[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 16/3/2018

Setor automotivo eleva produção industrial fluminense segundo pesquisa do IBGE
 
A produção industrial no estado do Rio de Janeiro sofreu elevação de 5,1% no índice mensal de janeiro deste ano, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 14, pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. O índice representa a quinta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação, segundo a PIM-PF. Desde janeiro de 2017, o Rio manteve a trajetória ascendente iniciada em maio de 2016 e obteve crescimento de 4,2%.

Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, no comparativo entre janeiro de 2017 e janeiro de 2018, os principais impactos positivos vieram da indústria de transformação com índice de crescimento de 9,4%. Dentre as atividades com destaque estão as de produção de veículos automotores, reboques e carrocerias com 56,7%. “A consolidação do crescimento na produção industrial reafirma o momento de virada na economia fluminense, fortemente impactada pela crise nacional. Com a intensificação da atividade industrial, temos todo um ciclo virtuoso, que impacta outros segmentos da economia”, disse o subsecretário de Desenvolvimento Econômico, Alberto Mofati.

Os veículos MAN são exportados da fábrica situada em Resende

O índice foi impulsionado pela fabricação de caminhões, automóveis, chassis com motor para ônibus e caminhões e carrocerias para ônibus. Destaque neste segmento no cenário nacional e mundial, a MAN Latin America é a principal fabricante de caminhões e ônibus. Segundo dados da empresa que mantém o Consórcio Modular no polo industrial de Resende, houve recorde de produção em janeiro deste ano. A MAN começa 2018 com recorde em exportações enviando 838 caminhões e ônibus ao mercado internacional, um avanço de 159% frente ao mesmo período de 2017, quando o volume somou 323 unidades. Argentina, México e Chile foram os principais destinos dos veículos Volkswagen produzidos em Resende, com destaque para o caminhão VW Constellation 17.280, que segue na liderança do mercado argentino, e para o Volksbus 15.190 OD, um dos favoritos do transporte urbano no mercado Sul-Americano. O novo VW Delivery 9.170 foi um dos modelos mais pedidos pelos tradicionais mercados da MAN Latin America. Ele já foi apresentado no México e chega à Argentina e ao Chile neste mês de março. “Com o início das vendas da nova família Delivery na região, ofereceremos a nossos clientes e importadores um portfólio ainda mais completo, agregando a linha que já conquista o Brasil ao unir conforto de automóvel e robustez de caminhão”, comenta Marcos Forgioni, vice-presidente de Vendas & Marketing - Mercados Internacionais.

O setor de metalurgia alcançou variação positiva de 11,6% em janeiro, a indústria de transformação alcançou 5,4%, com destaques para a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (44,4%), metalurgia (16,9%) e fabricação de bebidas (5,8%).

Fonte : A Voz da Cidade