[ 24/9/2018 ]
Volkswagen pretende iniciar produção de ...

[ 24/9/2018 ]
Crise na Argentina desafia produção de v...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel foca nos elétricos e ...

[ 24/9/2018 ]
Presidenciáveis rejeitam renovar subsídi...

[ 24/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 24/9/2018 ]
O maior acerto de uma montadora francesa...

[ 24/9/2018 ]
Governo alemão e montadoras continuam co...

[ 24/9/2018 ]
VWCO e Ambev somam forças em prol da mob...

[ 24/9/2018 ]
Salão do Automóvel 2018 terá atrações di...

[ 24/9/2018 ]
GM anuncia vencedores do Prêmio de Suste...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen já avalia alternativas para a...

[ 21/9/2018 ]
Rota 2030 deverá passar no Congresso em ...

[ 21/9/2018 ]
Veículos mais "limpos" evoluem, mas aind...

[ 21/9/2018 ]
Volkswagen trabalhará aos sábados...

[ 21/9/2018 ]
Preço do GNV sobe mais do que o da gasol...

[ 21/9/2018 ]
ANP libera mais R$706,6 milhões à Petrob...

[ 21/9/2018 ]
Diminui a confiança dos empresários da i...

[ 21/9/2018 ]
Jetta ganha traços mais esportivos na li...

[ 21/9/2018 ]
Ambiental restaura trólebus que reúne a ...

[ 21/9/2018 ]
Ônibus, responsável pelo transporte de 8...




 

Data: 10/7/2018

Novo recorde de exportações de veículos está ameaçado
 
A indústria automobilística brasileira já não dá como certo um novo recorde de exportações em 2018. Depois de dos 766 mil veículos embarcados no ano passado, melhor resultado ao longo de seis décadas do setor, os números do primeiro semestre deixaram dúvidas se a marca poderá ser batida.

De janeiro a junho o Brasil exportou 379 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, apenas 0,5% a mais do que em igual período do ano passado. Em junho, foram destinados a outros mercados 64,9 mil unidades, queda de 4,4% sobre o volume registrado no mesmo mês de 2017 e apenas o quarto melhor resultado mensal deste ano.

Pelas projeções iniciais da Anfavea, o setor poderia superar 800 mil unidades ao longo dos doze meses de 2018, crescimento de 4,5%. Mas nesta sexta-feira, 6, o próprio presidente da entidade, Antonio Megale, revelou que a expectativa agora é de repetir o resultado de 2017, não mais do que isso.

O executivo foi objetivo ao justificar essa desaceleração: Argentina e México, os dois mercados mais importantes dos veículos leves brasileiros no exterior, passam por delicado momento econômico e político. No caso argentino, em particular, citou a desvalorização cambial do peso e o forte aumento das taxas de juros.

“Nossas montadoras já têm recebido pedido de revisão de volumes”, revelou Megale. “Mas não dá para reclamar: afinal crescemos um pouco no primeiro semestre”.

Se em unidades o quadro tende ao equilíbrio com relação ao ano passado, em valores o setor segue em curva ascendente. No acumulado dos primeiros seis meses do ano as vendas de veículos no exterior superaram US$ 8,6 bilhões, 16,7% a mais do que no mesmo período do ano assado.

Só em junho foram negociados US$ 1,4 bilhão, melhor resultado para esse mês em toda a história. O resultado semestral também é o melhor já registrado para o período e Megale acredita que os negócios externos esbarrarão nos US$ 16 bilhões em 2018.

Essa aparente contradição entre volume estagnado e faturamento ascendente tem a ver com o perfil dos produtos. As exportações de máquinas agrícolas e rodoviárias, produtos de maior valor agregado, ultrapassaram 6,1 mil unidades no primeiro semestre, crescimento de 2,1%. Para o ano cheio, a Anfavea projeta 15 mil equipamentos, evolução de 7% sobre 2017.

Fonte : AutoIndústria/George Guimarães