[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...

[ 12/12/2018 ]
Scania tem alta de 50,9% na produção de ...

[ 12/12/2018 ]
BYD entrega os primeiros ônibus 100% elé...

[ 12/12/2018 ]
Brasil foi país que mais adotou medidas ...

[ 12/12/2018 ]
Evento da Anfir poderá render US$ 4 milh...

[ 12/12/2018 ]
Setor de transporte cresce 2,3% até sete...

[ 12/12/2018 ]
Produção de motos vai superar 1 milhão d...

[ 12/12/2018 ]
CNH com chip é adiada para o final de 20...

[ 12/12/2018 ]
Fábrica da Volkswagen em Taubaté celebra...

[ 12/12/2018 ]
Nacional, Tiggo 5X agrada pelo estilo, c...

[ 11/12/2018 ]
Mercado de veículos deve ter alta de até...




 

Data: 21/5/2018

RenovaBio ainda enfrenta divergência quanto a metas
 
Embora já tenha sido aprovada, a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) tem de ser regulamentada e é aí que surgem as divergências no setor. O governo propõe a redução de 10% nas emissões de carbono pela matriz de combustíveis do País até o fim da década. As distribuidoras de combustíveis e o setor de petróleo, por sua vez, defendem o porcentual de 4% e sustentam que os produtores de biocombustíveis não conseguem atingir a meta sugerida. Já os produtores de etanol e biodiesel garantiram ter capacidade de ampliar a oferta para atender a qualquer alta na demanda e pediram a elevação na meta para 12%.

Fonte : O Estado de S. Paulo