[ 15/8/2018 ]
Novo veículo compacto global da Volks de...

[ 15/8/2018 ]
Com capacidade no limite, Hyundai chega ...

[ 15/8/2018 ]
Scania incorpora nova maneira de vender ...

[ 15/8/2018 ]
Iochpe-Maxion reforça estratégia de inte...

[ 15/8/2018 ]
Vendas especiais para o público PCD disp...

[ 15/8/2018 ]
SUVs e hatches pequenos continuam ganhan...

[ 15/8/2018 ]
Brasil ganha nova geração do Porsche Cay...

[ 15/8/2018 ]
Tratores da Case IH serão entregues a pe...

[ 15/8/2018 ]
Aprenda a trocar os limpadores de para-b...

[ 15/8/2018 ]
Kia apresenta tecnologia de sistema de s...

[ 14/8/2018 ]
Governo envia à Câmara dos Deputados pro...

[ 14/8/2018 ]
Sindipeças quer incentivar inovação no s...

[ 14/8/2018 ]
Preço de carro zero sobe até 35,95% em t...

[ 14/8/2018 ]
Caoa Chery expande vendas no Brasil...

[ 14/8/2018 ]
Curitiba ganha primeiro centro automotiv...

[ 14/8/2018 ]
Argentina anuncia pacote para conter esc...

[ 14/8/2018 ]
União Europeia se prepara para o caos do...

[ 14/8/2018 ]
Anfir abre portas no México...

[ 14/8/2018 ]
Apple contrata ex-engenheiro chefe da Te...

[ 14/8/2018 ]
Viviane Mansi assume áreas de RP e Comun...




 

Data: 13/6/2018

Em nome da aerodinâmica, câmera vai substituir retrovisor externo
 
Reduzir cada vez mais o consumo de combustível e, por tabela, o nível de emissões de poluentes, é uma das prioridades das montadoras. Além de investir em motores mais eficientes e materiais leves na construção dos veículos, as fabricantes apostam no aprimoramento da aerodinâmica da carroceria – até os espelhos retrovisores interferem nesse resultado.

Com o e-tron, a Audi deu um passo importante para eliminar esse “apêndice”. Sua versão final deverá ser o primeiro carro feito em série equipado, opcionalmente, com câmera no lugar do retrovisor. A previsão é de que o elétrico chegue às lojas da Europa neste ano.

Com câmeras em vez de espelhos, a largura do veículo diminuiu 15 cm. Isso contribui para reduzir o arrasto e aumentar a autonomia das baterias, segundo informações da Audi.

Grade de radiador ativa é outro recurso que vem se “popularizando”. Com o sistema, as aletas abrem em baixas velocidades para melhorar a refrigeração do motor e fecham quando a velocidade aumenta para privilegiar a aerodinâmica.

A tecnologia está em carros sofisticados, como o Jaguar I-Pace. Mas pode vir em modelos como o Chevrolet Spin.

A Porsche adotou essa solução na grade inferior do 911 e equipou o novo Cayenne com um defletor móvel na tampa de trás. A asa fica rente à carroceria a até 160 km/h, para privilegiar a aerodinâmica.

Acima dessa velocidade, a peça sobe 6 graus, para aumentar a pressão contra o solo e melhorar a estabilidade. No modo de condução mais esportivo (Sport Plus), a lâmina sobe para 12,6°. Quando o freio é pressionado com força entre 170 e 270 km/h, a inclinação chega a 28,2º. Nesse caso, a função é auxiliar a frenagem.

Além das mudanças visíveis, vários carros têm soluções invisíveis, como assoalho plano, com fechamentos nas áreas do motor e tanque, entre outras.

Com menos reentrâncias na parte inferior da carroceria, o ar flui melhor sob o veículo. Esse sempre foi um dos trunfos dos esportivos da Ferrari. Por isso, são raros os modelos feitos pela marca italiana que precisam de aerofólio para melhorar a aerodinâmica.

Banguela eletrônica

Para garantir bom desempenho sem elevar o consumo, o Porsche 911 tem um sistema que desacopla a embreagem em descidas. Nessa espécie de “banguela”, o motor “cai” para a marcha lenta, o gasto de combustível diminui e a agilidade é mantida, já que não se emprega o efeito freio motor.

Fonte : Jornal do Carro