[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...

[ 20/9/2018 ]
Scania volta a produzir em dois turnos e...

[ 20/9/2018 ]
Mercedes-Benz do Brasil lança os caminhõ...




 

Data: 10/7/2018

Metalúrgicos negociam reajuste
 
Os metalúrgicos do ABC (Grande SP) não vão abrir mão de negociar reajuste salarial acima da inflação neste ano. O objetivo é repor as perdas que os trabalhadores tiveram nas negociações durante a crise econômica.

A decisão foi anunciada ontem pelo sindicato da categoria, que divulgou também os eixos da campanha salarial de 2018.

Após assembleia realizada na quinta-feira, em Diadema, os profissionais definiram que as reivindicações vão valer para todos os profissionais representados pela FEM-CUT (Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo). A data-base dos metalúrgicos é 1º de setembro.

A categoria vai reivindicar a renovação das cláusulas sociais da convenção coletiva e a reposição integral da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais reajuste acima do índice final.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, com as consequências econômicas dos últimos anos, os trabalhadores não tiveram acordos positivos e, por isso, devem buscar a recuperação das perdas. “A FEM-CUT, se tiver o apoio desta categoria, não assinará acordo que não tenha aumento real”, disse o sindicato por meio de nota.

As mudanças da reforma trabalhista, que começou a valer em novembro do ano passado, também farão parte das conversas da campanha tanto com os metalúrgicos quanto com as montadoras.

Últimos reajustes

Neste ano, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC garantiu acordo com quatro montadoras da região. Na Mercedes-Benz, na Scania, na Ford e na Toyota, os trabalhadores conquistaram principalmente o reajuste salarial e a PLR (participação nos lucros). Na Mercedes e na Scania, houve aumento acima da inflação.

Na Volkswagen, um acordo firmado em 2016 garantiu a manutenção de empregos até 2021 e evitou a demissão de 3.600 funcionários.

Fonte : Agora S. Paulo