[ 20/11/2018 ]
Brasileiro, presidente do grupo Renault-...

[ 20/11/2018 ]
Financiamento de veículos novos e usados...

[ 20/11/2018 ]
Mercado de ônibus usados recua 4,35% no ...

[ 20/11/2018 ]
Regime automotivo Rota 2030 ainda depend...

[ 20/11/2018 ]
Mercado financeiro reduz expectativa de ...

[ 20/11/2018 ]
Litro da gasolina supera os R$ 7 em post...

[ 20/11/2018 ]
Emissão de carteira de motorista no Bras...

[ 20/11/2018 ]
O Opala completa 50 anos ...

[ 20/11/2018 ]
Mercado automotivo da China caminha para...

[ 20/11/2018 ]
Luta da China contra poluição torna palá...

[ 19/11/2018 ]
Montadoras iniciam teste de serviço de c...

[ 19/11/2018 ]
Setor automotivo foi o que mais recebeu ...

[ 19/11/2018 ]
Governo de São Paulo autoriza montadoras...

[ 19/11/2018 ]
Mercosul e União Europeia não superam im...

[ 19/11/2018 ]
Com guerra comercial, exportação brasile...

[ 19/11/2018 ]
Imposto de importação aumenta custos de ...

[ 19/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas registram a...

[ 19/11/2018 ]
Renault comemora 20 anos de fabricação d...

[ 19/11/2018 ]
JAC lança T50 e anuncia importação de pi...

[ 19/11/2018 ]
Mercedes-Benz tem 56% do mercado de ônib...




 

Data: 10/7/2018

Metalúrgicos negociam reajuste
 
Os metalúrgicos do ABC (Grande SP) não vão abrir mão de negociar reajuste salarial acima da inflação neste ano. O objetivo é repor as perdas que os trabalhadores tiveram nas negociações durante a crise econômica.

A decisão foi anunciada ontem pelo sindicato da categoria, que divulgou também os eixos da campanha salarial de 2018.

Após assembleia realizada na quinta-feira, em Diadema, os profissionais definiram que as reivindicações vão valer para todos os profissionais representados pela FEM-CUT (Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo). A data-base dos metalúrgicos é 1º de setembro.

A categoria vai reivindicar a renovação das cláusulas sociais da convenção coletiva e a reposição integral da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais reajuste acima do índice final.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, com as consequências econômicas dos últimos anos, os trabalhadores não tiveram acordos positivos e, por isso, devem buscar a recuperação das perdas. “A FEM-CUT, se tiver o apoio desta categoria, não assinará acordo que não tenha aumento real”, disse o sindicato por meio de nota.

As mudanças da reforma trabalhista, que começou a valer em novembro do ano passado, também farão parte das conversas da campanha tanto com os metalúrgicos quanto com as montadoras.

Últimos reajustes

Neste ano, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC garantiu acordo com quatro montadoras da região. Na Mercedes-Benz, na Scania, na Ford e na Toyota, os trabalhadores conquistaram principalmente o reajuste salarial e a PLR (participação nos lucros). Na Mercedes e na Scania, houve aumento acima da inflação.

Na Volkswagen, um acordo firmado em 2016 garantiu a manutenção de empregos até 2021 e evitou a demissão de 3.600 funcionários.

Fonte : Agora S. Paulo