[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 10/7/2018

Metalúrgicos negociam reajuste
 
Os metalúrgicos do ABC (Grande SP) não vão abrir mão de negociar reajuste salarial acima da inflação neste ano. O objetivo é repor as perdas que os trabalhadores tiveram nas negociações durante a crise econômica.

A decisão foi anunciada ontem pelo sindicato da categoria, que divulgou também os eixos da campanha salarial de 2018.

Após assembleia realizada na quinta-feira, em Diadema, os profissionais definiram que as reivindicações vão valer para todos os profissionais representados pela FEM-CUT (Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo). A data-base dos metalúrgicos é 1º de setembro.

A categoria vai reivindicar a renovação das cláusulas sociais da convenção coletiva e a reposição integral da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais reajuste acima do índice final.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, com as consequências econômicas dos últimos anos, os trabalhadores não tiveram acordos positivos e, por isso, devem buscar a recuperação das perdas. “A FEM-CUT, se tiver o apoio desta categoria, não assinará acordo que não tenha aumento real”, disse o sindicato por meio de nota.

As mudanças da reforma trabalhista, que começou a valer em novembro do ano passado, também farão parte das conversas da campanha tanto com os metalúrgicos quanto com as montadoras.

Últimos reajustes

Neste ano, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC garantiu acordo com quatro montadoras da região. Na Mercedes-Benz, na Scania, na Ford e na Toyota, os trabalhadores conquistaram principalmente o reajuste salarial e a PLR (participação nos lucros). Na Mercedes e na Scania, houve aumento acima da inflação.

Na Volkswagen, um acordo firmado em 2016 garantiu a manutenção de empregos até 2021 e evitou a demissão de 3.600 funcionários.

Fonte : Agora S. Paulo