[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 16/3/2018

Anfape pretende ir à Justiça comum contra montadoras
 
Os representantes dos fabricantes de autopeças para mercado de reposição reúnem-se hoje para decidir uma estratégia após a derrota sofrida na quarta-feira. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) arquivou um processo administrativo contra Fiat, Ford e Volkswagen.

O diretor executivo da Associação Nacional de Fabricantes de Autopeças (Anfape), Roberto Monteiro, não elimina a possibilidade de os dirigentes da entidade optarem por recorrer à Justiça comum. Mas os próximos passos ainda serão definidos, destaca,

Depois de uma longa e polêmica discussão, os representantes da entidade estavam certos que o Cade acataria o argumento de que as três montadoras “abusaram do seu direito de petição” ao acionar os que fabricaram peças sem licenciamento prévio para revendê-las no mercado de reposição. “Não poderíamos nunca imaginar isso”, diz Monteiro.

Os fabricantes de veículos argumentam que a lei de propriedade intelectual lhes garante o direito sobre os projetos dos componentes de seus veículos. O itens referem-se, sobretudo, a peças estampadas, como pára-choques.

A maioria dos conselheiros do Cade decidiu que não cabe ao órgão definir sobre o direito de uso de uma propriedade industrial.

Segundo Monteiro, o mesmo não aconteceria nos países onde estão as sedes das três montadoras. “Enquanto no Brasil há discussão sobre a propriedade industrial e o direito das fabricantes independentes em diversos países da Europa, a questão já evoluiu a favor da livre concorrência, priorizando o direito de escolha do consumidor”, destaca Anfape em nota.

Para a entidade, a decisão do Cade prejudicará o consumidor, que terá como única opção recorrer às concessionárias autorizadas pelos fabricantes dos veículos toda a vez que tiver que repor alguma peça.

Fonte : Valor Econômico/Marli Olmos