[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...

[ 12/12/2018 ]
Scania tem alta de 50,9% na produção de ...

[ 12/12/2018 ]
BYD entrega os primeiros ônibus 100% elé...

[ 12/12/2018 ]
Brasil foi país que mais adotou medidas ...

[ 12/12/2018 ]
Evento da Anfir poderá render US$ 4 milh...

[ 12/12/2018 ]
Setor de transporte cresce 2,3% até sete...

[ 12/12/2018 ]
Produção de motos vai superar 1 milhão d...

[ 12/12/2018 ]
CNH com chip é adiada para o final de 20...

[ 12/12/2018 ]
Fábrica da Volkswagen em Taubaté celebra...

[ 12/12/2018 ]
Nacional, Tiggo 5X agrada pelo estilo, c...

[ 11/12/2018 ]
Mercado de veículos deve ter alta de até...




 

Data: 16/3/2018

Anfape pretende ir à Justiça comum contra montadoras
 
Os representantes dos fabricantes de autopeças para mercado de reposição reúnem-se hoje para decidir uma estratégia após a derrota sofrida na quarta-feira. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) arquivou um processo administrativo contra Fiat, Ford e Volkswagen.

O diretor executivo da Associação Nacional de Fabricantes de Autopeças (Anfape), Roberto Monteiro, não elimina a possibilidade de os dirigentes da entidade optarem por recorrer à Justiça comum. Mas os próximos passos ainda serão definidos, destaca,

Depois de uma longa e polêmica discussão, os representantes da entidade estavam certos que o Cade acataria o argumento de que as três montadoras “abusaram do seu direito de petição” ao acionar os que fabricaram peças sem licenciamento prévio para revendê-las no mercado de reposição. “Não poderíamos nunca imaginar isso”, diz Monteiro.

Os fabricantes de veículos argumentam que a lei de propriedade intelectual lhes garante o direito sobre os projetos dos componentes de seus veículos. O itens referem-se, sobretudo, a peças estampadas, como pára-choques.

A maioria dos conselheiros do Cade decidiu que não cabe ao órgão definir sobre o direito de uso de uma propriedade industrial.

Segundo Monteiro, o mesmo não aconteceria nos países onde estão as sedes das três montadoras. “Enquanto no Brasil há discussão sobre a propriedade industrial e o direito das fabricantes independentes em diversos países da Europa, a questão já evoluiu a favor da livre concorrência, priorizando o direito de escolha do consumidor”, destaca Anfape em nota.

Para a entidade, a decisão do Cade prejudicará o consumidor, que terá como única opção recorrer às concessionárias autorizadas pelos fabricantes dos veículos toda a vez que tiver que repor alguma peça.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos