[ 20/7/2018 ]
Itaú Unibanco firma parceria com Jaguar ...

[ 20/7/2018 ]
Indústria de autopeças reduz ritmo de cr...

[ 20/7/2018 ]
Déficit comercial atinge US$ 2,8 bilhões...

[ 20/7/2018 ]
Em Minas, setor automotivo espera impuls...

[ 20/7/2018 ]
Pedágios podem subir para compensar eixo...

[ 20/7/2018 ]
Inovação é peça-chave da IVECO no segmen...

[ 20/7/2018 ]
Dois SUVs médios com preços incríveis...

[ 20/7/2018 ]
Hyundai Creta chega à linha 2019 mais ca...

[ 19/7/2018 ]
Queda de exportações faz Volkswagen dar ...

[ 19/7/2018 ]
BMW e EDP criam o maior corredor elétric...

[ 19/7/2018 ]
Crédito de exportação do setor automotiv...

[ 19/7/2018 ]
Encontro entre Mercosul e UE fica sem ac...

[ 19/7/2018 ]
Europa anuncia tarifa para importação de...

[ 19/7/2018 ]
Volkswagen novo Polo MSI e Virtus MSI ga...

[ 19/7/2018 ]
Fiat Argo 2019 ganha novos itens de séri...

[ 19/7/2018 ]
Fiat renova parceria com Inhotim...

[ 19/7/2018 ]
Estratégia da Mercedes-Benz para e-mobil...

[ 19/7/2018 ]
Congresso Fenabrave: os novos desafios d...

[ 18/7/2018 ]
Brasil puxa expansão global da Volkswage...

[ 18/7/2018 ]
Mercosul propõe reduzir taxas para carro...




 

Data: 16/3/2018

Anfape pretende ir à Justiça comum contra montadoras
 
Os representantes dos fabricantes de autopeças para mercado de reposição reúnem-se hoje para decidir uma estratégia após a derrota sofrida na quarta-feira. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) arquivou um processo administrativo contra Fiat, Ford e Volkswagen.

O diretor executivo da Associação Nacional de Fabricantes de Autopeças (Anfape), Roberto Monteiro, não elimina a possibilidade de os dirigentes da entidade optarem por recorrer à Justiça comum. Mas os próximos passos ainda serão definidos, destaca,

Depois de uma longa e polêmica discussão, os representantes da entidade estavam certos que o Cade acataria o argumento de que as três montadoras “abusaram do seu direito de petição” ao acionar os que fabricaram peças sem licenciamento prévio para revendê-las no mercado de reposição. “Não poderíamos nunca imaginar isso”, diz Monteiro.

Os fabricantes de veículos argumentam que a lei de propriedade intelectual lhes garante o direito sobre os projetos dos componentes de seus veículos. O itens referem-se, sobretudo, a peças estampadas, como pára-choques.

A maioria dos conselheiros do Cade decidiu que não cabe ao órgão definir sobre o direito de uso de uma propriedade industrial.

Segundo Monteiro, o mesmo não aconteceria nos países onde estão as sedes das três montadoras. “Enquanto no Brasil há discussão sobre a propriedade industrial e o direito das fabricantes independentes em diversos países da Europa, a questão já evoluiu a favor da livre concorrência, priorizando o direito de escolha do consumidor”, destaca Anfape em nota.

Para a entidade, a decisão do Cade prejudicará o consumidor, que terá como única opção recorrer às concessionárias autorizadas pelos fabricantes dos veículos toda a vez que tiver que repor alguma peça.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos