[ 16/1/2019 ]
Produção de picapes marca início da parc...

[ 16/1/2019 ]
Setor de caminhões em bom momento...

[ 16/1/2019 ]
Setor automotivo segue otimista, mas pre...

[ 16/1/2019 ]
Com DNA alemão, concessionária Ssangyong...

[ 16/1/2019 ]
Os 60 anos do Fusca brasileiro...

[ 16/1/2019 ]
Fornecedora de montadoras implanta plata...

[ 16/1/2019 ]
Carros Autônomos: marca americana mostra...

[ 16/1/2019 ]
VW produzirá modelos elétricos nos EUA...

[ 16/1/2019 ]
Salão de Detroit abre com incertezas sob...

[ 16/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...

[ 15/1/2019 ]
Autopeças faturam 18,9% a mais até novem...

[ 15/1/2019 ]
Com reação da indústria, mercado de ônib...

[ 15/1/2019 ]
CNH anuncia nova estrutura organizaciona...

[ 15/1/2019 ]
País já fez consultas à UE sobre limites...

[ 15/1/2019 ]
Pela quarta vez, Onix é mais vendido...

[ 15/1/2019 ]
Granero renova a frota com 10 VW Constel...

[ 15/1/2019 ]
Grupo Daimler Trucks global vende mais d...

[ 15/1/2019 ]
Tecnologia busca controle total da mobil...

[ 15/1/2019 ]
Ônibus urbanos elétricos eCitaro da Merc...

[ 15/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...




 

Data: 13/3/2018

Etios 2019 ganha em conteúdo
 
Qual o veículo da Toyota é o mais vendido no Brasil? Em um raciocínio rápido e lógico, muitos apontariam, como é natural no mercado nacional, o modelo mais barato, o Etios neste caso. Pois a verdade ainda passa bem longe disso na marca japonesa. O Corolla segue com folga como seu modelo mais emplacado, mesmo após quase seis anos do lançamento do hatch.

No ano passado, foram vendidas 66,2 mil unidades do Corolla contra 42 mil do hatch, cuja versão de entrada custa praticamente a metade da do sedã. O primeiro bimestre de 2018 manteve a mesma tônica: 8,3 mil emplacamentos do Corolla diante de 6 mil do Etios. A Toyota, contudo, prefere afirmar que o Etios foi seu carro mais vendido no Brasil no ano passado e, para isso, soma mais 31,4 mil emplacamentos do Etios Sedan, algo que poderia ser feito também pela concorrência.

Polêmicas de marketing à parte, o fato é que o desempenho mercadológico do Etios - hatch! -, embora tenha melhorado nos últimos três anos - passou da sexta colocação em 2015, para a quinta em 2016 e quarta no ano passado - ainda o deixa muito atrás dos líderes de seu segmento.

Os chamados carros de entrada, conforme a Fenabrave, tiveram o Ford Ka na ponta, com folgados 94,5 mil emplacamentos em 2017, mais que o dobro do modelo da Toyota. Até mesmo o segundo lugar, o Volkswagen Gol, ficou bem distante, com 73,9 mil unidades negociadas, com relativa tranquilidade à frente do terceiro colocado, o Fiat Mobi, que registrou 54,3 mil emplacamentos.

Ainda que a sua grande preocupação agora seja o lançamento do Yaris no segundo semestre, a Toyota brasileira resolveu dar mais algum fôlego ao seu modelo de entrada, para ao menos não perder muito mais terreno com relação aos concorrentes até uma mudança bem mais significativa - e para lá de necessária já - que não deve vir antes do ano que vem: uma segunda geração do carro, que muito provavelmente será apresentada antes na Índia, onde também é produzido.

Por enquanto, assim, a ideia é dotá-lo de mais itens de segurança e de melhorias discretas no acabamento e na estética. É o que se vê claramente na linha 2019, que acabou de chegar às revendas, também para o Etios Sedan.

Tanto que novidades mais relevantes nos dois modelos são os controles de tração, de estabilidade e assistente de partida em rampas. Esses recursos agora são de série a partir da versão X 1.3L 16V manual do hatch, que custa R$ 48,4 mil, e X 1.5L 16V manual do sedã, cujos preços partem de R$ 53,2 mil. Ou seja, apenas a X-STD, tanto do hacth quanto para o sedã e destinada às vendas corporativas, é exceção. No total, são oferecidas cinco versões.

Visualmente, poucas, pouquíssimas alterações. Só mesmo colocando um modelo 2018 ao lado para se identificar o que mudou na aparência dele com a linha 2019.

Grosso modo, merece destaque que o hatch e o sedã têm agora moldura que envolve a grade central na cor preta, além de máscara escura nos faróis e lanternas. Não será por conta disso, claro, que atrairão novos consumidores e sim pelo bom nível de conteúdo que agora exibem.

Fonte : AutoIndústria/George Guimarães