[ 20/2/2018 ]
Exportações da MAN Latin America alcança...

[ 20/2/2018 ]
Acordo Mercosul-UE provoca alerta entre ...

[ 20/2/2018 ]
Jacto, fabricante de máquinas agrícolas,...

[ 20/2/2018 ]
Petrobras passa a divulgar preço médio n...

[ 20/2/2018 ]
Nível de emprego na indústria cai 0,04% ...

[ 20/2/2018 ]
Segmento de transportes cresce 2,3% em 2...

[ 20/2/2018 ]
Atos contra Previdência em SP param banc...

[ 20/2/2018 ]
Setor automotivo global recebe apoio do ...

[ 20/2/2018 ]
Filho de Jack Brabham anuncia criação de...

[ 20/2/2018 ]
De olho no futuro, montadoras adotam sis...

[ 19/2/2018 ]
Renault prolonga gestão de Ghosn por mai...

[ 19/2/2018 ]
Compra da Chery pela Caoa abre novas pos...

[ 19/2/2018 ]
Montadoras desafiam acordo com a Argenti...

[ 19/2/2018 ]
Macri encontra “jeitinho inteligente” pa...

[ 19/2/2018 ]
Chevrolet confirma a chegada do elétrico...

[ 19/2/2018 ]
Veículos Iveco, com motores FPT Industri...

[ 19/2/2018 ]
Ford Focus atual se aproxima do fim de s...

[ 19/2/2018 ]
Cummins Brasil celebra início da 5ª Turm...

[ 19/2/2018 ]
Carro do futuro desafia grandes líderes ...

[ 19/2/2018 ]
Estado americano quer cobrar taxa de elé...




 

Data: 14/2/2018

Governo Temer trava programa automotivo e montadoras ameaçam deixar o País
 
A indefinição do governo Temer para aprovar novas regras para a indústria automobilística coloca o setor em risco, e montadoras dizem que podem rever planos de investimentos e, em último caso, abandonar o país, levando para fora os postos de trabalho. O programa Inovar Auto vigorou até o ano passado, e o seu substituto, batizado de Rota 2030, ainda não saiu do papel.

Como o anterior, o Rota 2030 prevê a redução de impostos para o setor em troca de um plano de inovação, que inclui a nacionalização de etapas da produção, com a criação de novas vagas, além de ganhos de eficiência em consumo, emissão de poluentes e segurança para os veículos.

Para o presidente do recém-criado Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento (TID-Brasil), Rafael Marques, o Inovar Auto foi fundamental porque "estancou a sangria de importados" e as montadoras trouxeram novas fábricas para o Brasil.

Ele cita como exemplo que, sem que sejam definidas as novas regras, a BMW já anunciou que deve deixar o Brasil. A Ford, que negocia com a matriz norte-americana a ampliação da produção por aqui, pode rever o rumo dos investimentos. "Estamos pressionando para que isso saia, não no primeiro semestre, mas que saia neste mês de fevereiro ainda”, disse Rafael ao repórter André Gianocari, para o Seu Jornal, da TVT.

Desde que chegou ao Brasil, nos anos 1960, a indústria automobilística cresceu com iniciativas conjuntas dos setores público e privado. Marques espera que o Rota 2030 adote a linha do programa anterior, mas aprofunde ainda mais a internalização das etapas de produção, principalmente a ferramentaria.

"Você não tem só o emprego quando se monta (o veículo). Tem emprego e tecnologia na concepção do modelo. Então, o setor de ferramentaria é a primeira etapa, uma etapa importantíssima”, diz Rafael que defende que o país crie empregos mais qualificados.

O coordenador da subseção do Dieese no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Luís Paulo Bresciani, também acredita que a implementação de um novo programa automotivo "é importante do ponto de vista de sinalizar a manutenção de investimentos, especialmente em novos produtos e fortalecimento da cadeia de autopeças", e prevê que o Rota 2030 pode contribuir com crescimento de 3% a 4% nos postos de trabalho nos próximos anos.

Fonte : Rede Brasil Atual