[ 22/2/2019 ]
Crise na Ford será discutida no Palácio ...

[ 22/2/2019 ]
Novos produtos e mercado em alta animam ...

[ 22/2/2019 ]
Sindicato vai até sede da Ford, nos EUA,...

[ 22/2/2019 ]
Consumo de combustíveis se manteve estáv...

[ 22/2/2019 ]
Governo de São Paulo buscará interessado...

[ 22/2/2019 ]
Comerciantes dizem que anúncio de fecham...

[ 22/2/2019 ]
Vendas do Grupo Traton avançam 14% em 20...

[ 22/2/2019 ]
Fábrica da Volkswagen no Paraná completa...

[ 22/2/2019 ]
Toyota terá compartilhamento de veículos...

[ 22/2/2019 ]
Nissan Livina volta com Mitsubishi rebat...

[ 21/2/2019 ]
Empregados da Ford esperam que empresa v...

[ 21/2/2019 ]
Trabalhadores da Ford farão assembleia n...

[ 21/2/2019 ]
Goodyear comemora 100 anos no Brasil ...

[ 21/2/2019 ]
Doria tenta reverter saída da Ford de Sã...

[ 21/2/2019 ]
Veículos de luxo: alugar pode ser 31% ma...

[ 21/2/2019 ]
Audi busca (mais) consumidores jovens co...

[ 21/2/2019 ]
Caminhões DAF se destacam pelos equipame...

[ 21/2/2019 ]
Motor Elétrico da BorgWarner Movimenta C...

[ 21/2/2019 ]
Volvo faz sua primeira entrega de caminh...

[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...




 

Data: 11/7/2018

Tesla aumenta preços na China após guerra comercial afetar montadoras
 
A montadora norte-americana Tesla elevou os preços de seus carros Model X e S em cerca de 20% na China, sendo a primeira empresa dar tal passo no maior mercado automotivo do mundo em resposta ao crescimento das tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo.

A medida é a mais recente indicação de quanto as tarifas chinesas mais altas sobre certas importações norte-americanas vão ser repassadas para os compradores, com a expectativa de que outras montadoras sigam o exemplo ou transfiram uma parcela maior da produção para a China.

"É apenas o primeiro capítulo dessa história", disse James Chao, analista da consultoria IHS Markit, que espera que mais empresas globais sejam prejudicadas por essa disputa comercial.

A China anunciou tarifas retaliatórias de 25% sobre importações de diversos produtos dos Estados Unidos, incluindo carros, após o presidente norte-americano, Donald Trump, impor tarifas sobre o equivalente a US$ 34 bilhões de produtos chineses.

As tarifas chinesas devem prejudicar montadoras, empresas que fabricam componentes industriais nos Estados Unidos e produtores de soja, uísque e de outros itens agrícolas.

Para a Tesla, que está queimando caixa rapidamente e sofrendo para se tornar lucrativa, a China é um mercado importante. As vendas no país responderam por cerca de 17% de sua receita no ano passado.

Em maio, a Tesla cortou o preço em até US$ 14 mil de seu Model X na China, após Pequim dizer que reduziria tarifas de importação para 15%, ante 25%, para a maioria dos veículos a partir de 1º de julho.

No entanto, as mais recentes tarifas retaliatórias significam que importadores terão de desembolsar um total de 40% em encargos sobre todos os carros fabricados nos EUA que eles vendem na China.

O aumento de preços da Tesla entrou em vigor no fim de semana.

Seu sedã básico Model S na China agora custa cerca de 849.900 iuanes (US$ 128.779), ante 710.579 iuanes em maio. Já o utilitário esportivo Model X custa cerca de 927.200 iuanes, ante 775.579 iuanes, de acordo com o website da Tesla.

Esses preços são mais de 70% acima dos praticados nos EUA, onde o sedã básico Model S é vendido por US$ 74.500.

"Elevar os preços vai prejudicar as vendas, mas a deficitária Tesla precisa aumentar os preços porque ela não pode absorver os custos mais altos das tarifas", disse o analista Efraim Levy, da CFRA.

Fonte : Portal G1/Reuters