[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...

[ 20/2/2019 ]
Volkswagen lança T-Cross e anuncia retor...

[ 20/2/2019 ]
Balança comercial tem superávit de US$ 2...

[ 20/2/2019 ]
Governo de São Paulo lança plano para ap...

[ 20/2/2019 ]
Participação do consórcio nas vendas de ...

[ 20/2/2019 ]
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC manife...

[ 20/2/2019 ]
Ford Fiesta sai de linha este ano; fábri...

[ 20/2/2019 ]
Renault registra SUV cupê Arkana no Bras...

[ 20/2/2019 ]
BMW Group Brasil planeja ofensiva de pro...

[ 20/2/2019 ]
Novo T-Cross é mais caro que os rivais...

[ 19/2/2019 ]
Iveco ampliará rede de atendimento no Pa...

[ 19/2/2019 ]
Paccar apurou resultados recordes em 201...

[ 19/2/2019 ]
Economia perde ritmo e deve ter desempen...

[ 19/2/2019 ]
Investimentos em transportes avançam nos...

[ 19/2/2019 ]
Sem impostos, Cruze é mais barato aqui d...

[ 19/2/2019 ]
Fiat Mobi recebe pacote de personalizaçã...

[ 19/2/2019 ]
Daimler Trucks atinge recorde com veícul...

[ 19/2/2019 ]
Vendas de veículos na China recuam pelo ...

[ 19/2/2019 ]
Produtores de biodiesel defendem qualida...

[ 18/2/2019 ]
VWCO domina vendas de caminhões médios...




 

Data: 13/4/2018

Uber reduz corridas de apps de táxi
 
Um estudo divulgado ontem pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) constatou que a chegada do Uber ao Brasil causou, em média, uma redução de 56,8% das corridas de aplicativos de táxis. A pesquisa foi realizada em 590 municípios, entre 2014 e 2016, e levou em conta critérios como número de corridas realizadas, mês e ano em que cada cidade passou a ser atendida, valor médio da corrida e distância média percorrida.

O levantamento aponta que “além de conquistar usuários de outros modais de transporte que não utilizavam serviços de aplicativos de táxi, o Uber também rivalizou com esses serviços, conquistando parte de seus usuários”.

O documento elogia a aprovação, em março deste ano, do projeto de lei que regulamenta os aplicativos de transporte individual de passageiros. E conclui que o serviço de transporte individual traz mais inovações aos consumidores, o que torna defasada a regulação atual dos táxis. “É necessário o amadurecimento do debate na direção da desregulamentação gradual dos serviços de táxi, em especial, nos aspectos relacionados a barreiras à entrada e liberdade tarifária”, afirma o Cade.

Em nota, a Easy, um dos maiores aplicativos de transporte da América Latina, que opera somente com táxi no Brasil, afirmou que corrobora com a conclusão do órgão público e apoia uma revisão das normas vigentes para a categoria.

A 99, que reúne carro particular e táxi na mesma plataforma, também avaliou de maneira positiva o estudo por indicar a necessidade de flexibilizar a regulamentação do táxi para aumentar sua competitividade, tanto em relação às barreiras de entrada (alvará) quanto à possibilidade de tarifa dinâmica.

A Uber ressaltou que o estudo foi focado em aplicativos de táxi, e não no próprio mercado de táxi. E que o dado de que a cada 1% de aumento de viagens por Uber, houve uma diminuição de apenas 0,09% nas viagens de aplicativos de táxi “indica claramente que mais pessoas passaram a usar esta alternativa complementando outras soluções de transporte, tal como o carro particular”.

Para o presidente do Sindicato dos Taxistas de São Paulo (Sinditaxi), Natalício Bezerra, os aplicativos não substituem a qualidade do serviço de táxi. “É mais barato, mas o atendimento é piorado”, diz.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Paulo Oliveira Neila Almeida