[ 17/10/2018 ]
BNDES aprova R$ 6,7 milhões para estaçõe...

[ 17/10/2018 ]
Média diária na quinzena supera 10,5 mil...

[ 17/10/2018 ]
Bolsonaro quer destravar projetos de inf...

[ 17/10/2018 ]
Exportador teme ações de novo governo...

[ 17/10/2018 ]
Déficit das autopeças cresce 17% este an...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz comemora novas vendas de ô...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz leva o balcão de peças par...

[ 17/10/2018 ]
Continental Pneus lança banda de rodagem...

[ 17/10/2018 ]
Randon Implementos lança em Chapecó nova...

[ 17/10/2018 ]
Fábrica da Volkswagen em São Carlos cele...

[ 16/10/2018 ]
Venda de carros desacelera em 2019...

[ 16/10/2018 ]
Vendas diretas já respondem por quase a ...

[ 16/10/2018 ]
Incerteza política derruba Brasil em ran...

[ 16/10/2018 ]
Acionistas não desistirão do Brasil, diz...

[ 16/10/2018 ]
Justiça suspende instalação de placas pa...

[ 16/10/2018 ]
Anistia de multas pode ser votada hoje n...

[ 16/10/2018 ]
Hatches pequenos e SUVS dominam o mercad...

[ 16/10/2018 ]
Venda de automóveis na China sofre a mai...

[ 16/10/2018 ]
Ford Europa inicia produção da van elétr...

[ 16/10/2018 ]
Scania na Fetranslog: vivenciando os ben...




 

Data: 12/3/2018

Nissan negocia postos de recarga de energia para abastecer o Leaf
 
A Nissan, marca líder em vendas de carros elétricos no mundo, negocia com empresas geradoras e distribuidoras de energia de vários Estados brasileiros a instalação de postos de recarga para garantir o abastecimento do novo Leaf, modelo 100% movido a eletricidade que chegará ao País em 2019.

A infraestrutura é um dos itens que pode definir a demanda pelo modelo que também será vendido em outros sete países da América Latina. Outro item é o preço. Hoje, o carro custaria cerca de R$ 220 mil, calcula o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva.

“Inicialmente será um nicho de mercado, mas gostaríamos de chegar a um preço próximo de um modelo similar (a combustão)”, diz Silva, para quem a redução da alíquota do IPI, hoje de 25%, seria importante.

A decisão de reduzir o imposto para elétricos e híbridos está nas mãos do governo, assim como o anúncio do novo regime automotivo, o Rota 2030. Ambos foram prometidos para fevereiro, mas estão travados.

A Nissan também estuda lançar uma versão do utilitário Kicks híbrido (com motor a combustão e bateria), além de realizar, ainda este ano, novos testes com um protótipo a célula de combustível, cujo hidrogênio é gerado por etanol.

Autônomo

Ontem a Nissan apresentou em São Paulo as tecnologias futuras que desenvolve globalmente, especialmente para carros autônomos.

O grupo tem uma equipe que visita os países, incluindo o Brasil, para identificar a cultura local do trânsito. O objetivo, explica a cientista Melissa Cefkin, é prover a inteligência artificial dos carros autônomos para agirem de acordo com a situação local e tomar decisões, sobretudo em emergências.

Ver carros sem motoristas nas ruas brasileiras, porém, vai demorar. Silva diz que, no Japão, onde já ocorrem testes, a previsão de lançamento é 2022. “No Brasil, vai demorar mais 10 a 15 anos”.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Cleide Silva