando se mede apenas o que sai do escapamento, mas, dependendo do material ou do processo para gerar a energia, o resultado pode ser ineficiente”, afirma o engenheiro Ricardo Abreu, diretor de tecnologia da Mahle.

Para ele, o melhor caminho para o Brasil é a hibridização usando combustível renovável (etanol e biocombustível) como ponte até a eletrificação que, diz ele, levará décadas para ser consumada. “Os países estão optando pela eletricidade porque não têm biocombustíveis, e isso não faz sentido para nós”.

Ele lembra ainda que o Brasil já tem infraestrutura para a distribuição do etanol, enquanto para a eletricidade seriam necessários altos investimentos na instalação de pontos de recarga rápida por todo o País.

Híbrido

O professor Francisco Nigro, do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da USP, e vários especialistas defendem uma combinação de tecnologias envolvendo motor de combustão interna, combustíveis renováveis e elétricos, pois todos vão conviver por décadas.

“É uma bobagem dizer que o Brasil ficará para trás tecnologicamente se não acompanhar os países desenvolvidos na eletrificação”, diz Nigro. “Quando essa tecnologia ficar barata e competitiva, nós vamos adotá-la. O que precisamos fazer é aproveitar da melhor maneira possível o que temos, e não simplesmente copiar os outros”, afirma.

“Ainda que carros elétricos se mostrem como a melhor opção para outros países, o etanol tem se mostrado como solução viável para o Brasil”, defende João Emílio Gonçalves, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo dados internacionais, a frota mundial de elétricos e híbridos é de cerca de 3 milhões de veículos. A previsão é que até 2030 chegue a 140 milhões, ou 10% da frota.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Cleide Silva