[ 25/6/2018 ]
Carro elétrico da brasileira Mobilis pod...

[ 25/6/2018 ]
Mercado de caminhões usados acumula alta...

[ 25/6/2018 ]
Montadoras discutem mudanças nas vendas ...

[ 25/6/2018 ]
Venda de carros elétricos e híbridos no ...

[ 25/6/2018 ]
Pirelli estreia no segmento de som...

[ 25/6/2018 ]
Furgões Joinville comemora 30 anos e pre...

[ 25/6/2018 ]
Mortes em acidentes de trânsito caem 14%...

[ 25/6/2018 ]
Indústria automotiva mundial enfrentará ...

[ 25/6/2018 ]
Grupo Volkswagen divide responsabilidade...

[ 25/6/2018 ]
Trump ameaça carros europeus com sobreta...

[ 22/6/2018 ]
Consórcio mantém desempenho positivo...

[ 22/6/2018 ]
Scania Top Team contribui para motivar e...

[ 22/6/2018 ]
Metalúrgicos esperam que aliança entre V...

[ 22/6/2018 ]
Rede de aços planos perde fôlego e demon...

[ 22/6/2018 ]
Consórcio de pesados cresce no primeiro ...

[ 22/6/2018 ]
Volvo lança programa de fidelidade...

[ 22/6/2018 ]
4TRUCK projeta crescer 40% em 2018 e em ...

[ 22/6/2018 ]
Mitos e verdades sobre manutenção de seu...

[ 22/6/2018 ]
Apple, Samsung e montadoras criam soluçã...

[ 22/6/2018 ]
Toyota reduz gastos com marketing para i...




 

Data: 21/5/2018

RenovaBio ainda enfrenta divergência quanto a metas
 
Embora já tenha sido aprovada, a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) tem de ser regulamentada e é aí que surgem as divergências no setor. O governo propõe a redução de 10% nas emissões de carbono pela matriz de combustíveis do País até o fim da década. As distribuidoras de combustíveis e o setor de petróleo, por sua vez, defendem o porcentual de 4% e sustentam que os produtores de biocombustíveis não conseguem atingir a meta sugerida. Já os produtores de etanol e biodiesel garantiram ter capacidade de ampliar a oferta para atender a qualquer alta na demanda e pediram a elevação na meta para 12%.

Fonte : O Estado de S. Paulo