[ 20/4/2018 ]
Montadora Puma terá fábrica em Botucatu...

[ 20/4/2018 ]
Caoa aguarda Rota 2030 para definir inve...

[ 20/4/2018 ]
Montadoras poderão atuar na China sem pa...

[ 20/4/2018 ]
A montadora que está surpreendendo...

[ 20/4/2018 ]
Acordo dá estabilidade a trabalhadores d...

[ 20/4/2018 ]
Realidade virtual ...

[ 20/4/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus inova e pr...

[ 20/4/2018 ]
Volkswagen Financial Services oferece pa...

[ 20/4/2018 ]
Kia Sorento ganha duas novas versões...

[ 19/4/2018 ]
Executivo local chega ao topo das montad...

[ 19/4/2018 ]
Nissan comemora 4 anos de Resende com ve...

[ 19/4/2018 ]
Michelin amplia oferta de serviços com c...

[ 19/4/2018 ]
Indústria sinaliza que acordo entre UE e...

[ 19/4/2018 ]
Tecon Rio Grande registra crescimento na...

[ 19/4/2018 ]
Trabalhadores da VW aprovam produção de ...

[ 19/4/2018 ]
Grupo Volkswagen bate recorde de vendas...

[ 19/4/2018 ]
De volta ao País, SsangYong divulga preç...

[ 19/4/2018 ]
Camaro novo em folha...

[ 19/4/2018 ]
Em nova concessão aos EUA, China abre se...

[ 19/4/2018 ]
Refinanciamento de dívidas pode benefici...




 

Data: 20/3/2018

Indústria automotiva autônoma enfrenta teste crítico após a primeira morte
 
A morte de uma mulher nos Estados Unidos atropelada nesta segunda-feira por um carro autônomo, a primeira vítima fatal envolvendo um veículo totalmente autônomo, é um evento que a indústria sempre temeu e veio em um momento delicado.

O acidente envolvendo um carro da Uber está se configurando como o primeiro teste significativo sobre como os políticos e o público responderão à nova tecnologia. O incidente ocorreu em um momento em que as empresas de tecnologia pressionam pela liberação regulatória para oferta de serviços de transporte compartilhado autônomo no próximo ano. Na sexta-feira, a Uber e a Waymo, da Alphabet, tinham escrito para senadores dos EUA pedindo a aprovação de uma extensa legislação sobre carros autônomos "nas próximas semanas".

Fabricantes de automóveis e empresas de tecnologia como Uber, General Motors e Toyota fizeram investimentos de bilhões de dólares que dependem de revisões significativas dos regulamentos de segurança de veículos existentes, sob a suposição de que um ser humano habilitado estaria sempre no controle do veículo.

Autoridades do setor automotivo e de tecnologia alertaram que poderia haver acidentes e mortes envolvendo carros autônomos, mas disseram que inúmeras vidas adicionais seriam salvas com sistemas robóticos programados para obedecer às leis de trânsito desobedecidas por motoristas humanos distraídos, sonolentos ou com problemas físicos.

Mark Rosenker, ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes, disse nesta segunda-feira que o público não deve reagir de forma exagerada ao incidente com a Uber. Ele observou que 6.000 pedestres e quase 40.000 pessoas morrem anualmente nas estradas dos EUA em mais de 6 milhões de acidentes anualmente.

"Esse vai ser um obstáculo infeliz com o qual teremos que lidar para recuperar a crença (do público) de que esses dispositivos são seguros", disse Rosenker.

O incidente levou a Uber a suspender todos os testes de carros autônomos.

O impacto imediato do atropelamento pode ser adiar ou alterar ainda mais um projeto de lei pendente no Congresso para acelerar o teste de carros autônomos que já estavam paralisados por objeções de alguns democratas que citavam questões de segurança.

O senador John Thune, um republicano que preside o Comitê de Comércio, disse que a "tragédia ressalta a necessidade de adotar leis e políticas sob medida para veículos autônomos".

No entanto, dois senadores democratas dos EUA, Ed Markey, de Massachusetts, e Richard Blumenthal, de Connecticut, disseram no comitê de Thune que o incidente com a Uber exige uma resposta dura.

"Este trágico incidente deixa claro que a tecnologia de veículos autônomos tem um longo caminho a percorrer antes que seja verdadeiramente segura para os passageiros, pedestres e motoristas que compartilham as estradas", disse Blumenthal.

O governo de Donald Trump tem trabalhado para romper as barreiras regulatórias aos carros autônomos, mas também disse que está focado em garantir a segurança. "O objetivo é desenvolver regulamentos que não atrapalhem a inovação, ao mesmo tempo em que preservam a segurança", disse a secretária de Transportes, Elaine Chao, em 1º de março. O porta-voz de Chao não fez comentários adicionais nesta segunda-feira.

Chao está analisando uma petição que a GM apresentou em janeiro junto à NHTSA solicitando uma isenção para ter um pequeno número de veículos autônomos operando em um programa de compartilhamento de carros autônomos ou motoristas humanos.

O grupo International Brotherhood of Teamsters informou nesta segunda-feira em um comunicado que o incidente demonstrou que "há enormes riscos inerentes ao teste de tecnologias não provadas em vias públicas. É fundamental que os pedestres e motoristas sejam poupados".

Em setembro, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma medida que permitiria às montadoras ganharem isenções das regras de segurança que exigem controles humanos. Uma versão do Senado permitiria que as montadoras, dentro de três anos, vendessem anualmente até 80.000 veículos autônomos, se pudessem demonstrar aos reguladores que são tão seguros quanto os veículos atuais.

Preocupações com a segurança dos veículos autônomos surgiram em julho de 2016, quando um homem dirigindo um Tesla Model S em modo semi-autônomo morreu quando seu carro bateu em um reboque.

Em janeiro de 2017, os reguladores de segurança federais concluíram que não havia defeito no sistema de piloto automático do Tesla e que o motorista deveria ter mantido o controle.

Fonte : Reuters/David Shepardson