[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 20/3/2018

Acordo Mercosul-Canadá favorece "made in Brazil"
 
A negociação de um acordo comercial entre o Mercosul e o Canadá criará oportunidade para 321 produtos brasileiros que hoje chegam mais caros e competem em condições de desigualdade no mercado canadense. É o que mostra um estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), repassado com exclusividade ao ‘Estadão/Broadcast’.

O Canadá é o décimo maior importador do mundo e comprou mais de US$ 500 bilhões em 2017. A corrente de comércio do Brasil com o Canadá, no entanto, foi de apenas US$ 4,5 bilhões no ano passado.

Entre os setores que poderão ser beneficiados com o livre-comércio estão o automotivo, produtos químicos, metalurgia, agricultura e pecuária, produtos minerais e equipamentos de informática, entre outros.

As negociações do acordo foram lançadas no início do mês, logo depois de o presidente americano, Donald Trump, anunciar que taxaria a importação de aço, atingindo o Brasil e outros países. Ontem, técnicos do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) iniciaram a primeira rodada de discussões no Canadá e não há prazo para conclusão.

De acordo com a CNI, o livrecomércio trará oportunidades, principalmente, porque reduzirá tarifas que hoje incidem sobre os produtos brasileiros e encarecem o preço no mercado canadense. Apesar de o Canadá ser um mercado considerado aberto, os exportadores enfrentam tarifas de importação em áreas como autopeças (6%) e calçados (16% a 18%). No caso de bens agroindustriais, essa barreira pode chegar a 70%.

A lista de 321 produtos foi elaborada com base no que o Canadá importa e o que o Brasil vende ao exterior com competitividade, mas que não chega ao país da América do Norte. A maioria dos produtos da lista de oportunidades são manufaturados (255), seguidos de básicos (39) e semimanufaturados (27). Dos produtos, 84 pagam hoje tarifa de importação para chegar aos canadenses.

Carne

É o caso, por exemplo, da carne bovina. Em 2017, o produto foi taxado com uma alíquota média de 13,25%, que podia alcançar 26,5%. Com isso, a exportação para os canadenses foi próxima de zero. Outro produto com desempenho semelhante foi calçado. Em 2017, as vendas para o Canadá somaram apenas US$ 500 mil, enquanto com uma tarifa média de 16,7%. “Em um mercado tão competitivo como esse, é impossível concorrer com uma sobretaxa desse tamanho”, afirma o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.

Ele admite que, quando o acordo for firmado, é possível que nem todas as tarifas caiam imediatamente e que existam “escadinhas” até o livre-comércio, o que é comum nesse tipo de trato: “Pelo que vimos nos outros acertos firmados pelo Canadá, ele não tende a segurar as tarifas. É um país que aplica tarifas para quem não tem acordo com eles, mas dentro do acordo tende a reduzir rápido”.

A tendência é que, como aconteceu em outras negociações, como com a União Europeia, ainda em curso, o agronegócio canadense apresente pedidos de cotas e de produtos que devem ficar fora por um tempo do livre-comércio. “O Brasil é muito competitivo no agronegócio e todo mundo tem medo. Ninguém quer depender de um outro país na parte de alimentos, é o esperado”, afirmou Abijaodi. Já pelo lado brasileiro, setores da indústria deverão buscar se proteger dentro do acordo com o Canadá, mas, para o diretor, a cultura do industrial brasileiro mudou e ele vê cada vez mais que é necessário se abrir para esse tipo de acerto.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Lorenna Rodrigues