[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 18/6/2018

Corrida pela sustentabilidade
 
O que pode existir em comum entre o Fiat Uno, o Ford Mustang e o Peugeot 206? Praticamente nada, a não ser o fato de que nos três há componentes que utilizam elementos naturais, como fibras vegetais, na composição.

O desafio da indústria é empregar cada vez mais produtos sustentáveis na produção de veículos. O objetivo é reduzir a dependência de materiais derivados de petróleo.

Com seu motor V8 de 466 cv, o Mustang é sedento por gasolina, mas, ao menos no que diz respeito aos assentos, o “muscle car” da Ford não maltrata o meio ambiente. Entre os ingredientes utilizados na confecção da espuma dos bancos, a fabricante adota a soja. A Ford, aliás, é uma das montadoras que mais investem em pesquisas voltadas ao aproveitamento de fibras e outros recursos naturais na produção de veículos - essa tradição é centenária. O fundador da empresa, Henry Ford, acreditava que a agricultura e a produção industrial podiam ser atividades complementares.

O emprego da soja em diversas partes do carro, a propósito, era uma obsessão de Ford. Ele chegou a utilizar a planta até mesmo em componentes da carroceria de veículos.

Na Peugeot, uma das experiências está relacionada ao emprego de cânhamo, variação da planta que dá origem à maconha (Cannabis). A montadora francesa utilizou esse tipo de material no suporte do retrovisor interno do 206, modelo que já saiu de produção.

No Brasil, há diversas experiências voltadas à utilização de materiais como fibra de coco, palmeira e sisal, entre outros, em veículos. Em 2010, época em que lançou o Uno de segunda geração, a Fiat apresentou um protótipo com vários elementos feitos de materiais sustentáveis, batizado de Uno Ecology.

O modelo era uma espécie de plataforma de experiências e tinha itens feitos de materiais alternativos, reutilizáveis e não poluentes. As peças plásticas de acabamento interno e externo, como para-choques, painel e laterais de portas, foram produzidas com uma mistura de bagaço de cana-de-açúcar em sua composição.

Segundo a fabricante, com isso o peso dos componentes foi reduzido em cerca de 8%.

O estofamento do carro tinha fibra de coco e látex no lugar do poliuretano (derivado de petróleo). Garrafas PET foram reutilizadas nos tapetes e tecido dos bancos.

Fonte : O Diário do Norte do Paraná