[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...

[ 12/12/2018 ]
Scania tem alta de 50,9% na produção de ...

[ 12/12/2018 ]
BYD entrega os primeiros ônibus 100% elé...

[ 12/12/2018 ]
Brasil foi país que mais adotou medidas ...

[ 12/12/2018 ]
Evento da Anfir poderá render US$ 4 milh...

[ 12/12/2018 ]
Setor de transporte cresce 2,3% até sete...

[ 12/12/2018 ]
Produção de motos vai superar 1 milhão d...

[ 12/12/2018 ]
CNH com chip é adiada para o final de 20...

[ 12/12/2018 ]
Fábrica da Volkswagen em Taubaté celebra...

[ 12/12/2018 ]
Nacional, Tiggo 5X agrada pelo estilo, c...

[ 11/12/2018 ]
Mercado de veículos deve ter alta de até...




 

Data: 21/5/2018

Retomada econômica será a mais lenta da história
 
Para os economistas que avaliam dados sobre crescimento, está cada vez mais claro que o Brasil vive o mais lento ciclo de retomada econômica da história.

Ao analisar oito recessões brasileiras desde a década de 1980, a economia nunca demorou tanto para reagir, aponta análise do economista Affonso Celso Pastore, com base em séries históricas do PIB (Produto Interno Bruto).

Passados quatro trimestres desde o fim da recessão, a economia está apenas 2,2% acima do vale verificado no quarto trimestre de 2016.

Na recuperação de 1998, considerada a mais lenta, a economia, a essa altura, crescia 4,2% maior.

Os dados sobre os períodos de recessão e de recuperação são todos do Codace, o comitê que data os ciclos econômicos formado pela Fundação Getulio Vargas.

“A gente já vinha alertando para a lentidão da recuperação e agora todas aquelas projeções de crescimento de 3%, algumas de até 4%, foram por água abaixo e agora estamos mirando 2%”, comenta Pastore.

O diagnóstico dos especialistas é que existe uma associação de travas atua contra o crescimento do país.

Na ponta que faz a roda girar, o setor empresarial ainda não conseguiu se erguer. No setor industrial, apenas alguns segmentos, como automotivo, têm fôlego. A indústria de bens intermediários (cimento, tecido e aço), que responde por 60% da produção, tem desempenho ruim.

Fonte : Agora S. Paulo