[ 19/7/2018 ]
Queda de exportações faz Volkswagen dar ...

[ 19/7/2018 ]
BMW e EDP criam o maior corredor elétric...

[ 19/7/2018 ]
Crédito de exportação do setor automotiv...

[ 19/7/2018 ]
Encontro entre Mercosul e UE fica sem ac...

[ 19/7/2018 ]
Europa anuncia tarifa para importação de...

[ 19/7/2018 ]
Volkswagen novo Polo MSI e Virtus MSI ga...

[ 19/7/2018 ]
Fiat Argo 2019 ganha novos itens de séri...

[ 19/7/2018 ]
Fiat renova parceria com Inhotim...

[ 19/7/2018 ]
Estratégia da Mercedes-Benz para e-mobil...

[ 19/7/2018 ]
Congresso Fenabrave: os novos desafios d...

[ 18/7/2018 ]
Brasil puxa expansão global da Volkswage...

[ 18/7/2018 ]
Mercosul propõe reduzir taxas para carro...

[ 18/7/2018 ]
Mercado deve retomar volume de abril...

[ 18/7/2018 ]
Rota 2030: o que mudará no carro naciona...

[ 18/7/2018 ]
O futuro do carro nacional...

[ 18/7/2018 ]
Pesquisa e desenvolvimento em alta...

[ 18/7/2018 ]
Financiamentos de caminhões e ônibus som...

[ 18/7/2018 ]
Seis carros que podem ser lançados no Br...

[ 18/7/2018 ]
Continental lança banda para maior quilo...

[ 18/7/2018 ]
Grupo Carboni IVECO inaugura nova estrut...




 

Data: 10/7/2018

Sem pressa
 
O mercado de consórcio automotivo registrou um crescimento de 8% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados são da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC) e mostram uma tendência de alta. No entanto, por se tratar de uma forma de investimento planejado, essa modalidade exige alguns cuidados e, principalmente, paciência do futuro proprietário.

O autônomo Sérgio Silva, de 55 anos, concorda que planejamento é um detalhe importante na hora de aderir a esse tipo de associação. Ele decidiu comprar o seu segundo carro via consórcio. “Nunca tem dinheiro sobrando. Fiz as contas e resolvi investir em algo seguro, mas sem ter expectativa alguma de receber meu automóvel antes do fim do prazo de cinco anos”, conta o morador de São Gonçalo, que adquiriu recentemente um Volkswagen Voyage zero quilômetro.

Ainda segundo a ABAC, a modalidade de consórcio quase triplicou sua participação no total de emplacamentos de veículos leves (automóveis, utilitários e camionetas) na última década. Em 2009, a fatia era de 7,8%. Já no primeiro trimestre deste ano, o percentual subiu para 31%. “Esse tipo (de transação) é importante para a gestão financeira e contribui para a realização de metas pessoais, familiares”, esclarece Paulo Rossi, presidente da ABAC.

O diretor da seguradora Porto Seguro William Rachid afirma que, para aproveitar o investimento no consórcio ao máximo, é preciso acompanhar o status do grupo e estar atento a todas as opções disponíveis para receber o prêmio. “O consorciado pode aumentar suas chances de contemplação ofertando lances durante a vigência do grupo. Eles podem ser fixos, livres ou embutidos. Tudo depende da modalidade adquirida”.

Assembleias gerais

Rachid reforça a importância de o associado estar sempre atento às assembleias mensais. Elas podem acontecer de maneira online ou presenciais. Nelas, os consorciados sabem os resultados de sorteios e lances. É fundamental também manter os dados de cadastro atualizados. “Para isso, algumas administradoras já oferecem meios práticos para o proprietário, como o uso de aplicativos com diversas funcionalidades e plataformas de acesso online”.

Após a contemplação, o cliente deve entender as opções que possui para aplicar o crédito, sempre atento à modalidade à qual aderiu. “Ele pode optar por não retirar seu crédito e deixá-lo rendendo junto à administradora, que aplica o recurso em fundos de investimento”, diz Rachid.

O consórcio é importante para a gestão financeira e contribui para a realização de metas pessoais e familiares.

Fonte : O Dia/Paulo Rossi, presidente da ABAC