[ 16/1/2019 ]
Produção de picapes marca início da parc...

[ 16/1/2019 ]
Setor de caminhões em bom momento...

[ 16/1/2019 ]
Setor automotivo segue otimista, mas pre...

[ 16/1/2019 ]
Com DNA alemão, concessionária Ssangyong...

[ 16/1/2019 ]
Os 60 anos do Fusca brasileiro...

[ 16/1/2019 ]
Fornecedora de montadoras implanta plata...

[ 16/1/2019 ]
Carros Autônomos: marca americana mostra...

[ 16/1/2019 ]
VW produzirá modelos elétricos nos EUA...

[ 16/1/2019 ]
Salão de Detroit abre com incertezas sob...

[ 16/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...

[ 15/1/2019 ]
Autopeças faturam 18,9% a mais até novem...

[ 15/1/2019 ]
Com reação da indústria, mercado de ônib...

[ 15/1/2019 ]
CNH anuncia nova estrutura organizaciona...

[ 15/1/2019 ]
País já fez consultas à UE sobre limites...

[ 15/1/2019 ]
Pela quarta vez, Onix é mais vendido...

[ 15/1/2019 ]
Granero renova a frota com 10 VW Constel...

[ 15/1/2019 ]
Grupo Daimler Trucks global vende mais d...

[ 15/1/2019 ]
Tecnologia busca controle total da mobil...

[ 15/1/2019 ]
Ônibus urbanos elétricos eCitaro da Merc...

[ 15/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...




 

Data: 10/7/2018

Metalúrgicos negociam reajuste
 
Os metalúrgicos do ABC (Grande SP) não vão abrir mão de negociar reajuste salarial acima da inflação neste ano. O objetivo é repor as perdas que os trabalhadores tiveram nas negociações durante a crise econômica.

A decisão foi anunciada ontem pelo sindicato da categoria, que divulgou também os eixos da campanha salarial de 2018.

Após assembleia realizada na quinta-feira, em Diadema, os profissionais definiram que as reivindicações vão valer para todos os profissionais representados pela FEM-CUT (Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo). A data-base dos metalúrgicos é 1º de setembro.

A categoria vai reivindicar a renovação das cláusulas sociais da convenção coletiva e a reposição integral da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais reajuste acima do índice final.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, com as consequências econômicas dos últimos anos, os trabalhadores não tiveram acordos positivos e, por isso, devem buscar a recuperação das perdas. “A FEM-CUT, se tiver o apoio desta categoria, não assinará acordo que não tenha aumento real”, disse o sindicato por meio de nota.

As mudanças da reforma trabalhista, que começou a valer em novembro do ano passado, também farão parte das conversas da campanha tanto com os metalúrgicos quanto com as montadoras.

Últimos reajustes

Neste ano, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC garantiu acordo com quatro montadoras da região. Na Mercedes-Benz, na Scania, na Ford e na Toyota, os trabalhadores conquistaram principalmente o reajuste salarial e a PLR (participação nos lucros). Na Mercedes e na Scania, houve aumento acima da inflação.

Na Volkswagen, um acordo firmado em 2016 garantiu a manutenção de empregos até 2021 e evitou a demissão de 3.600 funcionários.

Fonte : Agora S. Paulo