[ 25/6/2018 ]
Carro elétrico da brasileira Mobilis pod...

[ 25/6/2018 ]
Mercado de caminhões usados acumula alta...

[ 25/6/2018 ]
Montadoras discutem mudanças nas vendas ...

[ 25/6/2018 ]
Venda de carros elétricos e híbridos no ...

[ 25/6/2018 ]
Pirelli estreia no segmento de som...

[ 25/6/2018 ]
Furgões Joinville comemora 30 anos e pre...

[ 25/6/2018 ]
Mortes em acidentes de trânsito caem 14%...

[ 25/6/2018 ]
Indústria automotiva mundial enfrentará ...

[ 25/6/2018 ]
Grupo Volkswagen divide responsabilidade...

[ 25/6/2018 ]
Trump ameaça carros europeus com sobreta...

[ 22/6/2018 ]
Consórcio mantém desempenho positivo...

[ 22/6/2018 ]
Scania Top Team contribui para motivar e...

[ 22/6/2018 ]
Metalúrgicos esperam que aliança entre V...

[ 22/6/2018 ]
Rede de aços planos perde fôlego e demon...

[ 22/6/2018 ]
Consórcio de pesados cresce no primeiro ...

[ 22/6/2018 ]
Volvo lança programa de fidelidade...

[ 22/6/2018 ]
4TRUCK projeta crescer 40% em 2018 e em ...

[ 22/6/2018 ]
Mitos e verdades sobre manutenção de seu...

[ 22/6/2018 ]
Apple, Samsung e montadoras criam soluçã...

[ 22/6/2018 ]
Toyota reduz gastos com marketing para i...




 

Data: 21/5/2018

Retomada econômica será a mais lenta da história
 
Para os economistas que avaliam dados sobre crescimento, está cada vez mais claro que o Brasil vive o mais lento ciclo de retomada econômica da história.

Ao analisar oito recessões brasileiras desde a década de 1980, a economia nunca demorou tanto para reagir, aponta análise do economista Affonso Celso Pastore, com base em séries históricas do PIB (Produto Interno Bruto).

Passados quatro trimestres desde o fim da recessão, a economia está apenas 2,2% acima do vale verificado no quarto trimestre de 2016.

Na recuperação de 1998, considerada a mais lenta, a economia, a essa altura, crescia 4,2% maior.

Os dados sobre os períodos de recessão e de recuperação são todos do Codace, o comitê que data os ciclos econômicos formado pela Fundação Getulio Vargas.

“A gente já vinha alertando para a lentidão da recuperação e agora todas aquelas projeções de crescimento de 3%, algumas de até 4%, foram por água abaixo e agora estamos mirando 2%”, comenta Pastore.

O diagnóstico dos especialistas é que existe uma associação de travas atua contra o crescimento do país.

Na ponta que faz a roda girar, o setor empresarial ainda não conseguiu se erguer. No setor industrial, apenas alguns segmentos, como automotivo, têm fôlego. A indústria de bens intermediários (cimento, tecido e aço), que responde por 60% da produção, tem desempenho ruim.

Fonte : Agora S. Paulo