[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 22/5/2018

Paralisação de caminhoneiros contra alta do diesel
 
Caminhoneiros realizam na manhã de ontem, paralisações em diversas partes do Brasil.

Os profissionais fazem os atos contra os aumentos constantes de preços do óleo diesel.

São registrados bloqueios em vias urbanas e rodovias de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, em diferentes cidades. No dia 16 de maio, quarta-feira passada, caminhoneiros já haviam bloqueado por algumas horas a rodovia Anhanguera, em São Paulo, no km 147 sentido interior.

Os caminhoneiros dizem que não estão conseguindo repassar todos os aumentos para os fretes porque poderiam perder trabalho.

As altas do diesel têm ocorrido desde julho do ano passado com a nova política de preços da Petrobrás.

O setor de transporte de passageiros também se queixa.

Segundo a NTU, entre janeiro e o dia 15 de maio, os prejuízos registrados foram de R$ 1 bilhão. A associação representa as empresas de ônibus urbanos.

Fonte : Diário do Transporte