[ 20/4/2018 ]
Montadora Puma terá fábrica em Botucatu...

[ 20/4/2018 ]
Caoa aguarda Rota 2030 para definir inve...

[ 20/4/2018 ]
Montadoras poderão atuar na China sem pa...

[ 20/4/2018 ]
A montadora que está surpreendendo...

[ 20/4/2018 ]
Acordo dá estabilidade a trabalhadores d...

[ 20/4/2018 ]
Realidade virtual ...

[ 20/4/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus inova e pr...

[ 20/4/2018 ]
Volkswagen Financial Services oferece pa...

[ 20/4/2018 ]
Kia Sorento ganha duas novas versões...

[ 19/4/2018 ]
Executivo local chega ao topo das montad...

[ 19/4/2018 ]
Nissan comemora 4 anos de Resende com ve...

[ 19/4/2018 ]
Michelin amplia oferta de serviços com c...

[ 19/4/2018 ]
Indústria sinaliza que acordo entre UE e...

[ 19/4/2018 ]
Tecon Rio Grande registra crescimento na...

[ 19/4/2018 ]
Trabalhadores da VW aprovam produção de ...

[ 19/4/2018 ]
Grupo Volkswagen bate recorde de vendas...

[ 19/4/2018 ]
De volta ao País, SsangYong divulga preç...

[ 19/4/2018 ]
Camaro novo em folha...

[ 19/4/2018 ]
Em nova concessão aos EUA, China abre se...

[ 19/4/2018 ]
Refinanciamento de dívidas pode benefici...




 

Data: 13/4/2018

Mercedes-Benz Axor para levar madeira
 
A Mercedes-Benz lançou versão 8×4 do Axor 3344 rígido especialmente para ser uma ferramenta de trabalho mais produtiva ao segmento florestal. O projeto desenvolvido em parceria com a Suspensys, empresa do grupo Randon, acrescentou um segundo eixo direcional dianteiro com a intenção de elevar a capacidade de carga para 56.000 kg de peso bruto total combinado em composição veicular do tipo romeu e julieta.

A novidade surgiu a partir de uma necessidade da Breda Logística em sua operação de transporte de madeira em diversas áreas de eucalipto espalhadas pela região do Vale do Paraíba. A inédita solução proporcionará a empresa mais produtividade. A companhia adquiriu 23 caminhões da nova versão em substituição a 26 unidades de Axor 6×4 de hoje.

De acordo com Henry Hardt, diretor de manutenção da Breda, o desafio do projeto era proporcionar ganho de carga útil dentro da Lei da Balança, pois a rota dos caminhões percorre rodovias fiscalizadas. “O novo Axor 8×4 nos permitirá carregar 5.000 kg a mais por viagem, ou seja, um ganho de 10%”.

A nova versão é uma solução customizada pela Suspensys com peças da Mercedes-Benz. O caminhão sai da fábrica de São Bernardo do Campo (SP) carregado com um kit de componentes para uma das 70 distribuidoras da empresa de Caxias do Sul (RS) que seja mais conveniente ao cliente. No local, o veículo recebe a implementação do segundo eixo direcional, sistema de direção e mais um arranjo de suspensão de quatro lâminas.

Para reduzir a tara com o objetivo de entregar mais capacidade de carga útil, o Axor 3344 8×4 também incorpora rodas de alumínio – em média 15 kg mais leve do que uma de aço – e possibilidade de pneus na medida 295/80R 22,5, mais baixos que os 11.00R. O veículo também traz protetores de faróis, para-choque de aço, escada pendular, protetor de cárter e bloqueio do diferencial transversal.

O segmento de madeira abriga muitas condições, desde curtas distâncias em terreno acidentado às longas rotas rodoviárias. Para atender às diversas caraterísticas da operação, a Mercedes-Benz pode providenciar o trem de força que melhor desempenhará o transporte na nova versão 8×4. O motor de 6 cilindros de 439 cv e torque de 224 kgfm a 1.100 rpm pode atuar com caixas de 12 ou 16 marchas e eixos com ou sem redução nos cubos.

Segundo Marcos Andrade, gerente de produto caminhão da Mercedes-Benz, o segmento madeireiro é pequeno, baseado nas estatísticas da Anfir, associação que reúne os fabricantes de implementos rodoviários, o mercado gira de 300 a 500 carretas específicas para o transporte de toras por ano. “Trata-se de um universo muito segmentado, que precisa de muita proximidade com o cliente para entender exatamente o veículo mais adequado. Mas é um nicho que não se pode deixar de oferecer solução para mais eficiência”.

Pelas contas da montadora, como segmento do agronegócio, o manejo de madeira reflorestada também cresce a cada ano. Em 2016, o Brasil se tornou o segundo maior produtos de celulose do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, quando produziu 18.773 milhões de toneladas. No ano passado, a produção superou as 19 milhões de toneladas. Boa parte, mais de 70%, é exportada para China e Europa.

Fonte : AutoIndústria/Décio Costa