[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 13/6/2018

Bateria do carro pede cuidados no frio
 
Se basta o dia amanhecer frio para o carro titubear na hora de o motor ligar, o problema pode estar na bateria. Essencial para o bom funcionamento do sistema de partida, o componente costuma apresentar falhas quando a temperatura cai.

Isso porque, com o passar do tempo, a bateria vai perdendo a capacidade de reter energia elétrica. E, como no frio o óleo fica mais denso, o motor precisa de uma “forcinha extra” para ligar. Aí, algumas deficiências tendem a ficar mais evidentes.

Conforme o caso, haverá alteração do funcionamento de equipamentos. Entre os sinais estão movimentos desconexos dos ponteiros do painel na hora da partida e oscilação da intensidade das luzes e faróis. Até “apagão” do sistema de som sem motivo aparente pode ocorrer.

Se o veículo apresentar alguma dessas falhas, é preciso procurar um autoelétrico de confiança o mais rapidamente possível. Do contrário, há risco de o veículo simplesmente parar e o motorista ficar a pé.

Na oficina, o especialista irá diagnosticar o nível do defeito. Muitas vezes, uma recarga costuma resolver a questão.

Quando isso não for possível, a peça deve ser substituída. O manual do proprietário indica o tipo e a marca da bateria utilizada no veículo. Na falta do livreto, dá para conferir a tabela de aplicações nos sites de montadoras e autopeças.

A bateria nova para carros de entrada, como um Chevrolet Onix 1.0, custa cerca de R$ 330 em lojas e autoelétricos da capital. Em geral, a mão de obra é grátis – há até empresas no mercado que entregam e fazem a troca da peça em domicílio sem cobrança adicional.

Revisar é preciso

Outros sistemas também ficam mais suscetíveis a defeitos em dias frios. É o caso do regulador de voltagem, que gerencia a tensão elétrica enviada à bateria, e do alternador, responsável por gerar essa eletricidade. O ideal é revisar todo o sistema elétrico uma vez por ano.

Fonte : Jornal do Carro